SUS – Mulheres vítimas de violência poderão fazer cirurgia plástica e reparar sequelas causadas pela agressão

Mulheres vítimas de violência poderão fazer, sem custos, cirurgia plástica para reparar sequelas ou lesões causadas pela agressão. É o que prevê o projeto de lei que foi aprovado hoje (8) na Comissão de Direitos Humanos do Senado. Como foi aprovada em caráter terminativo, seguirá para sanção presidencial.

De acordo com a Agência Senado, as cirurgias serão de responsabilidade do Sistema Único de Saúde (SUS) em hospitais públicos ou conveniados. No momento em que receberem as mulheres vítimas de violência, hospitais e centros de saúde pública deverão informá-las sobre a possibilidade de acesso gratuito à cirurgia plástica reparadora. Para isso, será necessário apresentar o registro policial da agressão.

O responsável por hospital ou posto de saúde que não observar a regra poderá receber multa de dez vezes o valor do seu salário mensal, perder a função pública e ficar proibido de receber incentivos fiscais por quatro anos.

Segundo a senadora Lídice da Mata (PSB-BA), relatora do projeto, o direito à reparação de sequelas decorrentes de agressão já está garantido na Lei Orgânica da Saúde, mas precisava de lei específica porque, em geral, costuma ser ignorado pelos gestores públicos. Muitas unidades de saúde enxergam o procedimento como supérfluo por envolver questões de cunho estético, de acordo com a senadora.

 

 

Fonte: Mulher Negra

+ sobre o tema

Dia da Mulher Negra terá debate

Representação e representatividade da mulher negra na Bahia é...

20 relatos da hashtag #meuamigosecreto que precisam ser lidos

Não só lidos - eles merecem ser ditos em...

‘Pensei que por ser negra não poderia ter câncer de pele’

"Encontrei uma pequena pinta na parte de trás da...

para lembrar

Leonardo Sakamoto: Meninos deveriam brincar de boneca e de casinha

Tenho dado bonecas de pano de presente para filhos...

Canadá autoriza uso do véu islâmico para mulheres policiais

Com a esperança de recrutar mais mulheres muçulmanas, a...

Convite: PLPs vozes em ação

Temos o prazer de convidar para a cerimônia de...

Mulheres contra o feminismo – Lola Aronovich

Não sei se está exatamente na moda, mas nos...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=