E o SACI?

Há um modelo de sociedade sendo implementado nos últimos séculos. Infelizmente a manutenção da hegemonia branca, evidencia, por exemplo, como as culturas brasileiras são por vezes secundarizadas e a cultura europeia supervalorizada, fortalecendo a ideia de pouca relevância a cultura originária do nosso país. 

Uma situação que exemplifica esse apontamento em relação a questão cultural, é a celebração realizada em todo Brasil, no dia 31 de outubro, dia das Bruxas. Acompanhamos pelas as redes sociais, nas atividades escolares, nas festas(baladas) e nos condomínios, um envolvimento coletivo e de pertencimento em relação a tal celebração. 

É o dia da festa a fantasia, com decorações de todos os jeitos e quanto mais assustador melhor, mas o que de fato essa celebração congrega com a nossa cultura? Quais são os entendimentos que os brasileiros possuem em relação ao Halloween, o dia das bruxas? 

O dia das bruxas é celebrado no Brasil, com o hábito de ir de porta em porta atrás de doces ou travessuras, enfeitar as casas com adereços “assustadores” e participar de festas a fantasia, costume muito comum. Na realidade, o verdadeiro sentido desse dia está vinculado ao dia dos mortos e a época de colheita que marca o fim do verão e o início do outono no hemisfério norte. 

O Halloween teve origem com o povo celta, pois acreditavam no retorno dos mortos à Terra.  Por ser uma festa pagã, conforme aborda estudiosos, no século VIII o papa Gregório III alterou o calendário na tentativa de atribuir à festa o caráter religioso, através da mistura das datas.

Assim, o Dia de Todos os Santos, antes comemorado no dia 13 de maio, passou a ser no dia 1 de novembro, antecedendo o que passou a ser All Hallows’ Eve. O termo Halloween então é resultado da junção das palavras hallow e eve, que significam respectivamente “santo” e “véspera”.

Nessa ocasião, também se agradecia a abundância das colheitas do ano e a transição para o início de um novo ano no primeiro dia de novembro. A falta de uma verdadeira compreensão em relação ao dia das bruxas, leva ao seguinte questionamento: Será que diferentes famílias apoiariam tal celebração sabendo do seu real significado? A escola ensina o verdadeiro sentido da festa halloween? Qual a relação dessa cultura com a dos brasileiros? Diante do exposto apresento a seguinte reflexão: 

Por que as Bruxas ao invés do Saci Pererê?

O Saci Pererê é um dos símbolos mais famosos do Folclore brasileiro, sendo considerado uma figura mitológica. Sua missão era viver no bosque, protegendo a mata e a flora contra os caçadores e predadores. A lenda do Saci surge entre os Guaranis por meados do século XVIII, era um garoto indígena de duas pernas, protetor das florestas e morador das matas Jaxy Jaterê (ou Yasy Yateré).  

O Dia do Saci é comemorado anualmente em 31 de outubro, esse dia foi criado com o intuito de valorizar o folclore nacional, ao invés de uma cultura europeia. O mundo apresentado até pouco tempo na escola era o mundo dos brancos, no qual, as culturas europeias eram apresentadas como superiores, o ideal a ser seguido (RIBEIRO, 2019).

Aos profissionais da educação faço o seguinte questionamento: Quantas vezes você trabalhou com o folclore brasileiro? De que forma? As crianças sabem identificar personagens do folclore brasileiro como o próprio Saci Pererê? 

Infelizmente esbarramos no que Chimamanda (2019), apresenta como unicidade da história, como se fossemos de uma única cultura e que tivéssemos um único princípio a ser seguido. O verdadeiro perigo da história única. Entra dia e sai dia, e seguimos saindo desse processo de escolarização, com uma única cultura, dando a impressão que somos de um único povo e uma única raça. 

As crianças sabem identificar o drácula, os vampiros e as bruxas, mas dificilmente identificam Curupira, Iara e até mesmo o Saci. Estamos vivendo num dado momento histórico que a ausência da nossa história reflete diretamente na constituição da nossa nação. Ignoramos a cultura local, inclusive correndo o risco de eliminar os conhecimentos e saberes dos povos originários e negros. Para Sueli Carneiro (2005), isso faz muita relação com o epistemicídio, não estamos preparados para tamanha perversidade do racismo, onde põe em pauta, a exclusão das oportunidades educacionais em trabalhar sobre outras culturas, diferentes da europeia. 

O Saci hoje, é conhecido como um menino negro de uma perna só, sempre trajando um cachimbo e uma carapuça vermelha. Sua característica mais marcante é a personalidade travessa. Conforme o mito, ele também é um grande conhecedor da utilização de ervas e plantas medicinais, e é conhecido por viajar dentro de redemoinhos.

Não há nenhum problema com as vivências de diferentes culturas, o incomodo está quando ignoramos umas, em detrimento de outras, dando destaque para culturas que não fazem parte do nosso cotidiano. Afinal, por que seguimos ignorando o dia do SACI? Nilma Lino Gomes, traz em suas reflexões sobre esse processo de nos ensina a tratar as diferenças de forma desigual. 

Aprendemos, na cultura e na sociedade, a perceber as diferenças, a comparar, a classificar. Se as coisas ficassem só nesse plano, não teríamos tantos complicadores. O problema é que, nesse mesmo contexto, aprendemos a hierarquizar as classificações sociais, raciais, de gênero, entre outras. Ou seja, também vamos aprendendo a tratar as diferenças de forma desigual. (GOMES, 2010, p.24)

Resolvi apresentar essa provocação, pois a educação necessita refletir sobre suas escolhas pedagógicas e definitivamente expor para qual modelo de sociedade caminhamos. Há um projeto em curso e se faz urgente pensarmos sobre isso, com responsabilidade, compromisso e respeito as diferentes culturas, histórias e saberes do povo brasileiro. Passado o do dia 31 de outubro, quais os saberes, histórias e culturas que as crianças aprenderam na escola? 

REFERÊNCIAS 

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser. Feusp, 2005. (Tese de doutorado) 

CHIMAMANDA, Ngozi Adichie. O perigo de uma história única. Versão da primeira fala feita por Chimamanda no programa TED Talk, em 2009. Companhia das letras, 2019. 64p. 

RIBEIRO, Djamila. Pequeno Manual antirracista. 1ª edição – São Paulo: coleção Feminismos Plurais, Companhia das letras, 2019. 


Graziela Oliveira Neto da Rosa, pesquisadora da ERER – UFRGS

Graziela Oliveira Neto da Rosa (Foto: Arquivo pessoal)

Professora da Rede Municipal de Educação de Esteio – RS, Mestranda da Educação – UFRGS, Membro do MNU-RS, Membro do Coletivo de Professoras Pretas, GT 26-A e Presidenta do SISME (Sindicato dos Municipários de Esteio).  

** ESTE ARTIGO É DE AUTORIA DE COLABORADORES OU ARTICULISTAS DO PORTAL GELEDÉS E NÃO REPRESENTA IDEIAS OU OPINIÕES DO VEÍCULO. PORTAL GELEDÉS OFERECE ESPAÇO PARA VOZES DIVERSAS DA ESFERA PÚBLICA, GARANTINDO ASSIM A PLURALIDADE DO DEBATE NA SOCIEDADE.

+ sobre o tema

A cultura dos concursos de Miss e os 30 Homens sobre nossos corpos

O concurso de miss, diversas vezes atacados pelas mais...

Das jornadas de Junho em 2013 ao impeachment e a uma campanha capenga em 2016, “várias queixas”

Nas eleições de 2016 e na conjuntura nacional encontramos...

Aos que amam mulheres negras

“As mulheres negras sentem que existe pouco ou nenhum...

para lembrar

Ilú Obá de Min compartilha cantos, dança e poesia em Sarau ao vivo

Em meio à pandemia, bloco afro feminino traz Sarau...

Bienal de São Paulo terá 30% de artistas da década de 1970 e indígenas em sua exposição

Diante do anúncio dos 91 participantes da próxima Bienal...

“Sou o sol da Jamaica, sou a cor da Bahia”¹ O samba-reggae como atlântico negro baiano²

RESUMO O presente trabalho tem por objetivo contextualizar o surgimento...

Por que Bob Marley é um ícone dos direitos humanos

Ao se apresentar em junho de 1980 na cidade alemã de Colônia, Bob Marley já estava abatido pela doença. Ainda assim, seu carisma fascinou...

‘Ah, se não Fosse o Ilê Aiyê’: bloco afro mais antigo do país celebra 50 anos de resistência e pioneirismo

Se o bloco afro mais antigo do país enfrentou resistência ao desfilar pelo circuito de Carnaval de Salvador (BA) pela primeira vez, em 1975,...

Camisa Verde e Branco abre hoje desfile do grupo especial em SP

A escola de Samba Camisa Verde e Branco abre hoje (9), às 23h15, a primeira noite de desfiles das escolas de samba do Grupo Especial...
-+=