Estudo sobre homicídio de mulheres coloca Brasil em 7º lugar no ranking mundial

Estados com maiores números de casos violentos foram Espírito Santo, Alagoas e Paraná

Um estudo divulgado nesta segunda-feira, 7, apontou que o Brasil tem o sétimo maior índice de homicídios entre as mulheres entre 84 países. De acordo com a pesquisa, a taxa de homicídio no país ficou em torno de 4,4 vítimas para cada 100 mil mulheres.

El Salvador lidera o ranking, com taxa de 10,3 vítimas para cada 100 mil mulheres. Na frente do Brasil ainda aparecem Trinidad e Tobago (7,9), Guatemala (7,9), Rússia (7,1), Colômbia (6,2) e Belize (4,6).

Com taxa zero, Marrocos, Egito, Bahrein, Arábia Saudita e Islândia estão na outra ponta do índice de homicídios entre as mulheres.

A pesquisa, coordenada pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, foi batizada de ‘Mapa da Violência de 2012: Homicídios de Mulheres no Brasil’ e foi feita com apoio da Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais – FLACSO – e do Instituto Sangari.

O objetivo do estudo é traçar um panorama da evolução do homicídio de mulheres entre 1980 e 2010, quando foram assassinadas 91.932 mulheres, sendo quase a meta e – 43.486 mortes – na última década desse período.

Os Estados com maiores taxas, no ano de 2010, foram: Espírito Santo, Alagoas e Paraná, com taxas de 9.4, 8.3 e 6.3 homicídios para cada 100 mil mulheres, respectivamente.

Um detalhe também significativo é o local onde aconteceu a agressão: em 69% das vítimas femininas atendidas pelo SUS, foi na própria casa.

O relatório completo do estudo pode ser acessado pelo site: http://www.mapadaviolencia.net.br/

 

 

 

Fonte: Estadão 

+ sobre o tema

Antropóloga norte-americana Sheila Walker visita Salvador

O Núcleo de Gênero do Coletivo de Entidades Negras...

Festival da mulher afrolatina tem shows, debates, cinema e mais

Evento que celebra a mulher negra, também chamado de...

O Teatro Negro de Cidinha da Silva

Cidinha da Silva é uma escritora que observa a atualidade....

“Eu sou negra e sou bela”: mulheres contando a própria história

Há 15 anos, a IPIB abriu as portas para...

para lembrar

Após sofrer violência, brasileiras voltam ao País com filhas

Duas brasileiras que sofriam violência doméstica por parte dos...

Caso UNIBAM: Jovens tiram a roupa para repudiar machismo na universidade

Grupo de 250 pessoas fez passeata até o Salão de...

Gênero, uma categoria médica?, por Berenice Bento

Muitos acreditam numa ‘base biológica’ para a identidade de...

Lyara Oliveira é a nova presidente da Spcine

Lyara Oliveira, doutora em Meios e Processos Audiovisuais pela...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=