Juízas de MT debatem Lei Maria da Penha em Londres

As magistradas mato-grossenses Amini Haddad Campos e Adriana Sant’Anna Coningham apresentarão na Conferência Mundial da International Association of Women Judges, que será realizada entre os dias 2 e 5 de maio em Londres, um painel sobre a história do Brasil após a entrada em vigor da Lei Maria da Penha.

De acordo com a juíza Amini Haddad, a conferência abordará várias questões de gênero. Além da violência, serão debatidos temas como preconceito, tráfico de meninas, dificuldade de acesso a cargos de relevância e diferenças salariais.

Amini Haddad contou que a apresentação revelará o pioneirismo do Poder Judiciário de Mato Grosso na aplicação da Lei Maria da Penha e a relevância dessa bandeira para a sociedade mato-grossense. Conforme a magistrada, a Justiça contribuiu para que o Estado desenvolvesse políticas públicas de combate à violência doméstica, como a instalação de abrigos para as vítimas, por exemplo.

A magistrada destacou que a Lei Maria da Penha trouxe avanços para o Brasil, sendo o primeiro deles a queda no número de homicídios contra as mulheres a partir da entrada em vigor da lei, em 22 de setembro de 2006. Segundo a magistrada, estatísticas apontam que o número de casos de homicídios resultantes de violência doméstica caiu 70%.

Além de punir exemplarmente agressores, ela disse que a lei contempla o atendimento à família de modo geral, já que prevê o tratamento de todas as pessoas envolvidas na violência, não apenas da mulher, mas dos filhos e até do agressor. “O agressor precisa ser tratado para que volte a estabelecer vínculos de respeito com as novas parceiras e até com a mesma, se for o caso”, analisou.

Amini Haddad salientou que a lei é um exemplo de esperança para outros países, principalmente os árabes ou países da África, onde são praticadas as piores atrocidades contra as mulheres. “No Congo, o índice de mulheres estupradas atinge 90% da população”, revelou a magistrada, observando que a Lei Maria da Penha é antes de tudo uma luta pela igualdade de gênero.

De Brasília

Com agências

 

 

 

 

Fonte: Correio do Brasil

+ sobre o tema

Transexual sofre agressão após usar banheiro feminino em bar, em Araraquara; veja relatos em vídeo

Amigo pediu esclarecimento e levou três socos; polícia se...

Mulheres Inspiradoras de 2015 – e uma surpresa

Este foi um ano muito especial para as mulheres...

Dois terços das mulheres assassinadas com armas de fogo são negras

São negras 68,3% das mulheres assassinadas com armas de...

para lembrar

Pesquisa mapeará a violência política contra mulheres no Brasil

A pesquisa Política de Saias foi disponibilizada nesta sexta...

Escola no CE é acusada de ensinar Física com conteúdo homofóbico

A analogia partiu da química, para explicar os fenômenos...

Eleições americanas: uma reflexão de Judith Butler

Há duas questões que os e as eleitoras da...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=