Em 10 anos, disparos de armas de fogo mataram 4 vezes mais negros que brancos no Brasil, diz pesquisa

Enviado por / FonteG1, por Sara Curcino

Instituto analisou 188 mil mortes violentas registradas entre 2012 e 2022; quase 150 mil foram de homens pretos e pardos. Dados de internações e agressões também evidenciam diferença.

Entre 2012 e 2022, quase 150 mil homens negros – pretos e pardos – morreram devido a ferimento por arma de fogo. O número é quatro vezes maior que o de homens brancos mortos no mesmo cenário.

Os dados são do Boletim Saúde da População Negra, projeto do Instituto de Estudos para Políticas de Saúde (IEPS) e do Instituto Çarê. O estudo, obtido com exclusividade pela TV Globo, tem o objetivo de subsidiar pesquisas sobre a saúde da população negra.

“Evidências acadêmicas pautam o reconhecimento das desigualdades estruturais e históricas e revelam uma maior vulnerabilidade da população negra às agressões, manifestando-se em indicadores de saúde desfavoráveis e ressaltando a necessidade premente de políticas públicas e intervenções em saúde direcionadas”, argumentam Rony Coelho e Manuel Mahoche, autores da pesquisa.

“As disparidades enfrentadas pela população negra em contextos de violência e saúde são profundas e multifacetadas, demandando uma resposta que transcende a assistência à saúde e abarca educação, habitação, segurança pública e justiça social, visando à construção de uma sociedade genuinamente equitativa”, afirmam.

O que o estudo concluiu?

O boletim mostra que, de 2012 a 2022, 149,7 mil homens negros morreram por consequência de disparo de arma de fogo em via pública, frente a 38,2 mil homens brancos. A diferença é de quase quatro vezes.

Veja no gráfico, ano a ano:

O estudo aponta que as taxas de mortalidade de homens negros são “significativamente mais altas em comparação as de homens brancos” na faixa etária de 18 a 24 anos.

A partir dos 45 anos, a discrepância se reduz e há um padrão mais homogêneo quando comparadas as duas categorias.

No período, o ano que registrou mais homicídios de negros nessas circunstâncias foi 2017: 17,6 mil mortes, contra 4,1 mil homens brancos assassinados.

+ sobre o tema

O seu medo mata: como acabar com a violência no Brasil

Por Fred Di Giacomo, do Glück Project 2005, eu era um jovem...

Racismo é burrice: Entrevista da professora doutora Cândida Soares

por Rose Domingues A música do cantor Gabriel...

“Autodeclaração é critério correto, mas não pode operar sozinho”

Uma conversa sobre cotas raciais no serviço público com...

Brasil silencia a cultura das favelas para a Copa diz Cameron Combs

  Pesquisador estadunidense afirma que o movimento nacional de...

para lembrar

Negros são menos de 1% de cursos de ponta da USP

São Paulo - Em cinco anos, os cursos...

Saiba mais sobre cotas raciais e sociais

Lei aprovada pelo Senado prevê que até 50%...

Bailarinos negros dão piruetas em cima do racismo

Paulo Melgaço, Bethânia Gomes e Ingrid Silva contam um...
spot_imgspot_img

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...

Formação territorial do Brasil continua sendo configurada por desigualdades, diz geógrafo

Ao olhar uma cidade brasileira é possível ver a divisão provocada pela segregação espacial no território, seja urbano, seja rural. A avaliação é fruto...

Família de João Pedro protesta contra decisão que absolveu policiais

Os parentes do adolescente João Pedro, morto por policiais civis durante uma operação na comunidade do Salgueiro, em São Gonçalo, no Grande Rio, em...
-+=