terça-feira, setembro 21, 2021
InícioQuestões de GêneroMulher NegraJoséphine Baker será a primeira mulher negra a entrar no Panteão

Joséphine Baker será a primeira mulher negra a entrar no Panteão

Artista franco-americana consagrou-se a primeira estrela internacional negra e foi espiã da Resistência Francesa contra as tropas nazistas durante a Segunda Guerra.

Fonte: Do G1

A artista franco-americana Joséphine Baker (1906-1975) entrará para o Panteão de Paris a partir de 30 de novembro. Figura eminente da resistência francesa antinazista e da luta antirracista, Baker será a primeira pessoa negra e a sexta mulher a descansar na secular necrópole francesa.

A informação foi confirmada neste domingo (22) por fontes próximas do presidente Emmanuel Macron e pelo jornal Le Parisien. Segundo o veículo francês, o presidente anunciou a notícia a um grupo de personalidades que concordava com a transferência de Baker para o Panteão. Atualmente, seus restos mortais estão enterrados em Mônaco.

“Quando o presidente nos disse que sim, foi uma grande alegria”, disse a empresária Jennifer Gueson, uma das personalidades recebidas que defendeu a entrada de Baker no Panteão. Segundo eGuesdon, Macron anunciou a entrada da artista em 21 de julho.

Brian Bouillonr-Baker, um dos 12 filhos adotivos de Baker, também esteve entre os convidados de Macron. O pedido de ‘panteonização’ teria sido feito pela família Baker desde 2013, segundo Jennifer Guesdon, e a petição tem “quase 40 mil assinaturas”.

Primeira estrela negra e espiã de guerra

blank
Josephine Baker (Foto: Paul Nadar)

Joséphine Baker é considerada a primeira grande estrela do teatro de revista. Ela também foi a primeira mulher negra a desempenhar o papel principal em uma grande produção cinematográfica no longa francês “A Sereia dos Trópicos”, de 1927. Também foi uma das mais renomadas dançarinas do icônico Folies Bergère. Em Paris, ficou conhecida pelas danças sensuais e a irônica saia de bananas, que definiu sua imagem da época.

Ainda conhecida pelos posicionamentos antirracistas, Josephine foi uma das artistas negras que se recusou a se apresentar para plateias segregadas nos Estados Unidos, onde a cantora nasceu e foi também uma das vítimas da segregação do Jim Crow.

Já na Europa, sua imagem de artista glamorosa a fez um grande nome da Resistência Francesa contra os nazistas. Conhecida pelos apelidos de Vênus Negra, Pérola Negra e Deusa Crioula, os holofotes em cima de sua sensualidade a fizeram passar despercebida como espiã de guerra: além de esconder diversos franceses em sua propriedade durante a invasão nazista em Paris, Baker usou sua turnê pela América do Sul para contrabandear documentos para o general Charles de Gaulle. Em suas partituras, carregou informações codificadas sobre movimentos das tropas alemãs na França.

blank
Cartaz da produção ‘Sereia dos Trópicos’ (1927), estrelada por Josephine Baker (Foto: Imagem retirada do site G1)

Sexta mulher no Panteão

Por mais de um século, o Panteão foi a necrópole secular dos “grandes homens – e mulheres -” na França, cuja memória, a “pátria reconhecida” quer homenagear. O imponente edifício fica no coração da capital francesa. Entre os 80 personagens “panteonizados” estão políticos, escritores, cientistas, alguns religiosos e muitos militares.

Atualmente, ficam ali apenas os restos mortais de cinco mulheres, como os de Simone Veil, a última a ter sido incluída, em 2018. O escritor francês Maurice Genevoix foi o último “panteonizado”, em 2020.

Joséphine Baker será a sexta mulher a entrar no Panteão, depois de Sophie Berthelot, a física Marie Curie, as lutadoras da resistência Germaine Tillion e Geneviève de Gaulle-Anthonioz, além de Simone Veil, que também era uma figura política.

Sophie Berthelot, a primeira a descansar ali, ao lado de seu marido, o cientista Marcelino Berthelot a quem ela ajudara em suas pesquisas, havia se distinguido “em homenagem à sua virtude conjugal”.

Veja quem são as mulheres do Panteão francês, na ordem em que entraram:

Marie Curie

blank
Marie Curie foi a primeira pessoa a receber dois prêmios Nobel em áreas distintas, física e química, em 1903 e 1911, respectivamente (Foto: Getty Images via BBC)

Nascida em Varsóvia em 1867, Marya Salomea Sklodowska veio a Paris para estudar física e matemática. Casou-se com o físico Pierre Curie em 1895. Eles encontraram dois novos átomos, radioativos, batizados de polônio e rádio, e obtiveram o Nobel de Física em 1903, com Henri Becquerel.

Em 1906, Pierre Curie morreu atropelado por um caminhão. Viúva, Marie Curie teve um caso com o físico Paul Langevin, que também descansa no Panteão. Mas a esposa traída apresentou uma queixa contra ela e o escândalo estourou em 1911, terminando seu romance. Nesse mesmo ano, ela recebeu o Nobel de Química.

A única mulher no mundo a ser laureada duas vezes, ela morreu em 1934.

Em 1995, suas cinzas foram transferidas para o Panteão com as de seu marido, na presença do presidente polonês Lech Walesa. Uma decisão do presidente François Mitterrand tomada por sugestão de Simone Veil e outras personalidades.

Sophie Berthelot

Marcelino Berthelot (1827-1907) foi químico, biólogo e político. Muitas ruas, praças, escolas ou escolas secundárias levam o nome daquele que depositou mais de 1.000 patentes científicas e foi Ministro das Relações Exteriores e da Educação Pública.

Quando sua esposa, Sophie (nascida Niaudet), que o ajudava em suas pesquisas, adoeceu, ele disse a seus filhos (o casal tinha seis) que não poderia “sobreviver” a ela. Ele morreu alguns momentos depois dela. As causas de sua morte não foram claramente elucidadas.

A família concordou em “panteonizá-lo” com a condição de que Sophie fosse enterrada com ele. O Ministro Aristide Briand disse em seu elogio em 1907: “Ela possuía todas as raras qualidades que permitem a uma mulher bela, graciosa, gentil, gentil e culta estar associada às preocupações, sonhos e trabalho de um homem. Gênio”.

Geneviève de Gaulle-Anthonioz

A primeira mulher a receber a Grã-Cruz da Legião de Honra, Geneviève de Gaulle-Anthonioz (1920-2002) foi sobrinha do General de Gaulle. Estudante de história, ingressou na famosa Rede de Resistência do Museu do Homem, uma das primeiras criadas em Paris. Denunciada e presa em 1943, ela foi deportada em janeiro de 1944 para Ravensbrück, onde esteva ao lado de Germaine Tillion.

De volta do campo de concentração, ela trabalhou por um período no Ministério da Cultura com André Malraux com o marido Bernard Anthonioz. Mas, no final de 1958, conheceu o padre Joseph Wresinski, criador do movimento “Ajuda em qualquer perigo “, que se tornaria o ATD Quart-Monde. Em 1964, ela assumiu a chefia da associação. Em 1996, ela apelou aos parlamentares a favor de um projeto de lei de coesão social finalmente aprovado em 1998.

Germaine Tillion

Etnóloga, Germaine Tillion (1907-2008) foi uma lutadora incansável pelos direitos humanos. Aluna do sociólogo Marcel Mauss, em 1934 saiu para investigar a população berbere nos Aurès. Meio historiadora, meio repórter, ela cumpriu quatro missões ali.

Durante a guerra, ela participou da criação da Rede Museu do Homem. Ela também foi deportada para Ravensbrück, ao mesmo tempo que sua mãe, Émilie. Detentora de inúmeras condecorações por seus atos heróicos durante a guerra, ela é a segunda mulher a se tornar Grã-Cruz da Legião de Honra.

No retorno do campo de concentração, ela trabalhou no CNRS e na École Pratique des Hautes Etudes, escrevendo vários livros sobre Ravensbrück, Argélia ou sua profissão.

O seu caixão e o de Geneviève de Gaulle-Anthonioz foram instalados no Panteão em 2015, sem os seus restos mortais, a pedido das suas famílias que pretendiam mantê-los nos cemitérios onde estão enterrados.

Simone Veil

Simone Veil, sobrevivente de Auschwitz, ministra da Saúde (1974-1978) e presidente do Parlamento Europeu (1979-1982), foi uma das personalidades favoritas da França.

Também acadêmica, foi presidente da Fundação para a Memória da Shoah (2001-2007).

Sua notoriedade e popularidade se devem muito à sua luta para que a lei de interrupção voluntária da gravidez (aborto) seja adotada em 1975, apesar da oposição de grande parte da direita.

Ela foi panteonizada em 2018, um ano após sua morte. Seu marido, Antoine, falecido em 2013, repousa ao seu lado.

RELATED ARTICLES