Documentário: Dentro da minha pele

Enviado por / FonteOlhar Imaginário

Documentário humano, narrativo e poético com várias camadas que desvelam o racismo estrutural que está impregnado nas relações familiares, nos ambientes de trabalho e faz parte da subjetividade das pessoas negras e brancas. Herança da escravidão permanece presente até os dias de hoje. O Brasil foi o último país do mundo a abolir o trabalho escravo.

A espinha dorsal do documentário são as histórias de 9 pessoas comuns, com diferentes tons de pele negra, que apresentam seu cotidiano na cidade de São Paulo e compartilham situações de racismo, dos velados aos mais explícitos. Temos o médico Estefânio Neto, a modelo-performer Rosa Rosa, os estudantes universitários Wellison Freire e Jennifer Andrade da Faculdade Getúlio Vargas, a mais importante escola de administração da América Latina, a funcionária pública e ativista trans Neon Cunha, a trabalhadora doméstica Neide de Sousa, a corretora de imóveis Marcia Gazza que perdeu o filho assassinado pela Polícia Militar, e o casal que espera um bebê, a professora do ensino publico Daniela dos Santos com o garçom Cleber dos Santos.

Usando da linguagem do documentário de observação acompanhamos os personagens nos seus espaços habituais, ambientes de dores e superações. Sob luz natural, os depoimentos intimistas nos colocam em contato com fortes experiências de racismo vividos na própria pele, trajetórias de resistências e reinvenções.

Toni Venturi, diretor branco, formado em cinema no Canadá, é neto de imigrantes italianos que aportaram no Brasil no início do século XX, momento que o governo oferecia facilidades aos europeus em detrimento a população negra. A ordem era embranquecer o país. Na ponderação metalinguística do filme, o diretor se expõe criticamente na narração em primeira pessoa ao falar sobre sua ascendência italiana e a conscientização de seus privilégios. Val Gomes, socióloga de descendência indígena e negra, faz sua estreia no documentário assinando a codireção do projeto. A construção dialética das diferentes camadas narrativas do filme é resultado da parceria dos dois criadores.

Sem roubar o protagonismo das histórias pessoais, 6 pensadores negros fazem reflexões sobre o racismo no Brasil. Num estúdio de fundo preto e sóbrio, sob luz contrastada, acompanhamos os pensamentos de Cida Bento (psicóloga), Cidinha da Silva (escritora), Joice Berth (arquiteta), José Fernando de Azevedo (dramaturgo e pesquisador), Salloma Salomão (historiador e músico) e Sueli Carneiro (filósofa). Inserções pontuais de 3 cientistas sociais brancos antirracistas completam as entrevistas, Jessé Souza (sociólogo), Lia Vainer Schucman (psicóloga) e Adilson Paes (Tenentecoronel da Polícia Militar).

Música negra contemporânea e slam de jovens periféricos estabelecem os respiros poéticos entrelaçando as histórias pessoais com as reflexões filosóficas. Num ateliê de arte e pintura, as cantoras Bia Ferreira e Doralyce interpretam a canção Cota não é Esmola, Chico César apresenta uma nova versão de Respeitem meus cabelos, Brancos, Luedji Luna aparece em Iodo, Thaíde com o rap Algo Vai Mudar, Valéria Houston traz o samba Controversa e Anicidi Toledo com o Batuque de Umbigada dançam a umbigada Luís Gama. Numa favela do Capão Redondo (SP), os jovens slamers Bione e Barth Viera comparecem com a poesia de denúncia, afirmativa, produzida na periferia da cidade.

A complexidade da megalópole São Paulo desponta na visão monumental das tomadas aéreas que se contrapõem às imagens dos super close-ups em slow motion dos detalhes das peles, olhos, bocas e mãos dos personagens negros e brancos. A visão dos drones dos espaços de exclusão da cidade, segregada em classes sociais, contrasta com a visão intimista dos poros e texturas das peles.

A equipe de criação, produção e técnica do documentário Dentro da Minha Pele foi constituída inteiramente por profissionais negros. Para a realização dos seus filmes e séries, a produtora Olhar Imaginário tem investido na composição de equipes com diversidade de raça e gênero. Entende que as práticas antirracistas promovem a pluralidade de olhares que enriquecem a obra em produção.

Título
DENTRO DA MINHA PELE

Intelectuais: Cida Bento (psicóloga), Cidinha da Silva (escritora), Joice Berth (arquiteta), Jessé Souza (sociólogo), José Fernando de Azevedo (diretor teatral), Lia Schucman (psicóloga), Salloma Salomão (historiador e músico), Sueli Carneiro (filósofa);

Artistas: Anicide Toledo e Batuque Guaia de Capivari, Bia Ferreira e Doralyce, Chico César, Luedji Luna, Thaíde, Valéria Barcellos; Slamers: Barth Vieira, Bione

Direção: Toni Venturi

Codiretora e Pesquisa: Val Gomes

Roteiro: Toni Venturi, Val Gomes, Marcus Aurelius Pimenta

Produção Executiva: Tiago Berti

Fotografia: Daniel Fagundes

Segunda Câmera: Aline Juliet

Montagem: Marcola Marinho, Paulo Alberto

Direção de Produção: Camila Abade

Assistente de Produção: Juh Balhego

Assistente de Direção: Monique Rocco

Som Direto: Evelyn Santos

Trilha Sonora: Alysson Bruno

Produção Musical: Felipe Julian

Edição de Som e Mixagem: Pedro Noisyman

Arte e Grafismo: Bruno Bayeux

Administração: Audrey Markutis

Produção: OLHAR IMAGINÁRIO

Gênero: Documentário social

Mês/Ano: Agosto 2020

Duração: 86′

Distribuição: O2 PLAY

País: Brasil

Leia também: 

Dentro da minha pele

+ sobre o tema

Os braços da Copa: a foto de um brasileiro em Senegal x Polônia

A imagem se tornou uma das mais compartilhadas do...

O assombro que vaza da simples existência…

Sou dessas pessoas fissuradas pela ideia de cruzar a...

Goiás reconhece responsabilidade na morte de 10 menores carbonizados

Em maio de 2018, dez jovens morreram em incêndio...

Consciência branca

Como boa parte da classe média branca brasileira, cresci...

para lembrar

Nota da Coalizão Negra por Direitos por justiça para Miguel Otávio!

A Coalizão Negra por Direitos se solidariza com a...

Metade dos casos de racismo acontece onde a vítima trabalha ou mora

Metade dos casos de racismo acontece onde a vítima...

Beltrame, não aceitamos mais perder gerações

    Mônica Francisco,  Sinto muito Beltrame, mas termos de perder mais...
spot_imgspot_img

Como é a vida para as mulheres no último país da África sob colonização

Ainda hoje há um país africano colonizado. O Saara Ocidental está ocupado pelo Marrocos desde 1976, depois de quase 90 anos de invasão espanhola, e esteve em guerra...

Revolucionário, mas não é para todos

Passei os últimos dias pensando no significado e na profundidade de uma postagem que li numa rede social contendo a afirmação: "Descansar é revolucionário!"....

‘Nossa missão é racializar as políticas públicas em todo país’

Nomeado recentemente  como novo secretário de gestão do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial (Sinapir), o jornalista baiano Yuri Silva tem uma tarefa...
-+=