Renafro celebra 20 anos de fundação com seminário em Salvador, nos dias 24 e 25 de novembro de 2023

Mais de 200 lideranças religiosas de todo o país participarão do evento que irá celebrar os 20 anos de atividades da Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde

A Rede Nacional de Religiões Afro-brasileiras e Saúde [Renafro] irá celebrar os seus 20 anos de fundação no Seminário Nacional das Religiões Afro-brasileiras e Saúde, nos dias 24 e 25 de novembro de 2023, das 8h às 17h, em Salvador, com a presença de mais de 200 lideranças religiosas de matriz africana que integram esta que é a mais importante instituição na área. 

De acordo com a coordenadora nacional da Renafro e uma de suas fundadoras, Mãe Nilce de Iansã, o trabalho realizado pelos terreiros para a promoção da saúde é de extrema importância, “pois são espaços de práticas integrativas e que devem ser reconhecidas e respeitadas”. Ela destaque que “o racismo religioso é um determinante social para a saúde do povo de axé, e graças ao acolhimento e escuta que os terreiros oferecem, grande parte das vítimas deste crime buscam nestes espaços o amparo que não encontram nos equipamentos de segurança pública”.

Mãe Nilce de Iansã – Foto: ( Alex Ferro / www.alexferro.com.br )

A programação do seminário abordará no primeiro dia as Políticas Públicas de Promoção em Saúde, Atenção primária, Política Nacional de Saúde para a População Negra, Saúde como bem estar social e direito constitucional no enfrentamento ao racismo religioso, e Cuidado na perspectiva dos valores civilizatórios de matriz africana. Ao final do dia haverá o painel Práticas Integrativas nas Comunidades Tradicionais de Terreiro e Políticas de Equidade no SUS

Foto: ( Alex Ferro / www.alexferro.com.br )

As atividades do segundo diase iniciarão com uma celebração à ancestralidade e homenagem às divindades das águas Yemanjá e Oxum – com um cortejo realizado pelas mães e pais de santo. Logo após, serão apresentados dois painéis: o Relato Setorial das Mulheres de Axé, Juventude de Terreiro e comunidade LGBTQIP+; e Relato dos Núcleos Regionais a partir de suas experiências e desafios.

Para a Dra. Jurema Werneck, diretora da Anistia Internacional Brasil e uma das fundadoras da Renafro, o trabalho desta rede significa a “continuação dos esforços que atravessam séculos na preservação da nossa saúde e também a reafirmação da potência dessa tradição viva”. “É tempo de celebrar e de honrar a todas e todos que fizeram e fazem essa rede balançar”, afirma Werneck. 

Foto: ( Alex Ferro / www.alexferro.com.br )

Anielle Franco, ministra do Ministério da Igualdade Racial – um dos parceiros estratégicos do Seminário – saúda o trabalho desenvolvido pela Renafro “pelos seus fundamentais 20 anos de história na valorização dos saberes dos terreiros, de promoção da saúde dos povos de matriz africana”. Como maior rede de articulação dessa agenda, a Renafro “tem sido um farol de resistência na luta por direitos e por dignidade. É uma honra para o Ministério da Igualdade Racial contar com a parceria da Renafro”. 

Lúcia Xavier, da rede Criola, diz que “nestes 20 anos de luta, a atuação das religiões de matriz africana por meio da Renafro trouxe suas vivências e saberes  para o aprimoramento do acolhimento, cura e promoção da saúde, dialogando  permanentemente com o sistema de saúde,  para a garantia da saúde da população negra.Vida longa à Renafro!”

Foto: ( Alex Ferro / www.alexferro.com.br )

Por compreender a dimensão histórica e social deste seminário, o Ministério da Saúde consolida a parceria com a Renafro que se estabeleceu por meio de diversos trabalhos conjuntos nas últimas duas décadas.A Renafro preparou ainda uma homenagem póstuma ao seu fundador,Ogã José Marmo da Silva, falecido em 2017, e que deixou um legado para a mobilização pela saúde dos povos de terreiro. O Seminário será encerrado com apresentações culturais representativas das religiões de matriz africana.

O Seminário Nacional das Religiões Afro-brasileiras e Saúdeé realizado desde 2002, com o objetivo de reunir os seus protagonistas e fomentar trocas de experiências para o enfrentamento aos problemas que afetam diretamente a saúde dos povos de terreiros em todo o Brasil.

SOBRE A RENAFRO

A Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde [Renafro]foi criada em março de 2003, durante o II Seminário Nacional Religiões Afro-Brasileiras e Saúde, em São Luiz do Maranhão, sendo uma instância de articulação da sociedade civil que envolve adeptos da tradição religiosa afro-brasileira, gestores e profissionais de saúde, integrantes de organizações não-governamentais, pesquisadores e lideranças do movimento negro.

A Renafro tem como objetivos valorizar e potencializar o saber dos terreiros em relação à saúde; estimular práticas de promoção da saúde; monitorar e intervir nas políticas públicas de saúde exercendo o controle social; legitimar as lideranças dos terreiros enquanto detentores de saberes e poderes para exigir das autoridades locais um atendimento de qualidade, onde a cultura do terreiro seja reconhecida e respeitada; reforçar a importância de interligar as práticas de saúde realizadas nos terreiros com as práticas de saúde no SUS; contribuir para uma reflexão sobre diferentes aspectos da saúde da população dos terreiros; estabelecer um canal de comunicação entre os adeptos da tradição religiosa afro-brasileira, os gestores, profissionais de saúde e os conselheiros de saúde.
Atualmente a Renafro possui 52 Núcleos Regionais e 5 Grupos de Trabalho: GT Mulheres de Axé, GT Homens de Axé, GT Juventude dos Terreiros, GT de Comunicação e GT de Articulação Política.

+ sobre o tema

População de bairros pobres e distantes têm menos postos de vacinação em Curitiba (PR)

Regiões populosas de Curitiba têm recebido menos doses da vacina contra o coronavírus e têm...

Quinta pessoa é curada do HIV após transplante de células-tronco

Um homem de 53 anos da Alemanha foi curado...

Casa de Marias lança campanha para atuação em saúde mental

A segunda edição da campanha "Saúde Mental Para Mulheres...

para lembrar

Macacas de Auditório?

Mulheres negras, racismo e participação na música popular brasileira Ensaio...

O mandato interrompido e o legado de Marielle Franco

Hoje, 14 de novembro, véspera das eleições municipais em...

SUS terá mês de atenção especial à saúde da mulher no campo

O Ministério da Saúde está promovendo um conjunto de...

‘Cirurgia na rede pública é conquista, mas precisa melhorar’, avalia ativista trans

Procedimentos de readequação sexual são oferecidos pelo SUS desde...
spot_imgspot_img

Iemanjá: conheça a rainha do mar celebrada no dia 2 de fevereiro

‘Quanto nome tem a Rainha do Mar?’ O verso inicial de Maria Bethânia ecoa a presença múltipla da mãe dos orixás no imaginário brasileiro, tomando...

Celebrações para Iemanjá acontecem em Salvador e outras cidades baianas no dia 2 de fevereiro

Já há alguns anos, as celebrações a orixá Iemanjá realizadas no bairro do Rio Vermelho em Salvador entraram para o calendário das festas de largo que...

O Brasil que segue tolerando o intolerável

No dia 07 de julho de 1920, o jornal A Noite noticiou uma batida feita pela polícia do Rio de Janeiro – então capital federal –...
-+=