Em homenagem à atriz Sheron Menezes, livro celebra a identidade negra

Em um cenário racial que invisibiliza pessoas negras nas literaturas infantis brasileiras, a obra de Veralinda Menezes é como um sonho para toda menina negra que teve que aturar e admirar em toda sua infância princesas que não se pareciam com elas. A Princesa Violeta foi publicada em 2008 e é uma homenagem à filha da escritora, a atriz Sheron Menezes.

A obra conta a história de um reino encantado, o Reino Tropical, governado por um rei justo e bom e que conta com a colaboração de toda a comunidade. A família real tem como sua herdeira uma princesa chamada Violeta, que vive feliz com sua família em suas terras belas, férteis com muita natureza ao redor.

A presença dos mais velhos e das crianças apresenta na narrativa da história um marcador afrocentrado para a obra, que nos remete ao resgate ancestral africano que tanto buscamos.

A obra apresenta características de um conto e traz uma história de fantasia e encanto. Podemos observar uma narração leve, uma linguagem que atinge todas as idades e, o melhor, descreve as características das personagens, sem estereótipos, focando na beleza natural de cada uma delas.

A escritora compara a cor da pele das personagens com chocolate e brigadeiro e os cabelos encaracolados com favos de mel, o que encanta e acessa o universo infantil de forma lúdica e representativa para crianças negras.

A partir desses elementos de admiração, a criança negra pode descobrir e construir outro olhar de si mesma, de seu corpo, de seu cabelo, de sua pele. Por ainda conviverem diariamente com os estereótipos descritos, para representar seus corpos é que acreditamos que as descrições de personagens negros devem ser elaboradas com muito cuidado.

A Princesa tem os cabelos crespos, enroladinhos em cachinhos miúdos macios e perfumados que caem em seus ombros como uma cascata, seu pai tem cabelos fofinhos com cachinhos que lembram o desenho de um favo de mel. A força e determinação feminina também estão presentes quando a princesa Violeta luta para proteger seu reino e provar ao seu pai que, mesmo sendo mulher, ela pode ser forte, inteligente e garantir a continuidade de seu reino.

Assim, após o reino ser atacado por homens pertencentes ao Reino Gelado, a princesa Violeta e todos da comunidade se unem para lutarem juntas e juntos e salvarem o reino Tropical que permanece em harmonia e equilíbrio.

A literatura que transforma

Como pesquisadora da literatura negra e africana infantil, principalmente numa perspectiva afrocentrada, indico essa história para profissionais da educação e todas as famílias que valorizam a diversidade e a representação de crianças negras na literatura. Pensando no contexto racista em que vivemos, geralmente os livros infantis não apresentam personagens negros e quando o fazem sempre é de forma estereotipada, em situações de submissão e/ou inferioridade.

A criança constrói sua imaginação, sua identidade e auto estima através da vivência com as diversas representações ligadas a fase da infância. Os livros infantis fazem parte dessas representações e apresentam à criança um mundo de possibilidades, ludicidade, aprendizado e entretenimento. Quando crianças negras não se enxergam como belas, inteligentes e capazes de gerir a própria vida, observamos um dano enorme em sua autoestima, na construção do autoconceito que será refletido ali.

A literatura negra infantil, sobretudo de perspectiva afrocentrada, possibilita que a criança negra se veja de forma positiva, como um indivíduo pensante, autônomo que conhece suas origens, que conhece a verdade sobre si e sobre seu povo.

As narrativas sobre nossas origens africanas, sempre atravessadas de racismo, vem por séculos acabando com a possibilidade de crianças negras crescerem felizes e com orgulho próprio e por isso que enxergamos nessa literatura o poder de libertação mental para nossas crianças e respeito à diversidade para todas as crianças.

Por uma literatura que apresente de forma bela e inteligente todas as crianças e conte a verdade sobre nosso povo, nossas origens, nossas raízes.

Mais quatro livros importantes que você deve conhecer

1 – Contos e músicas da África
Autor: Souleymane Mbodj

2 – Makori
Autor: Marcos Cajé

3 – Plantando com Malik
Autora: Caroline Adesewa

4 – O divertido glossário da Jana
Autora: Lorena Ribeiro

+ sobre o tema

Narrativas de presença e poder: diálogo geracional entre mulheres e homens negros

Em 1995, eu estava no mestrado (...), um colega...

A mulher negra no mercado de trabalho: A pseudoequidade, marcada pela discriminação da sociedade e a mídia no século 21

RESUMO Minuciosamente o trabalho demonstra a presença da discriminação racial...

Representatividade: grupo formado por cinco médicas negras inaugura clínica no Rio

Enquanto o mundo inteiro debatia os avanços da telemedicina,...

Atividades alusivas ao Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha – Ceará

Nos últimos anos, o INEGRA juntamente com o Fórum...

para lembrar

Não toquem em Machado de Assis

Chego tarde à discussão sobre a legitimidade de adaptações...

A alta modernidade de Machado de Assis

Em 1895, Sigmund Freud publicou em Viena Estudos sobre...

Emma Watson: ‘Mal posso esperar para ver Noma Dumezweni no palco’

Depois da bênção de J.K. Rowling, foi a vez de Emma...
spot_imgspot_img

Crianças do Complexo da Maré relatam violência policial

“Um dia deu correria durante uma festa, minha amiga caiu no chão, eu levantei ela pelo cabelo. Depois a gente riu e depois a...

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...
-+=