Estudantes negros enfrentam o racismo de professores e colegas em universidades

De xingamentos de ‘escravos’ a brincadeiras com os cabelos, negros convivem com ataques de racismo

Por Giorgia Cavicchioli e Matheus Moreira Do El País

Foto: JUNIÃO/PONTE

A estudante negra, que prefere não ser identificada, conta que, quando passou em publicidade e propaganda na Faculdade Cásper Líbero, na cidade de São Paulo, esperava se deparar com algum episódio racista quando pisasse naquele espaço — que, até poucos anos, era quase que exclusivamente branco, como todo o ensino superior do Brasil. “Por ser uma faculdade elitista, eu imaginei que sofreria algo”, diz. O que ela não esperava é que o racismo partisse de uma professora.

Durante uma aula, em 22 de março, folheando o álbum da Copa do Mundo de uma aluna, a professora comentou que na Croácia “só tem gente bonita” e, diante das imagens da seleção da Nigéria, disse que “queria saber como esse aqui faz pra pentear o cabelo, deve ser um ninho”, segundo o relato de alunos. No final da aula, a aluna e seus colegas procuraram a professora para questionar essa e outras falas dela que consideravam discriminatórias. Durante a conversa, a professora negou que fosse racista, disse que não havia racismo no Brasil (“tem até um outro negro na Cásper”) e ainda pôs a mão no cabelo da jovem, alegando “curiosidade”.

O episódio foi levado à direção da Cásper Líbero pelo coletivo de alunos Africásper. Nesta semana, a faculdade demitiu a professora, que não teve o nome divulgado. “Após analisar os apontamentos relatados pelo corpo discente e ouvir as partes envolvidas, a Faculdade Cásper Líbero optou pelo desligamento do docente por uso de expressões e atitudes inadequadas. A Faculdade reforça que repudia qualquer atitude de conotação discriminatória e preconceituosa, seja no espaço público ou privado”, afirmou a direção da faculdade, em nota divulgada nesta quinta-feira.

Continue lendo aqui: El País

+ sobre o tema

Ex-secretário do MEC defende cotas em universidades particulares

A Lei de Cotas precisa ultrapassar as fronteiras das...

Anarquismo, racismo e lutas de classes

A opressão racial continua a ser um ponto característico...

Racismo na Itália: Em festa do Partido Democrata atiraram duas bananas em Cécile Kyenge

Cécile Kyenge novamente alvo de intolerância racial ...

Friends e Living Single: o tom de pele pode influenciar o sucesso de uma série?

A história de seis amigos morando juntos em Nova...

para lembrar

Príncipe Harry diz que ‘preconceito inconsciente’ alimenta racismo

O viés inconsciente pode levar a um comportamento racista...

Lançamento do guia de enfrentamento do racismo institucional

O Geledés Instituto da Mulher Negra e o...

O racismo e o sofrimento psíquico

O Banzo é o sofrimento psíquico de quem não...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=