Escrita Feminina Negra

A pesquisadora Cristian Sales apresenta-nos em sua dissertação intitulada Composições e recomposições: O corpo feminino negro na Poesia de Miriam Alves (UNEB- Mestrado em Linguagens, 2011) considerações muito importantes sobre a literatura feminina negra no Brasil.

Nos últimos anos, pesquisadores negros e negras têm produzido fartos textos sobre a escrita afrodescendente.

Cristian defendeu alguns pontos, que nos permitem perceber certas especificidades da literatura negra e da poesia elaborada por mulheres negras.

Em sua defesa de um cânone estigmatizador, a Teoria Literária tradicional não tem sido suficiente para compreender autores e autoras da contemporaneidade. E as novas perspectivas de leitura permitem óticas diferenciadas sobre autores e autoras do passado.

Leitores da literatura produzida por negros e negras estão a nos oferecer essas outras possibilidades de interpretação também.

Segundo Cristian, a mulher negra se apropria discursivamente do corpo (feminino) e lida com suas configurações pejorativas”.

Haveria, de certo modo, por parte da leitora/pesquisadora uma apropriação também discursiva, igualmente reavaliadora da presença da mulher negra.

O seu depoimento a respeito da importância dos Cadernos Negros (mais em:http://www.quilombhoje.com.br/) como principal veículo de divilgação de contos e poemas produzidos por autores e autoras afrodescendentes faz avultar essa realidade às vezes pouco salientadas até pelos leitores assíduos dos Cadernos.

Essa publicação é a mais longeva e influente da Literatura Brasileira em geral, tendo o apoio há três décadas basicamente apenas de seus próprios colaboradores. Foi através deles que Cristian conheceu a literatura negra, especialmente a poesia de Miriam Alves, suas perspectivas internas, sensibilidades semelhantes às suas.

Conforme seu pensamento, a literatura feminina afrodescendente usa a auto representação como recurso de linguagem, aproximação e de laços, constrói novos sentidos e significações, elabora autoimagem positiva, interessada em questionar as representações negativas, desmistificar estereótipos raciais e sexuais. A voz negra atua em “ritmo ofegante”, como “se no exato instante em que as letras vão se juntando para formar as expressões, antes presas e silenciadas pelas condições históricas, todas elas desejassem se libertar ao mesmo tempo”.

Excelente o avistar do corpo refeito e reimaginado em imagens como vulto, fumaça, fragmentos e retalhos (como diz-nos em outra leitura a escritora Maria Nazareth Fonseca:http://www.ich.pucminas.br/posletras/Poesia%20afro-brasileira.doc).

Os vários pedaços da “retórica de detalhes” como vozes das mulheres afrodescendentes em diferentes tempos e histórias, visão muito aguçada sobre a questão. Para a pesquisadora, Miriam Alves ziguezagueia “entre o fluxo cintilante da produção poética afrobrasileira e uma radiografia real do nosso cotidiano”.  Verifiquemos essa proposição de Cristian e nos convidemos a conhecer e divulgar seu texto motivados pela fruição da poesia que segue: 


EU MULHER EM LUTA 
Miriam Alves

enluto-me e o poema sai assim 
meio mágoa 
meio lágrima 
meio torto 
toda lança

enluto-me por aquelas vindas no arrastão atlântico 
enluto-me ao ver dilacerar pele, corpo e mente

eu mulher em luta 
combato o ócio de quem não vê 
no silêncio das casas os estupros-menina 
cotidianamente

eu enluto 
toda mágoa 
toda dor 
toda lágrima 
enrijeço-me sob o toque domador 
marcando o desejo 
sou toda combate toda força

eu mulher em toques no teclado 
faço das luzes da tela meu alento 
alimento em palavras

o meu desejo pleno de ser 
e vou tiquetaqueando retirando das vogais sons 
palavras e imagens 
tamborilando mensagem vou

Cadernos Negros Volume 33

MAIS EM:

http://alvesescritorapoeta.blogspot.com/

http://www.quilombhoje.com.br/

+ sobre o tema

Ronaldinho Gaúcho diz que viveu seus melhores anos no Barcelona

Em carta à torcida, Craque se mostrou emocionado ao...

Ilú Obá De Min convida para 6ª edição do Heranças Africanas

    Olá amigos e amigas do Ilú Obá De Min,...

Willow Smith tenta emplacar mais um hit com o single 21st Century Girl

Willow Smith tenta emplacar mais um hit. Depois do...

para lembrar

A força do rap

Como levar essa expressão de resistência e denúncia social...

Consulesa da França no Brasil confirma visita a comunidade tradicional de matriz africana

Visita proporcionará encontro de povos e comunidades tradicionais Do Inzo Tumbansi Itapecerica...

Carolina Maria de Jesus é homenageada no Museu Afro Brasil

A escritora, poetisa e sambista brasileira Carolina Maria de...

Divulgado o trailer oficial do filme biográfico de Miles Davis

A Entertainment Weekly soltou o primeiro trailer de Miles...
spot_imgspot_img

Em autobiografia, Martinho da Vila relata histórias de vida e de música

"Martinho da Vila" é o título do livro autobiográfico de um dos mais versáteis artistas da cultura popular brasileira. Sambista, cantor, compositor, contador de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Morre Maryse Condé, grande voz negra da literatura francófona, aos 90 anos

Grande voz da literatura francófona, a escritora de Guadalupe Maryse Condé morreu na madrugada desta terça-feira (2), segundo informou à AFP seu marido, Richard Philcox. A causa...
-+=