Empresa é condenada a pagar indenização por duvidar de gravidez de funcionária

Uma analista de recursos humanos receberá R$ 12 mil por ter sido obrigada a apresentar dois exames para comprovar a sua gravidez. A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho considerou proporcional e razoável o valor da condenação a ser pago por uma empresa de Brasília (DF), que, suspeitando da veracidade do atestado apresentado pela empregada, exigiu um segundo exame comprovatório e, horas depois, a dispensou.

Do Extra 

Mulher grávida. Foto: Wikimedia Commons

Na reclamação trabalhista, a empregada afirmou que, ao receber o comunicado de aviso-prévio, apresentou o primeiro exame ao setor de Recursos Humanos. A empresa, no entanto, solicitou a realização de novo exame para comprovar a veracidade do primeiro.

O Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (DF-TO), ao julgar o pedido de indenização por danos morais, considerou que o ato de dispensa de funcionária grávida, mesmo tendo ciência do fato, causou constrangimento à empregada. Contudo, o juízo considerou o valor de R$ 90 mil fixados na sentença desproporcional ao dano causado e o reduziu para R$ 12 mil.

+ sobre o tema

“O jornal será comandado por mulheres”, afirma Aline Midlej sobre estreia na Globo News

Desde pequena, o sonho de Aline Midlej era ser jornalista....

MPE dá parecer favorável à união de casal gay em MT

As mulheres P.M e A.S.C anexaram ao pedido as...

Após lutar na Primavera Árabe, mulheres egípcias correm risco de ver seus direitos reduzidos

As mulheres egípcias, que tiveram uma importante participação nos...

para lembrar

Instituto prepara mostra sobre Maria Carolina de Jesus

O Instituto Moreira Salles (IMS) terá conselho consultivo com...

Supremo retoma hoje julgamento sobre aborto de anencéfalos

Brasília – O julgamento que decidirá se mulheres poderão...

Cores Pretas, lançamento do documentário

Cores Pretas, jornalista lança documentário sobre empoderamento da mulher...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=