Escócia está prestes a ser o primeiro país a dispor gratuitamente absorventes menstruais

O Parlamento escocês aprovou um projeto de lei para oferecer os absorventes em espaços públicos, como centros comunitários, farmácias e clubes juvenis

Na Marie Claire

Getty Images

A Escócia deve se tornar o primeiro país a fornecer absorventes gratuitos – o que seria um impulso para outras nações reverterem os preços onerosos desses produtos.

Na ultima terça-feira, 25, o Parlamento escocês aprovou um projeto de lei para disponibilizar gratuitamente os absorventes em espaços públicos, como centros comunitários, farmácias e clubes juvenis. Em escolas e universidades isso já acontece desde 2018.

O novo plano custará a Edimburgo 31,2 milhões de dólares por ano.

A legislação foi aprovada com 112 votos a favor, nenhum contra e uma abstenção. A informação é da agência de notícias britânica Reuters. Agora, passa para uma segunda fase, na qual os legisladores podem propor emendas.

A legislação é um “momento marcante para normalizar a menstruação na Escócia e enviar esse sinal real às pessoas deste país sobre a seriedade com que o parlamento leva a igualdade de gênero”, disse Monica Lennon, patrocinadora do projeto, durante um debate no Parlamento.

“Estamos mudando a cultura e é emocionante que outros países ao redor do mundo estejam observando de perto para ver o que fazemos”, disse ela.

Na Escócia, um estudo mostrou que 1 em cada 4 mulheres em escolas e universidades já teve problemas para acessar produtos menstruais.

Em 2016, o Reino Unido prometeu encerrar seu “imposto sobre absorventes”, que é de 5%, mas adiou a mudança, citando incertezas sobre o Brexit e o impedimento dos regulamentos fiscais da União Europeia. A Escócia, que faz parte do Reino Unido, parece ter enfim contornado o problema.

Leia também:

A história de Mary Beatrice, mulher negra que inventou o absorvente

+ sobre o tema

para lembrar

Jovem indiana é estuprada como punição de crime sexual cometido por irmão

A justiça local determinou que a jovem fosse estuprada...

Joyce Ribeiro expõe falta de negros no jornalismo: ”Poucas parecidas comigo”

Para a jornalista e escritora Joyce Ribeiro, é um deleite...

Milton Cunha: Semiologia de pele negra

A importância de ver o povo negro manipulando os...

‘Ainda faltam papéis para a mulher negra’ , diz Ruth de Souza

Filmes da atriz estão em cartaz em mostra no...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=