Domésticas investem no estudo em busca de novas oportunidades

Domésticas investem no estudo em busca de novas oportunidades

Uma pesquisa do IBGE mostra que diminuiu bastante o desemprego para as domésticas, mas, ao mesmo tempo, falta esse tipo de profissional no mercado.

As empregadas domésticas estão em busca de um futuro melhor. Elas estão investindo no estudo e procurando novas oportunidades de trabalho.

A doméstica Tatiana dos Santos tem 27 anos. “Eu trabalho como diarista. Tem dias que eu faço duas diárias. Vou para uma casa, depois saio e vou para outra e depois corro para a faculdade”, conta Tatiana. E não para por aí. Ela também é mãe de dois filhos e ainda arrumou um tempinho sabe para quê? “Faço estágio às sextas-feiras o dia todo e faço estágio aos domingos a noite toda. Estou investindo pesado na profissão, porque eu quero realmente me preparar mesmo”, diz.

A doméstica Fabiana Melo sempre trabalhou como empregada doméstica. Agora ela reveza a faxina com os livros. Faz faculdade de Ciências Contábeis. “O salário de empregada doméstica não é um salário ruim. Geralmente é um salário bom, mas eu não queria parar só aí. Minha patroa fez uma proposta de aumento de salário. Expliquei que queria voltar a estudar. Aí ela falou assim: Fica comigo mais dois anos e eu aumento. Eu estudo à distância, dou meu jeito”, comenta.

Uma pesquisa do IBGE mostra que diminuiu bastante o desemprego para as domésticas, mas, ao mesmo tempo, falta esse tipo de profissional no mercado.

“A ascensão das classes populares mostrou para uma grande massa da população brasileira que agora é possível. Depende de você. Nós temos um quadro socioeconômico que está favorecendo mais o trânsito entre as classes sociais”, explica o antropólogo Fábio Mariano Borges.

“Eu quero melhorar, eu quero crescer. Não quero ficar minha vida toda assim cuidando da casa das pessoas. Eu quero cuidar da minha vida profissional”, acrescenta Fabiana Melo.

Essa mudança no perfil das empregadas domésticas, não é apenas uma mudança no mercado de trabalho. É uma mudança no perfil da mulher brasileira. “As mulheres brasileiras estão mais escolarizadas, estão estudando bem mais, muito mais do que os homens. Consequentemente, elas estão mais preparadas para o mercado de trabalho e muito mais competitivas”, destaca o antropólogo.

“Eu decidi fazer administração, porque acho que está no meu sangue administrar”, afirma Joseleuda Ferreira, que também começou como doméstica. Hoje ela tem 29 anos, já fez um curso técnico e faz cursinho pré-vestibular para entrar em uma faculdade de Administração. “Eu vim do Nordeste com o 5º ano. Eu não tinha opção, fui trabalhar como doméstica”, lembra.

“Elas estão, na verdade, entrando no serviço doméstico, trabalhando como doméstica, mas como uma passagem. O interesse, na verdade, é de seguir uma carreira em alguma empresa”, avalia o antropólogo Fábio Mariano Borges.

“Quero fazer licenciatura para eu poder estar dando aula. Quero fazer isso: dar aula de Português”, afirma a doméstica Rozane Carvalho.

O sonho sempre foi ter uma carteira de trabalho assinada. “De quase de sete milhões de trabalhadores domésticos, dois milhões são diaristas. Ao todo, 5,2 milhões são empregadas domésticas, mas somente dois milhões tem carteira assinada”, calcula Mário Avelino, presidente da ONG Doméstica Legal.

“Eu acredito que, entre 7 e 10 anos, este perfil já vai estar um pouco mais consolidado e vai ser bem difícil e bem raro a gente conseguir uma doméstica”, observa o antropólogo Fábio Mariano Borges.

“Eu acho que doméstica só vai ficar na lembrança na minha carteira de trabalho”, diz a doméstica Fabiana Melo.

“A doméstica de hoje, em uma casa, pode ser a líder de uma empresa amanhã”, prevê o antropólogo.

“Não penso em só terminar a graduação. Eu penso em fazer pós, eu penso em fazer mestrado. Não penso em parar. Ninguém me segura mais”, brinca Fabiana.

“Eu me vejo em uma empresa grande, trabalhando como uma grande administradora”, diz Joseleuda Ferreira.

“É uma emoção de você ver que você pode. Apesar de tudo, é possível”, afirma Rozane Carvalho.

Fonte: Jornal de Floripa

+ sobre o tema

Deborah Riley Draper, cineasta: ‘É estúpido julgar uma pessoa pela cor da pele’

Americana veio ao Rio a convite do consulado dos...

Ketiley Mica, de 9 anos, fala sobre aceitação de seus cabelos afro e emociona

O depoimento da pequena Ketiley Mica, que mora em...

Rapaz trabalha como diarista há 7 anos no ES e diz que não se importa com preconceito

Para psicóloga e consultora de carreiras, o mercado de...

para lembrar

Série fotográfica celebra o poder de mulheres negras brasileiras

Nos últimos dois anos o jornalista brasileiro Weudson Ribeiro...

STF iguala herança de união estável à de casamento

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira, 10, que...

“Mutilação genital não é cultura, é violência”, diz ativista africana

Leyla Hussein sofreu com a violência aos sete anos...

Literatura e ideologia: uma entrevista com Alice Walker

Gostaria de dizer que planejamos tudo desde o começo,...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=