Encontro discute papel da mulher na política

O dia 24 de fevereiro de 1932 é considerado um marco na história da mulher brasileira, um passo significativo para o reconhecimento da igualdade entre homens e mulheres no país.  Para não deixar passar em branco esta importante conquista cidadã, o município de Mesquita, na Baixada Fluminense realizou nesta terça-feira, dia 24, o Grande Encontro de Mulheres, cujo tema foi “Mais Mulheres na Política”. O evento, promovido pela Coordenadoria de Políticas para as Mulheres da Prefeitura de Mesquita, reuniu lideranças da região, além de autoridades e integrantes da sociedade civil.

Porv  Juliana Portella  Do Viva Favela 

Depois de muitos anos de reivindicações e discussões, foi garantido, às mulheres, naquela data, durante o governo de Getúlio Vargas, o direito a através do código eleitoral. Mais do que votar, na ocasião histórica as mulheres conquistariam o direito a candidatar-se a cargos eletivos.

Entretanto, atualmente as mulheres ainda sofrem desigualdades e seguem reivindicando seus direitos. Apesar de ter uma mulher presidindo o país e serem estatisticamente a maioria, as mulheres ocupam menos de 8% das vagas em cargos políticos, segundo as estatísticas do Superior Tribunal Eleitoral  (STE) divulgadas no último pleito, em 2014.

Embora a Lei das Eleições tenha estabelecido em 1997 a reserva de vagas para a participação feminina nos cargos de deputado federal, estadual e distrital e vereador, elas ainda estão longe de atingir um percentual significativo nestes espaços. “A participação de todos nesta luta é importante, inclusive dos homens”, destacou a desembargadora Ivone Ferreira Caetano, a primeira mulher negra a ocupar o cargo no estado. Aos 69 anos, Ivone foi também a primeira negra a se tornar juíza do Tribunal de Justiça do Rio, há 20 anos, como titular da 1ª Vara da Infância da Juventude e do Idoso. A juíza, que teve infância pobre e só conseguiu ingressar na Escola de Magistratura aos 49 anos, é ainda a segunda mulher negra no país a se tornar desembargadora.

Entre os assuntos abordados destacou-se a importância do direito ao voto: “É importante que estes debates e reflexões aconteçam, não só aqui na Baixada como em outros lugares”, comentou Bruna Rodrigues, 23 anos, moradora do bairro da Penha. Daniela Araújo, 22 anos,  também aprovou a iniciativa. “A data deve ser usada para refletirmos sobre o papel da mulher no Brasil do século XXI.  Foi maravilhosa a oportunidade de estar presente em um evento com mulheres que fazem a diferença”, disse Daniela, moradora de Mesquita.

Para Marisa Justino, militante das causas LGBT, o ponto alto do encontro foi o momento em que a desembargadora Ivone Caetano defendeu ações afirmativas para os LGBTs,  principalmente as lésbicas e as mulheres bissexuais negras e oriundas da periferia, como um passo importante para uma sociedade mais justa e igualitária. “Todas nós presentes na plenária nos sentimos prestigiadas e com a auto-estima renovada com essa tão importante representação. E assim caminhamos em busca de políticas que realmente promovam a cidadania e a dignidade de todas, sem preconceito ou discriminação”, afirmou Marisa.

encontro-mulheres-politica-02

Reivindicações e resoluções

A Baixada Fluminense ainda caminha a passos lentos no que diz respeito à igualdade de oportunidades para homens e mulheres. Dos 13 municípios pertencentes à região, apenas Belford Roxo, Nova Iguaçu, São João de Meriti e Duque de Caxias têm uma Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM). Como solução para esta carência, foi proposta a criação de um canal direto de comunicação com a coordenadoria de Políticas para as Mulheres, para acolhimento e encaminhamento das vítimas de agressões a acompanhamento especializado, de acordo com a situação. A criação do serviço está na Câmara de Vereadores para votação.

Outra novidade é uma parceria que será firmada entre a Prefeitura de Mesquita e a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) para que sejam oferecidos cursos de qualificação  profissional variados para o sexo feminino.  Além disso, a Federação de Futebol firmou um acordo para iniciar um curso de arbitragem direcionado somente a mulheres, que terá início no segundo semestre deste ano. A atividade vai estimular a prática de esportes, especialmente o futebol, de forma igualitária com os homens e a profissionalização do sexo feminino na arbitragem.

+ sobre o tema

Caravana da Mulher chega ao Alto Dois Carneiros

A sexta edição da Caravana da Mulher, realizada no...

Mulheres do PT debatem feminismo, políticas e construção partidária

Cerca de 700 delegadas de todo o Brasil reuniram-se...

Na Rio+20, governo brasileiro e ONU Mulheres firmam cooperação Sul-Sul em igualdade de gênero

Serão investidos três milhões de dólares, doados pelo governo...

Salvador registrou 234 casos de abusos em 234 dias do ano

A Bahia lidera o ranking de denúncias de violência...

para lembrar

Homens e mulheres concordam: o preconceito de gênero interfere no salário

De 13 perguntas da pesquisa Mitos & Verdades, feita...

Gênero nos espaços públicos e privados

O estudo "Mulheres brasileiras e gênero nos espaços públicos...

Diálogos Feministas: Análise de conjuntura e desafios para a defesa da democracia

Esta publicação traz uma síntese do debate realizado: uma...

Gisele, eu tenho um cérebro!

Algum tempo atrás eu escrevi um artigo intitulado "E...
spot_imgspot_img

O atraso do atraso

A semana apenas começava, quando a boa-nova vinda do outro lado do Atlântico se espalhou. A França, em votação maiúscula no Parlamento (780 votos em...

Brasil quer levar desigualdade e impostos para a mesa de discussão do G20

O governo brasileiro pretende levar para a mesa de discussão do G20 os efeitos da desigualdade e sua relação como a política econômica e...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como líder da bancada da federação PSOL-Rede, que hoje conta com 14 deputados, se tornando a...
-+=