Emanoel Araújo foi homenageado no evento Festival I.A.V. Contemporânea, em Paraty

Às 15h do dia 30/07/2011 no espaço Domus Artis (Igreja do Rosário) aconteceu o “Encontro com Emanoel Araújo – ‘Uma Vida com Arte'”.

Emanoel Araújo foi o artista homenageado no evento F.I.A.V. – Contemporânea, em Paraty, RJ, no qual participei como espectador e ouvinte de algumas palestras.

Segundo o encarte da programação do Festival de Arte Contemporânea “Emanoel Araújo é escultor, desenhista, gravador, cenógrafo, pintor, curador e museólogo.

Diretor do Museu de Arte da Bahia (1981/83), foi professor de artes gráficas e escultura no The City College (City University of New York), diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo (1992/2002), membro convidado da comissão dos museus (1995) e do Conselho Federal de Política Cultural (1996), instituídos pelo Ministério da Cultura, curador e diretor do Museu Afro-Brasil, Secretário Municipal de Cultura de São Paulo (2005).

Ganhador dos prêmios Odorico Tavares, prêmio de melhor gravador (e escultor) do ano na Associação Paulista de Críticos de Arte – APCA.

Nascido em 15 de novembro de 1940, em Santo Amaro da Purificação, tradicional cidade do Recôncavo Baiano, Emanoel é descendente de três gerações de ourives. Foi aprendiz de marceneiro e trabalhador e, aos 13 anos, passou a trabalhar na Imprensa Oficial da sua cidade, em linotipia e composição gráfica. Esta experiência do fazer foi fundamental na sua formação, tanto no domínio técnico, quanto no da expressão.

Antecedendo o evento, na parede acima, anterior ao altar principal (todos os ícones religiosos foram retirados – poeticamente, como se todos os “santos” tivessem saído de seus pedestais para um passeio naquela cidade que transcende cultura, história e cosmopolismo) é projetado elementos visuais já consagrados da arte. É marcante o “Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli encontrando-se com “A Criação do Homem” de Michelangelo. Quando a projeção das duas obras renascentistas se interseccionam o Homem, a Mulher e Deus em um mesmo plano formando uma triologia – a figura de Vênus transmuta-se em Maria, a virgem morena, com traços bem brasileiros do nosso Manuel da Costa Ataíde. Neste ponto a imagem projetada é craquelada como se o tempo tivesse exercido o seu poder de envelhecimento sobre estas obras de estilos passados – o momento agora é outro: Festival Internacional das Artes Visuais Contemporânea, Paraty – 2011.

Enquanto aguardamos, ouve-se suave música de fundo preenchendo a espera… E também conversas… E pedantismos! O senhor, ao meu lado, junto com senhoras começam a disputar conhecimentos. Ele diz, quando vê a projeção da Virgem de Ataíde:

– Olha, a Capela Sistina ou será que não? Se você não tivesse falado eu não reconheceria… Dirigindo-se a uma das protagonistas… E aí os diálogos mais mirabolantes e considerações absurdas brotam entre o grupo (cada um querendo mostrar mais enciclopedismo do que o outro).

Minutos depois…

Olívio Tavares (crítico de arte presente no evento) inicia a apresentação de Emanoel Araújo. Além disto, chama a atenção desmitificando que o artista não se retrata, não se revela através de sua obra. “A vida é uma e a obra é outra. Duas dimensões que se encontram”. Salienta. “Tudo é a imaginação do artista no fenômeno da criação. A arte é uma forma de sobrevivência para o artista se liberar como válvula de escape. O artista está sujeito ao atavismo, ao inconsciente coletivo e a formações que ele colhe na sua vida”.

Sobre Emanoel Araújo é dito que ele faz a “simbiose” da arte brasileira e africana.

Neste ponto o próprio artista homenageado, Emanoel Araújo, começa a explanação falando sobre suas primeiras experiências artísticas na década de 1960.

O artista nos conta que de Santo Amaro chegou a Salvador trazendo sua experiência de ourives que tivera com seu pai, que negava em ensinar o ofício aos filhos.

Por isto, Emanoel foi aprender marcenaria e artes gráficas. Ele diz que a vida sempre lhe favoreceu pondo em seu caminho pessoas generosas. Isto lhe marcou despertando-lhe consciência para contribuir com aquilo que receber. Sentindo-se uma pessoa de sorte, deseja ser generoso com seus colegas, amigos e, sobretudo, com o público.

Tendo sido diretor do Museu de São Paulo, sente que muito contribuiu para a instituição.

Foi perseguido pela ditadura e também pelos acadêmicos paulistas que achavam um absurdo um baiano dirigir o Museu que julgavam ser exclusivamente seus.

Nos anos 70, Araújo partiu para a geometria e entrou em contato com a arte africana envolvendo com seu sintetismo. Nasceu assim seu estilo, a tentativa de produzir uma simbiose entre sua geometria e os deuses africanos.

Sente-se na missão de valorizar os negros e contribuir para a formação da cidadania brasileira.

Seu internacionalismo se estende não só à África, mas à Suíça e aos Estados Unidos.

“Teimosia é a grande arma para o novo e para o artista experiente se fazer e se manter em um país como o nosso onde não há um museu que conte e perpetue a História da Arte brasileira”, arremata Emanoel Araújo.

Pérgola encerra o encontro notificando as demais atividades que aconteceriam naquele dia.

Parabéns ao artista homenageado, Emanoel Araújo, pela sua arte e por suas palavras incentivadoras e elucidativas ao público presente.

Parabéns aos organizadores e à cidade de Paraty pelo evento alimentador dos que têm fome de arte e cultura e que ali estavam. Obrigado por, como ouvinte, ter presenciado esta realização, sendo favorecido e enriquecido assim graças a iniciativa pública daquela cidade e particular de Césare Pérgola e Pedro Cler.

Fonte: Barbacena Online

+ sobre o tema

Martinho da Vila lança em São Paulo livro de crônicas sobre o ano de 2018

A obra reúne 48 crônicas divididas pelos doze meses...

China consolida posição nos media africanos

A China está também presente na comunicação social...

Netflix desfalca Disney e contrata Kenya Barride criador série negra por US$ 100 milhões

Na guerra por conteúdo para o streaming, a Netflix...

Devotos tentam impedir Jesus Cristo Superstar no Brasil

  Em petição online, Associação Devotos de Fátima exige que...

para lembrar

Rebelião anticolonialista em Lesoto

A população de Lesoto não foi vítima do mesmo...

Conheça o agarradinho, jeito maranhense de dançar reggae

O Maranhão é conhecido como a Jamaica brasileira devido a sua...

Teresa Cristina

Teresa Cristina Macedo Gomes (Rio de Janeiro, 28 de...
spot_imgspot_img

Segundo documentário sobre Luiz Melodia disseca com precisão o coração indomado, rebelde e livre do artista

Resenha de documentário musical da 16ª edição do festival In-Edit Brasil Título: Luiz Melodia – No coração do Brasil Direção: Alessandra Dorgan Roteiro: Alessandra Dorgan, Patricia Palumbo e Joaquim Castro (com colaboração de Raul Perez) a partir...

Nota de pesar: Flávio Jorge

Acabamos de receber a triste notícia do falecimento do nosso amigo e companheiro de militância Flávio Jorge, o Flavinho, uma das mais importantes lideranças...

Flávia Souza, titular do Fórum de Mulheres do Hip Hop, estreia na direção de espetáculo infantil antirracista 

Após mais de vinte anos de carreira, com diversos prêmios e monções no teatro, dança e música, a multiartista e ativista cultural, Flávia Souza estreia na...
-+=