Dragão do Mar fez Ceará abolir a escravidão 4 anos antes da Lei Áurea

O Brasil comemora no dia 13 de maio a abolição da escravidão no país, oficializada pela Lei Áurea, em 1888. O que muitos desconhecem é que o estado do Ceará aboliu a escravidão quatro anos antes da Lei Áurea. Em 25 de março de 1884, o presidente da província, Satiro de Oliveira Dias, declarou a libertação de todos os escravos do Ceará, tornando o estado o primeiro a abolir a escravidão no país.

Isso foi possível graças a Francisco José do Nascimento, também conhecido como Dragão do Mar ou Chico da Matilde. Homem de origem humilde, jangadeiro e abolicionista, teve participação ativa no Movimento Abolicionista no Ceará.

Capa da Revista Illustrada v.9 nº 376 ano 1884/ (Reprodução: Observatório 3setor)

Francisco José era chefe dos jangadeiros e, em 1881, convenceu os colegas jangadeiros a se recusarem a transportar para os navios negreiros os escravos vendidos para o sul do Brasil.

A ação repercutiu no país e somada às ações dos outros abolicionistas do Ceará, que pertenciam à elite econômica e intelectual do estado, levou ao fim da escravidão no Ceará.

A ação iniciada pelo dragão do Mar foi tão importante que Angelo Agostini (desenhista ítalo-brasileiro) registrou o fato na capa da Revista Illustrada, com uma ilustração alegórica de Francisco Nascimento, com a seguinte legenda: “À testa dos jangadeiros cearenses, Nascimento impede o tráfico dos escravos da província do Ceará vendidos para o sul”.

Francisco José do Nascimento virou um símbolo da resistência popular cearense contra a escravidão, e foi homenageado pelo governo do Ceará, com seu nome dado ao Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, pelo que ele e seus colegas realizaram em nome da liberdade, em 1881, na Praia de Iracema. Francisco faleceu em Fortaleza em 05 de março de 1914.

Foto em destaque: Reprodução/ Observatório 3setor

+ sobre o tema

Mandela segue internado em estado “grave, mas estável”

Joanesburgo – O ex-presidente da África do Sul e...

Arqueólogos acham peças de engenho de 1580 em São Paulo

Descoberta ajuda a documento o início do ciclo da...

Bahia marcará presença em festival de Atlanta

  Um dos redutos de afrodescendentes dos Estados...

Ser artista negra: o olhar de Rosana Paulino sobre passado, presente e futuro

Artistas afro-brasileiras são as homenageadas da SP-Arte em uma...

para lembrar

Mamma Cax: negra, mulher, deficiente e blogueira de moda

Com apenas 14 anos Mama Cax foi diagnosticada com...

O Estatuto da Igualdade Racial não é um barco à deriva

Edson França * O Estatuto da Igualdade Racial aprovado...

Descoberta do túmulo de Dragão do Mar vira destaque em universidade americana

A descoberta do túmulo do herói cearense Dragão do...

Jamaicano de 16 anos bate recorde de Bolt que durava desde 2002

A Jamaica tem uma nova promessa no atletismo. O...
spot_imgspot_img

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...

SP: mostra de cinema Léa Garcia – 90 Anos celebra obra da artista

A mostra inédita Léa Garcia - 90 anos, que começa neste sábado (25), celebra a obra da renomada artista do cinema nacional, que morreu em...

‘Está começando a segunda parte do inferno’, diz líder quilombola do RS

"Está começando a segunda parte do inferno", com esta frase, Jamaica Machado, líder do Quilombo dos Machado, de Porto Alegre, resumiu, com certo desânimo, a nova...
-+=