segunda-feira, outubro 25, 2021
InícioQuestões de GêneroMulher NegraEstudante quilombola da Bahia realiza sonho após ser aprovada em medicina na...

Estudante quilombola da Bahia realiza sonho após ser aprovada em medicina na UFPEL: ‘Preta e pobre pode ser uma médica’

Clima seco e quente do semiárido baiano e as dificuldades encontradas ao decorrer da sua história lapidaram a jovem, que encontrou na força ancestral motivação para criar rotinas intensas de estudos.

Fonte: Do G1

A estudante Carlúcia Alves Ferreira, de 21 anos, trouxe para a comunidade quilombola Lagoa dos Anjos, no município de Candiba, no centro-sul da Bahia, uma grande notícia. A baiana foi aprovada no vestibular para medicina da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), no Rio Grande do Sul.

Carlúcia Ferreira se preparou durante dois anos. O clima seco e quente do semiárido baiano e as dificuldades encontradas ao decorrer da sua história lapidaram a quilombola, que encontrou na força ancestral a motivação para criar rotinas intensas de estudos e enfrentar os desafios.

Matriculada no curso, as aulas começaram na modalidade EAD, por causa da pandemia do novo coronavírus.

“Comecei a estudar em casa, com auxílio das plataformas gratuitas e dos conteúdos do projeto Enem 100%. Estudava de segunda a sábado, fazia duas redações e um simulado por semana”, contou a estudante.

“Tive o apoio irrestrito de professores da escola, em especial a professora de redação Vina Queiroz, que se reunia comigo para pensar estratégias de estudos e transmitir”, lembrou.

Após concluir o Ensino Médio no Colégio Estadual Antônio Batista, em 2019, Carlúcia Ferreira foi aprovada no curso de enfermagem da Universidade Estadual da Bahia (UNEB). No entanto, contrariando muitos conselhos, cancelou a matrícula para continuar em busca do seu sonho, que era passar em medicina.

Além da rotina de estudos, Carlúcia Ferreira se dedicava a pequenos empreendimentos, com venda de lanches, artesanatos, aulas de reforço escolar para crianças da comunidade e um grupo de dança. Mesmo com tantas atribuições, o desejo da jovem não foi afetado.

“Meus pais nunca puderam dar algo a mais do que o básico. Então, a minha vida no quilombo sempre foi muito limitada. Porém, isso não impediu que eu sonhasse grande e, com o incentivo da minha mãe, nunca desisti da Medicina. Gosto de pessoas e de cuidar delas”, contou.

“Quero estar presente tanto nos momentos mais tristes, quanto nos mais felizes. Sou uma prova de que uma preta e pobre pode ser uma médica”.

Carlúcia Ferreira mora em uma casa pequena, com os pais e sua irmã. Sua mãe Luciene Santos Alves Silva tem 47 anos e trabalha como lavradora. Conhecida no quilombo como Tia Yô, ela diz estar realizada com a conquista da filha.

“É uma felicidade muito grande. Sempre sonhei em estudar, mas na minha época as mulheres daqui não podiam, isso era coisa de menino. Estou emocionada e muito feliz”, disse a jovem.

Foto em destaque: Reprodução/ G1

RELATED ARTICLES