quarta-feira, março 3, 2021

Tag: SUS

Membros da Coalizão Negra por Direitos se encontram com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) - Juca Guimarães/Alma Preta

Movimento negro cobra auxílio emergencial de R$ 600 e vacina para todos pelo SUS

Nesta quinta feira (18), a Coalizão Negra por Direitos, uma aliança que reúne movimentos negros de todo o país, realizará manifestações em todos os 27 estados brasileiros e no Congresso Nacional. O motivo da mobilização é a reivindicação de que o governo federal prorrogue a política do auxílio emergencial até o fim da pandemia da Covid-19, com parcelas de ao menos R$ 600. As manifestações trazem também a exigência de que sejam garantidas vacinas de imunização contra Covid-19 para todas e todos pelo SUS (Sistema Único de Saúde), em resistência à sanha do setor privado em abocanhar vacinas. Na última semana, a coalizão, em missão da Campanha pela Renda Básica que Queremos, esteve no Congresso, dialogando com deputados e senadores sobre o tema. Em pronunciamento durante ato no Salão Verde da Câmara dos Deputados, convocado pela Frente Parlamentar Mista de Renda Básica, evidenciamos a necessidade da prorrogação do auxílio com um ...

Leia mais
Coalizão Negra Por Direitos

Carta aberta da Coalizão Negra Por Direitos pela prorrogação do auxilio emergencial de 600 reais até o fim da pandemia e por vacina para todas e todos pelo SUS

Nesta quinta feira, dia 18 de fevereiro, a Coalizão Negra por Direitos, uma aliança que reúne movimentos negros de todo país, realiza manifestações públicas e incidência em casas legistativas em todos os 27 estados brasileiros e no Congresso Nacional. O motivo da mobilização é a reivindicação para que o Governo Federal prorrogue a política do Auxílio Emergencial até o fim da pandemia da Covid-19, com parcelas de ao menos 600 reais. As manifestações trazem também a exigência de que sejam garantidas vacinas de imunização da Covid-19 para todas e todos pelo SUS (Sistema Único de Saúde), em resistência à sanha do setor privado em abocanhar vacinas. Enquanto uma articulação nacional, reúnimos grupos históricos do movimento negro e de mulheres negras e apoiada por organizações progressistas da sociedade civil, atuamos a partir de princípios que visam construir um país justo, sem racismo, discriminação racial e extermínio da população negra. Valendo-se destes ...

Leia mais
Jéssica Remédios (Foto: Arquivo pessoal)

O SUS que não se vê

Em setembro de 2020 o Sistema Único de Saúde (SUS) completou 30 anos. A Lei 8080/90, conhecida também como Lei Orgânica da Saúde definiu as diretrizes para funcionamento e organização do SUS que estão em vigor até hoje. O sistema de saúde público e universal brasileiro serve de exemplo para outros países e sistemas, e têm como princípios doutrinários a universalidade, equidade e integralidade. Seus princípios organizativos, por sua vez, são a participação popular, regionalização e hierarquização, descentralização. O princípio da equidade traz à tona as iniquidades sociais e econômicas ao reconhecer a desigualdade no acesso, na gestão e produção de serviços de saúde. Este princípio ressalta as diferenças e a importância de priorizar os grupos onde a iniquidade é maior. Entendendo que os princípios dão alicerce e representam os valores do SUS, embora prevista teoricamente a equidade está longe de ser um princípio de fato. Isto porque, no que ...

Leia mais
Carta das Mulheres Brasileiras aos Constituintes pedia que fosse garantido à mulher o “direito de conhecer e decidir sobre seu próprio corpo”. (Foto: ARQUIVO/SENADO FEDERALA)

Como o movimento de mulheres no Brasil contribuiu para construção do SUS

Criado pela Constituição de 1988 após anos de luta do movimento sanitário na década de 1970 e 1980, o SUS (Sistema Único de Saúde) contou com contribuição substancial do movimento de mulheres para se concretizar. A criação de um modelo de “serviços públicos de saúde coletiva e assistência médica integrados” era um dos pleitos da Carta das Mulheres Brasileiras aos Constituintes, entregue em 1987. Mas já no início daquela década a articulação feminina para garantir um acesso amplo à saúde no Brasil ganhava força. Em 1983, no governo de João Batista Figueiredo - último presidente da ditadura militar - foi criado dentro do Ministério da Saúde o Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher (PAISM). “A demanda por saúde era muito forte no movimento de mulheres no Brasil. Os grandes grupos feministas tinham como centro questões associadas à saúde, à contracepção, planejamento familiar”, conta a médica Ana Maria Costa, ...

Leia mais
O câncer de próstata é o segundo tipo mais comum entre os brasileiros, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). (Foto: Pixabay/Reprodução)

Novembro Azul: mais da metade dos homens brasileiros atendidos pelo SUS nunca foram ao urologista, segundo instituto

Mais da metade dos homens brasileiros que são atendidos pelo SUS nunca foi ao urologista, segundo Instituto Lado a Lado pela Vida. O "Novembro Azul" é usado pelos médicos para chamar atenção deles para necessidade de tomar todos os cuidados contra o câncer de próstata. O Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima que 65.840 novos casos de câncer de próstata em 2020. Este tipo de câncer é o mais comum entre os homens brasileiros. "Acima de 50 anos essa doença passa a ser mais comum, mas aqueles que têm parentes com câncer de próstata devem procurar médico a partir de 45, assim como a população afrodescendente. A doença manifesta nessa população de forma mais precoce", explicou Fernando Marcicano, médico urologista. O médico ainda disse que o homem deve procurar todo ano o urologista para fazer exame de sangue e próstata. O advogado José Valter Lopes recebeu o diagnóstico da doença ...

Leia mais
Imagem: Marcelo Casal Jr / ABR

SUS não é só “plano de saúde” para pobre; saiba qual é o papel dele no país

Um dos maiores patrimônios do povo brasileiro completou 30 anos no último dia 19 de setembro. Estamos falando do SUS (Sistema Único de Saúde). Muita gente não sabe, mas ele é bem mais que um "plano de saúde" para pobres: ele é fundamental para ações, serviços e políticas públicas na área sanitária. O debate sobre a importância do SUS foi impulsionado na quarta-feira após um decreto federal (que fora revogado no mesmo dia) autorizar estudos para privatização em UBS (Unidades Básicas de Saúde). Ecoa falou com especialistas em saúde e políticas públicas para explicar o que está em jogo quando se fala de SUS. O SUS só atende pessoas pobres? Além do atendimento médico e hospitalar à população (que pode ou não pagar por serviços), muitos outros pontos compõem o SUS — e eles fazem parte da sua vida. Um bom exemplo são transplantes, que só são feitos por meio ...

Leia mais
UTI exclusiva para pacientes da Covid-19 no Hospital Copa Star, em Copacabana Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

‘População foi liberada para ir ao abatedouro’, diz integrante do portal Covid-19 Brasil sobre redução do distanciamento

Os municípios brasileiros que reduziram o distanciamento social esta semana podem ter em dez dias um aumento de 150% no número de infectados e mortos pelo coronavírus. A projeção é de um grupo de cientistas de universidades de São Paulo, que alerta para o risco da explosão no Brasil. O especialista em modelagem computacional Domingos Alves, do portal Covid-19 Brasil, que reúne cientistas e estudantes de várias universidades brasileiras, explica que as projeções são baseadas nos números oficiais e nas taxas de crescimento de casos registradas em cidades que afrouxaram o distanciamento, como Blumenau (SC), no Brasil, e Milão, na Itália, em fevereiro, o que levou a Covid-19 a explodir na Itália em março. Em Blumenau, o número de infectados aumentou 160% cinco dias após a reabertura de shoppings e lojas de rua. Segundo Alves, os municípios do Rio de Janeiro e de Guarulhos têm a situação mais crítica devido ...

Leia mais
Júlio Croda é ex-diretor do Departamento de Imunizações e Doenças Transmissíveis (Foto: Wilson Dias/Agência Brasil)

Vai ser ”um massacre”, diz ex-diretor da Saúde sobre flexibilizar isolamento

O debate sobre a flexibilização do isolamento social em virtude da pandemia do novo coronavírus começa a ganhar corpo no Brasil. Estado mais afetado no país, São Paulo divulgou, na semana passada, um plano para dar início ao desconfinamento. O Amazonas segue caminho semelhante, mas, no interior, os rumos serão decididos individualmente pelos prefeitos. Especialistas, no entanto, alertam: as medidas que tornam a quarentena menos rígida devem ser tomadas coletivamente, considerando as necessidades de cada região. O sistema de saúde de Guarulhos, na Região Metropolitana de São Paulo, está no limite. Na última quinta-feira, um dia após o governador João Doria (PSDB) anunciar a flexibilização da quarentena no estado, 100% das unidades de terapia intensiva (UTIs) da cidade estavam ocupadas. Ao divulgar o plano, composto por cinco fases, o governo paulista estabeleceu uma série de indicadores para o flexibilização gradual. A capacidade ociosa de leitos é um deles. No dado ...

Leia mais
Imagem: Geledés

Quarentena com outros olhos: maternidade, autocuidado, resgate da ancestralidade e o valor do tempo

Começo este texto como comecei esta reflexão: olhando para a pia do meu banheiro. Caso queira, pode ir lá olhar a sua pia também, ou qualquer outro lugarzinho onde você coloque suas coisas de uso pessoal para higiene e autocuidado. Na minha pia, dentre outros itens que considero básicos como escovas, fio dental e pasta de dentes, tem uma caixinha de medicamentos: colírio, soro fisiológico, antialérgico, polivitamínico, vitamina C, vitamina D, antigases, homeopatias, própolis. Necessidade de hidratar os olhos por passar tempo demais em frente a telas de celular, computador e TV, hidratar as narinas por culpa da poluição cotidiana, o que também motiva o uso regular do antialérgico, que deveria ser item de emergência. Vitaminas em cápsulas para repor o que perdemos com uma comida e um sono de baixa qualidade. Antigases e homeopatias pelo estresse. Própolis para aumentar a imunidade reduzida com dias de angústia. Você pode não ...

Leia mais
Miguel Paiva (Foto: Ederson Casartelli)

Pobreza também é comorbidade

O que vai mudar daqui pra frente? Até voltarmos a uma vida normal, que de normal não terá mais muita coisa a que estávamos habituados, vamos ter que criar justamente novos hábitos. O primeiro será talvez o de abrir a cabeça. Teremos que admitir que a pandemia existe, é tremenda e nos ameaça a própria vida. Essa seria a primeira mudança. Pode parecer óbvia mas muita gente não leva isso a sério. Vemos todos os dias nas praias, nos parques, nas ruas de comércio, no transporte público e no nosso convívio diário. Os governos fingem que concordam com o isolamento mas fazem pouco para fiscalizá-lo. É a mesma teoria social do uso do capacete, do cinto de segurança e da camisinha. Existem mas não é preciso usar. A máscara de proteção se tornará o mais importante objeto de uso pessoal. Se todos usarem, o que é quase impossível, eliminaremos boa ...

Leia mais
UTI: Brasil tem falta de leitos em diversos municípios. — Foto: AI/Santa Casa

A desigualdade na distribuição das UTIs em São Paulo

Três subprefeituras concentram 60% dos leitos de UTI no município No Rede Nossa São Paulo UTI: Brasil tem falta de leitos em diversos municípios. — Foto: AI/Santa Casa O cenário atual de pandemia e estado de emergência vivido na cidade de São Paulo têm colocado desafios a todos, com impactos sobre o ir e vir, o espaço público, a economia e, sobretudo, a saúde de cada um. Sabemos que estes impactos são vivenciados de maneira muito diferente a depender de onde se vive na cidade, e que a desigualdade experimentada diariamente no transporte público, no trabalho informal e nas oportunidades educacionais também se reflete neste momento de alta demanda por serviços de saúde. Um mapeamento realizado pela Rede Nossa São Paulo, a partir de dados de fevereiro de 2020 do DATASUS, mostra a distribuição desigual dos leitos de UTI vinculados ao SUS no município, e os resultados ...

Leia mais
Reprodução/Facebook

Rede Solidária

a rede Quando a pandemia do coronavírus chegou ao Brasil e trouxe graves consequências para a população, começaram a surgir diversas iniciativas de organizações da sociedade civil, ONGs, coletivos e ativistas em geral, buscando mobilizar as pessoas por ajuda e proteção, por pressão popular para implementação de políticas emergenciais e de longo prazo e por ações sociais colaborativas e criativas, sempre com o objetivo de unir o país pelo bem de todas e todos. No Rede Solidária Reprodução/Facebook Diante disso, a Abong, como organização comprometida em fortalecer a sociedade civil organizada, criou a Rede Solidária, que tem o objetivo de unificar todas essas iniciativas em um único espaço. Portanto, se você tiver alguma iniciativa, precisar de ajuda ou quiser ajudar, acesse a nossa rede e faça parte dessa corrente. Solidariedade é estarmos mais unidas do que nunca! contexto Temos acompanhado as tristes notícias pelo mundo todo ...

Leia mais
Dráuzio Varella (Foto: Zé Paulo Cardeal/TV Globo / Divulgação)

Sem o SUS, é a barbárie

O Sistema Único de Saúde (SUS) é o maior e o mais democrático programa de distribuição de renda do país. Por Dr Drauzio Varella, no UOL Dráuzio Varella (Foto: Zé Paulo Cardeal/TV Globo / Divulgação) A frase não é minha, mas traduz o que penso. Foi dita por Gonçalo Vecina, professor da Faculdade de Saúde Pública da USP, um dos sanitaristas mais respeitados entre nós, numa mesa-redonda sobre os rumos do SUS, na Fundação Fernando Henrique Cardoso. Estou totalmente de acordo com ela, pela simples razão de que pratiquei medicina por 20 anos, antes da existência do SUS. Talvez você não saiba que, naquela época, apenas os brasileiros com carteira assinada tinham direito à assistência médica pelo antigo INPS. Os demais pagavam pelo atendimento, ou faziam fila na porta de meia dúzia de hospitais públicos espalhados pelo país, ou dependiam da caridade alheia concentrada nas Santas ...

Leia mais
@BRIT/Nappy

Médicos divergem sobre lei que permite cesárea sem indicação médica no SUS

O projeto de lei de Janaína Paschoal (PSL) dividiu opiniões quanto à sua eficácia e proteção da mulher Por Gabriela Maraccini, da Revista Claudia  @BRIT/Nappy O projeto de lei que garante à mulher a opção pela cesárea no SUS sem indicação médica a partir da 39ª semana de gestação foi sancionada pelo governador João Dória (PSDB) na sexta-feira (23). De autoria da deputada Janaína Paschoal (PSL), o projeto divide opiniões de especialistas. Há quem acredite que a lei trará mais igualdade e o direito à mulher de optar pelo procedimento a ser realizado, mas há também quem defenda que a lei trará mais riscos à mãe e ao bebê, além de potencializar o número de cesáreas feitas no Brasil, que já é alto – o país é o segundo no ranking mundial, de acordo com estudo publicado pela revista Lancet no ano passado. A ginecologista e ...

Leia mais
Iñapari (Peru) Haitinanos vivem em condiçoes precarias, falta agua, energia eletrica, pessimas condiçoes de higiene, dormem em alojamentos amontoados,eles nao estao em condiçoes legais, ajuda vem de alguns moradores de Assis Brasil, que atravessam a fronteira, levam agua, e alguns matimentos .

Em PE, política de saúde da população negra contribui para o combate ao racismo

Poucos municípios pernambucanos implementam a política atualmente; desmonte do SUS compromete continuidade do programa Por Marcos Barbosa, do Brasil de Fato O racismo institucional é um dificultador na assistência à saúde da população (Foto: Marcello Casal Jr/Arquivo/Agência Brasil) Instituída em 13 de maio de 2009, por meio da portaria nº 992 do Ministério da Saúde, a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra tem o objetivo de promover a saúde dessa população, priorizando a redução das desigualdades étnico-raciais, o combate ao racismo e a discriminação nas instituições e serviços do Sistema Único de Saúde (SUS). Dez anos após sua instituição, a política tem contribuído efetivar o direito à saúde das pessoas negras, mas ainda enfrenta dificuldade para implementação nos municípios. Em março de 2012, a Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco (SES) criou a Coordenação de Atenção à Saúde da População Negra. Em Pernambuco, aproximadamente ...

Leia mais
imagem: cartão sus

Reforma muda leis sem relação com Previdência, corta PIS e remédios do SUS

Um acordo de última hora retirou quatro pontos itens polêmicos da reforma da Previdência ainda na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Mas por que esses pontos causaram problemas? E nem todos os itens controversos, que não têm relação com a Previdência, foram retirados. por Lucas Borges Teixeira no Economia UOL imagem: cartão SUS A reforma apresentada pelo governo Bolsonaro muda até questões que não impactam diretamente no rombo previdenciário, como fim do direito ao FGTS e à multa de 40% para aposentados. Isso foi retirado no acordo, mas outros pontos continuam, como redução no número de pessoas que recebem o abono salarial do PIS e até restrição da distribuição grátis de remédios caros por decisão judicial, se não houver verba. Analistas criticam a inclusão de temas fora da pauta da Previdência. Entenda os pontos que foram retirados e outros O acordo anunciado na terça-feira retirou ...

Leia mais
Símbolo transgêneros coloridos e de desenhados

‘Cirurgia na rede pública é conquista, mas precisa melhorar’, avalia ativista trans

Procedimentos de readequação sexual são oferecidos pelo SUS desde 2008, mas só 5 estabelecimentos têm serviços para população trans. por Leda Antunes no HuffPost Getty Editorial - De acordo com informações do Ministério da Saúde obtidas pelo HuffPost Brasil, desde 2008 foram realizadas 526 cirurgias Há pouco mais de 10 anos o SUS (Sistema Único de Saúde) passou a oferecer a cirurgia de readequação sexual para mulheres trans. Ao longo da última década, o chamado “processo transexualizador” do SUS foi evoluindo e, hoje, tem como objetivo oferecer, além dos procedimentos cirúrgicos, a assistência integral de saúde para toda a população transgênero, incluindo acompanhamento psicológico e a terapia com hormônios. “O processo transexualizador foi uma conquista muito importante para a população trans, fruto da mobilização do movimento social, mas ele precisa ser melhorado”, afirma o ativista Alexandre Peixe dos Santos. Ele é o primeiro homem trans a ...

Leia mais
Mulheres negras têm maiores chances de um pré-natal inadequado (Foto: Thinkstock)

#SerMãeNegra: “Enquanto fingimos que o racismo não existe, essas mulheres estão morrendo”

A pesquisadora Fernanda Lopes e a parteira Ariana Santos levantam ideias sobre o que poderia ser feito para diminuir a desigualdade na maternidade negra Por Aline Melo com Vanessa Lima no Revista Crescer Mulheres negras têm maiores chances de um pré-natal inadequado (Foto: Thinkstock) “Mulheres negras morrem duas vezes mais por causas relacionadas à gravidez”. A manchete com que iniciamos nosso especial #SerMãeNegra é fruto de um aumento considerável de pesquisas raciais no Brasil de dois anos para cá. Se reconhecer o problema é o primeiro passo para solucioná-lo, a caminhada até lá ainda é longa e repleta de percalços. Fernanda Lopes, que estuda a manifestação do racismo na saúde e integra o grupo de Racismo e Saúde da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), reforça que esses dados não são novidade. A pesquisa Nascer no Brasil, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) por exemplo, traz informações ...

Leia mais
blank

As médicas-imigrantes cubanas e os preconceitos encadeados

Mulheres, oriundas de país socialista, muitas delas negras, tiveram que lidar com vários obstáculos e se tornaram as preferidas dos usuários do SUS Por Patricia Villen, da CartaCapital Foto: RAWPIXEL.COM No final de 2013, com a implantação do Programa Mais Médicos, foram contratados mais de 12 mil médicos para trabalhar na rede nacional de atendimento básico de saúde pública, em regime temporário. A nacionalidade cubana representou, nessa primeira fase do programa, cerca de 80% desses médicos, com mais da metade desse percentual composto por mulheres. Esse elevado número de mulheres alinha-se com as tendências globais dos movimentos migratórios hoje, em sua ligação com o funcionamento do mercado de trabalho. Cerca da metade das populações em movimento é formada por mulheres que, na maioria das vezes, encontram condições muito precárias de inserção laboral nos países de destino, sobretudo no trabalho doméstico e de cuidado, mas também na indústria e nos serviços. Todavia, o caso das médicas mostra como ...

Leia mais
blank

Quase 80% da população brasileira que depende do SUS se autodeclara negra

Estudos e estatísticas oficiais de saúde apontam que as mulheres negras com idade entre 10 a 49 anos são bastante afetadas por mortes maternas provocadas por causas evitáveis como hipertensão, hemorragia e infecção puerperal. As mortes na primeira semana de vida também são mais frequentes entre crianças negras quando comparadas às brancas. Da ONU Quase 80% da população brasileira que depende do SUS se autodeclara negra. Foto: UNFPA Brasil/Solange Souza Ainda no contexto de mortalidade, a estatística registra que a segunda causa de morte mais frequente entre a população negra é o homicídio, enquanto para brancos, esta aparece como a quinta causa de mortalidade mais comum. Diabetes, hipertensão e doença falciforme estão entre as doenças mais comuns na população negra brasileira. Essas enfermidades também matam mais pessoas negras que brancas, segundo dados do Ministério da Saúde. Quase 80% da população brasileira que depende do Sistema Único de Saúde (SUS) se autodeclara ...

Leia mais
Página 1 de 4 1 2 4

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms bellow to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist