Guest Post »

Eleita deputada em Portugal, primeira negra de origem africana participa de palestras em Salvador

Joacine Katar participou do Fórum Marielles, e estará em uma roda de conversa na Uneb sobre Mulheres nos Espaços do Poder Institucional, na quinta (17)

No Bahia.ba

Joacine Katar Moreira (Foto: Miguel Silva)

A primeira mulher negra de origem africana, Joacine Katar, participa de palestras na capital baiana. Joacine foi recém-eleita no parlamento português, em Portugal, no último domingo (6), com mais de 50 mil votos.

Joacine participou na tarde desta terça-feira (15) do Fórum Marielles e estará presente em uma roda de conversa da Uneb de Salvador, no Cabula, às 17h, na próxima quinta-feira (17). A atividade terá como tema Mulheres nos Espaços do Poder Institucional e será realizada em frente à biblioteca do campus.

A roda de conversa também terá a participação de Vilma Reis, ex-ouvidora-geral da Defensoria Pública do Estado da Bahia; Georgina Gonçalves, Reitora eleita e não nomeada pela UFRB; Marta Rodrigues, vereadora (PT) na capital baiana; Rosane Vieira, diretora da Uneb do Campus de Coité, Nilza Martins, profª da Uneb de Barreiras, ex-vereadora e ex-vice-prefeita; Paulette Furação, ex-coordenadora a pasta LGBT da Secretaria de Justiça do Estado; Cris Barros, presidenta do PSOL em Salvador; e Creuza Oliveira, Sindicato das Trabalhadoras Domésticas de Salvador. A mediação será da coordenadora geral da Aduneb, Ronalda Barreto.

A roda de conversa integra a programação do Candaces – III Ciclo Internacional Mulheres Negras e Produção de Epistemologia das “Amefricanas”. O objetivo é debater sobre as novas formas de conhecimento, produzidas por mulheres negras a partir das suas experiências históricas na Diáspora Africana.

Joacine Katar Moreira é ativista do movimento negro, tem 37 anos e nasceu na cidade de Guiné-Bissau. Ela é graduada em História Moderna e Contemporânea, fez mestrado em Estudos do Desenvolvimento e doutorado em Estudos Africanos pelo Instituto Universitário de Lisboa. Entre sua atuação militante ganhou destaque por defender pautas contra o racismo, o machismo, a justiça social e questões relacionadas ao meio ambiente.

Leia também

Joacine, Cristas, Catarina Martins. Três mulheres… ou cinco, ou 89

“Não se pode defender apenas algumas igualdades”, pedem as feministas negras

Related posts