Em fuga para o Brasil, haitianos são vítimas de espancamentos, estupros e mortes no Peru e Bolívia

Os imigrantes haitianos que buscam refúgio em massa no Acre estão sendo vítimas de extorsão, roubo, estupros e mortes quando percorrem territórios do Peru e da Bolívia.

Relatório enviado ao ouvidor Carlos Alberto de Souza e Silva Júnior, da Secretaria Especial de Políticas da Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), denuncia que as mulheres haitianas são separadas dos homens e bolinadas.

De acordo com o relatório, assinado por Lúcia Maria Ribeiro de Lima, Coordenadora Geral do Comitê Gestor de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, ligado ao governo do Acre e à prefeitura de Rio Branco, a capital do Estado, algumas mulheres foram vítimas de tentativa de estupro e outras foram estupradas por taxistas peruanos e bolivianos.

O documento assinala que nas últimas duas semanas se intensificaram os relatos de haitianos assassinados no trajeto até o Brasil.

Os haitianos que não possuem dinheiro ou bem de valor são amarrados, surrados e colocados nas margens das estradas de barro e com pouca movimentação.

Há relatos de corpos de negros, amarrados na beira da estrada. Na semana passada, foi relatado a existência de um grupo de 10 haitianos amarrados, abandonados na estrada, incluindo mortos entre eles.

– Isso tudo ocorre no caminho entre Peru e Bolívia, mais precisamente numa cidade chamada Soberania (Bolívia). Tais violências são praticadas por policiais da Força Nacional do Peru e da Bolívia e por taxistas que transportam os haitianos. Não há relato de envolvimento de brasileiros – assinala o documento.

O relatório enviado ao ouvidor da SEPPIR informa que “cerca de 3 mil haitianos já passaram pelo Acre e muito mais virá”.

– Ocorre que a fronteira brasileira está fechada e o Brasil exige que os haitianos peçam o visto antes de vir para cá. Por conta desta situação, os haitianos estão sendo vítimas de extorsão e roubo.

Segundo o relatório, objetos de valor (dinheiro, câmeras fotográficas, computador, perfume, sabonete etc ) são roubados, mediante violência. Os roubos são praticados por Policiais da Guarda Nacional do Peru e da Bolívia e também por taxistas.

– Já nos reunimos com representantes (governo e movimento social) do Peru e da Bolívia. Mas pouco foi feito até o presente, principalmente no Peru e na Bolívia. Não tem como o governo brasileiro atuar pois estas atrocidades ocorrem em solo peruano e boliviano – acrescenta o documento.

Apelo

Veja o trecho final do relatório do Comitê Gestor de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Acre:

“Mediante o exposto, solicitamos o apoio da SEPPIR, através do Gabinete da Ministra, da Ouvidoria e da Assessoria de Relações Internacionais no sentido de nos ajudar a:

a) Encaminhar estes relatos aos governos do Peru e da Bolívia, pedindo providências no sentido de fazer cessar todas as violências cometidas contra os haitianos no percurso até o Brasil e punição aos autores destas violências;

b) Que o governo brasileiro reabra as fronteiras a fim de permitir a entrada dos haitianos, visando com isso fazer com que eles evitem o caminho que os estão levando para a extorsão, roubo, estupro e a morte;

c) Que aumente o efetivo da Polícia Federal em Epitaciolândia, no Acre, a fim de agilizar a emissão da documentação;

d) Que o governo federal envie recurso financeiro para o governo do Acre com vistas a garantir melhor atendimento aos haitianos que já estão em solo brasileiro, custeando as despesas com hospedagem, alimentação e passagem para outros estados a fim de buscar trabalho;

e) Que o governo federal faça levantamento nas empresas, principalmente nas que estão construindo as obras para a Copa de 2014, para que possam contratar mão- de-obra haitiana;

f) Que o Ouvidor da SEPPIR venha ao Acre, especialmente à Brasiléia, conhecer a situação dos haitianos para ajudar na sensibilização do governo federal quanto a esta questão.

Por fim, cumpre enfatizar que esta é uma questão humanitária. Ajudar, de todas as formas, o povo haitiano é responsabilidade de todos nós. É triste ver centenas de homens, algumas mulheres e crianças perambulando pelas ruas e praças de Brasiléia e Epitaciolândia, no sol e na chuva, à espera de documentos. O Brasil é a esperança para eles.

O Acre é um estado pequeno e pobre, que está custeando sozinho a hospedagem e alimentação dos haitianos. Até agora, o governo do estado investiu mais de R$ 1 milhão com alimentos, hospedagem e passagem para os que não tem como ir a outros locais.

É preciso que todos: governo federal e sociedade civil (inclusive no plano nacional) se mobilizem em torno desta causa. A situação dos haitianos na tríplice fronteira Peru, Bolívia e Brasil é gravíssima.

Por favor, nos ajude, vamos fazer uma grande mobilização nacional para ajudar os haitianos e denunciar e acabar com a extorsão, roubo, estupro e assassinato de haitianos na tríplice fronteira.”

Foto: Lou Gold/Divulgação

Fonte: Blog do Amazonas

+ sobre o tema

Mulheres que atuam no agronegócio representam 40% do segmento

Recente pesquisa realizada pela ABAG (Associação Brasileira do Agronegócio)...

Toda água do mundo vem do choro de uma deusa negra chamada Ombela

Gostaria de compartilhar com vocês uma publicação feita por uma...

A presença colorida do feminismo negro

Com rodas de samba, saraus, plenárias e manifestações, pretas...

para lembrar

Sobre a prostituição de mulheres negras no Pós-Abolição

Em 7 de fevereiro de 1896, com o título...

5 pontos positivos para começar a usar o coletor menstrual

Ele virou assunto dos mais comentados na internet, angariou...

Egito: Mulher fingiu ser homem por 40 anos para conseguir trabalho

Após ficar viúva, Sisa Gaber Abu Douh resistiu à...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=