É Fantástico: aberta a temporada de caça às mulatas

 

O “Fantástico” iniciou a temporada de caça às mulatas. No último domingo, lançou o concurso para escolher a nova Globeleza. Dez moças disputam a coroa de Rainha do Carnaval Global. Todas negras. O programa confirma a prática enraizada de limitar a exposição de negros a papéis estereotipados.

Por: Marcos Sacramento

Durante as próximas três semanas, elas participarão de uma espécie de gincana até uma ser escolhida pelo público. Neste mesmo período, poucas negras igualmente lindas emprestarão suas imagens para vender margarina, carros, pacotes de viagens ou seguros em anúncios televisivos.

O concurso é um exemplo eloquente de como o negro é tratado na TV brasileira: sempre relegado a papéis secundários ou carregados de clichês, sejam eles negativos ou supostamente positivos, como a alegria ou a malemolência atribuídas às pessoas de cor. Quando estão em evidência, é dançando freneticamente no “Esquenta”, o equivalente televisivo a uma grande festa na senzala.

Outra disputa de beldades promovida pelo mesmo “Fantástico” atesta esta exclusão. O “Menina Fantástica”, concurso para revelar uma top-model, tinha pouquíssimas negras na disputa. Às belas negras, resta o Carnaval e a possibilidade de um reinado até a quarta-feira de Cinzas. Passarela da moda? Só com sorte ou por conta de míseras cotas, como as adotadas no último Fashion Rio.É como se mulher negra e bonita fosse sinônimo de passista de carnaval, apenas.

Uns bons anos atrás li “Carnaval, Malandros e Heróis”, de Roberto DaMatta. Ele aborda, entre outras coisas, as inversões de valores em que o carnaval opera. O machão se veste de mulher e os pobres e iletrados tornam-se reis nas passarelas ou doutores no samba.

Isso ajuda a entender o papel que as aspirantes a Globeleza estão representando atualmente na mídia. A presença delas no “Fantástico” seria apenas uma subversão controlada e temporária da ordem estabelecida.

E enquanto as meninas dançam, o Show da Vida segue seu curso e a cada domingo consolida preconceitos raciais.

Sobre o Autor

Marcos Sacramento, capixaba de Vitória, é jornalista. Goleiro mediano no tempo da faculdade, só piorou desde então. Orgulha-se de não saber bater pandeiro nem palmas para programas de TV ruins.

Fantástico estimula racismo na Globo

“Rede Globo, fantástico é o seu racismo!” 

 

Fonte: DCM

+ sobre o tema

para lembrar

Fraude nas Cotas: a culpa é de quem?

As ações afirmativas estão, sem dúvidas, entre as maiores...

“O currículo é um dos caminhos pelos quais a escola pode cumprir um papel em relação à desigualdade”

A especialista em currículo Cláudia Valentina Assumpção Galian discute...

CNPq publica edital para incentivar meninas na carreira de ciências exatas

VANDERLAN BOLZANI, VICE-PRESIDENTE DA SBPC, E THEREZA CRISTINA DE...
spot_imgspot_img

Geledés publica boletins sobre a Primeira Infância nos estados brasileiros

Geledés Instituto da Mulher Negra está realizando as ações da segunda etapa do projeto “Primeira Infância no Centro: garantindo o pleno desenvolvimento infantil, uma...

PL do novo PNE apresenta avanços em equidade e dá primeiro passo em financiamento, mas precisa de melhorias estruturais e traz também retrocessos

O Projeto de Lei (PL) nº 2.614/2024, que prevê um Plano Nacional de Educação (PNE) para o período de 2024-2034, apresenta avanços relacionados à...

Jovens cientistas receberão apoio de mais de R$ 21 milhões para pesquisas   

O Instituto Serrapilheira anunciou, nesta quarta-feira (26), os 33 pesquisadores selecionados em dois editais que vão injetar mais de R$ 21 milhões em ciência no Brasil. Uma...
-+=