Evangélicos se unem em coalizão contra Bolsonaro

Bolsonarismo cria religiosidade mentirosa e que nada tem a ver com verdadeiro Evangelho

Nós, que somos evangélicos e nos identificamos com uma leitura bíblica que destaca o valor da justiça social e da igualdade, não podemos ficar calados diante de um governo que, como disse Jesus no Evangelho de João (10.10), se assemelha ao ladrão que veio matar, roubar e destruir.

Formamos a Coalizão Evangélica Contra Bolsonaro, por entender a necessidade do Brasil de derrubar o governante que tem espalhado a morte, o ódio e a discórdia, além do desemprego e da fome —que voltaram a ser realidade na vida de milhares de brasileiros, inclusive entre evangélicos como nós.

A coalizão é composta por movimentos, grupos e coletivos (confira a lista das instituições abaixo) que têm a mesma proposta: a defesa de uma vida digna e abundante, em que a justiça corra como um rio contínuo e transforme a realidade do país.

A proposta é que, nos atos, esses grupos formem um bloco único com mensagens unificadas mostrando que os evangélicos possuem diferentes formas de pensamento. Esses grupos farão uma live nesta quinta (22), às 19h, transmitidos nas páginas de Facebook e YouTube.

Além disso, a Coalizão de Evangélicos contra Bolsonaro lançou manifesto, no qual destaca que “em Jesus, vemos a valorização da vida (e vida em abundância). Ao curar enfermos, multiplicar pães e peixes e livrar da morte os excluídos e condenados pela sociedade, Ele deixou evidente a valorização da dignidade humana como cerne da vontade divina e alvo maior de sua vida e do seu ministério”.

Na contramão disso, vemos o (des)governo do presidente Jair Bolsonaro negar o auxílio emergencial de R$ 600 para combater a fome e prestar socorro aos mais pobres —mas concede bilhões de reais ao parlamento via emendas parlamentares e bancos privados.

O presidente ignorou 101 emails da Pfizer, que poderiam ter feito do Brasil um exemplo mundial de vacinação em massa. Comprou insumos superfaturados para produção de cloroquina (remédio sem nenhuma eficácia comprovada para combate à Covid-19), e ainda debochou e escarneceu em rede nacional das famílias enlutadas brasileiras, ao dizer que era apenas uma “gripezinha” e que não podia fazer nada “porque não era coveiro”.

Nós, evangélicas e evangélicos de diversas igrejas, movimentos e coletivos, nos colocamos ao lado das inúmeras organizações que se movimentam em defesa do nosso povo e contra os avanços autoritários dos dominadores do poder.

O bolsonarismo cria uma religiosidade mentirosa que nada tem a ver com o verdadeiro Evangelho, causando perversão, idolatria cega e uma ignorância negacionista, tanto da ciência como dos ensinamentos libertadores e verdadeiros de Jesus Cristo.

Como pessoas evangélicas, não podemos continuar caladas mediante um presidente que opera em favor do “matar, roubar e destruir”. As vidas dos brasileiros, principalmente dos negros, dos pobres, dos indígenas, das mulheres, dos LGBT+ e dos favelados estão sendo roubadas todos os dias pela indignidade da fome, pelas mortes pela Covid-19 e pelo caos social. Os violentados por esse governo clamam por justiça e por um governo no qual o valor principal seja a valorização da vida. E vida em abundância.

“Erga a voz em favor dos que não podem defender-se, seja o defensor de todos os desamparados. Erga a voz e julgue com justiça; defenda os direitos dos pobres e dos necessitados”. Provérbios 31:8-9.

A Coalizão Evangélica Contra Bolsonaro é composta por: Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, Rede Fale, Evangélicas pela Igualdade de Gênero, Núcleo de Evangélicos do PT, Movimento Negro Evangélico, Esperançar, Cuxi (Coletivo Negro Evangélico), Revista Zelota, Cristãos contra o fascismo, Movimento Social de Mulheres Evangélicas do Brasil, Paz e Esperança, Frente Evangélica pela Legalização do Aborto, Aliança de Batistas, Evangélicxs pela Diversidade, Movimento Cristãos Trabalhistas, Plataforma Intersecções, Rede de Mulheres Negras Evangélicas, Igreja Batista do Caminho, Comunidade Cristã da Zona Leste, Igreja Cristã Redenção Baixada, Nossa Igreja Brasileira, Refugo, Bancada Evangélica Popular, Coletivo de Mulheres Pelas Organizações Religiosas do Distrito Federal e Comunidade Cristã Missão Integral.

Wesley Teixeira

Morador da Baixada Fluminense, integrante do PerifaConnection, da Coalizão Negra por Direitos e da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito

Nilza Valéria

Jornalista e coordenadora nacional da Frente de Evangélicos Pelo Estado Democrático de Direito

PerifaConnection, uma plataforma de disputa de narrativa das periferias, é feito por Raull Santiago, Wesley Teixeira, Salvino Oliveira, Jefferson Barbosa e Thuane Nascimento

+ sobre o tema

Pobre Palmares!

  por Arísia Barros União,a terra de Zumbi, faz parcas e...

Olimpíadas de Tóquio devem ser novo marca na luta por igualdade

Os Jogos Olímpicos da Cidade do México, em 1968,...

Lei 13.019: um novo capítulo na história da democracia brasileira

Nota pública da Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais...

Gostoso como um abraço? – Por Maria Rita Casagrande

Por Maria Rita Casagrande para as Blogueiras Negras Feche...

para lembrar

Nilton Bonder critica Hebraica por palestra de Bolsonaro

O rabino Nilton Bonder, da Congregação Judaica do Brasil...

Seminário reúne mulheres para discutir economia e política no Rio de Janeiro

Quando o sol nasce, a mulher negra desce morro...

Prometo não tocar no assunto, por Elika Takimoto

Fui orientada por várias editoras que entraram em contato...

Brasil quer levar desigualdade e impostos para a mesa de discussão do G20

O governo brasileiro pretende levar para a mesa de discussão do G20 os efeitos da desigualdade e sua relação como a política econômica e...

Primeira mulher trans a liderar bancada no Congresso, Erika Hilton diz que vai negociar ‘de igual para igual’

A deputada federal Erika Hilton (PSOL-SP) foi aclamada nesta quarta-feira como líder da bancada da federação PSOL-Rede, que hoje conta com 14 deputados, se tornando a...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=