Exposições em São Paulo jogam luz à vida e obra de personalidades e artistas negros

Enviado por / FonteCNN, por Mariana Belley

Adicione no seu roteiro cultural essas mostras que focam na visibilidade de nomes e trajetórias negras

Para dar visibilidade – e tirar do apagamento – nomes, obras e histórias de negros, iniciativas culturais têm trabalhado para o resgate dessas jornadas, dessas pessoas, e se fazendo de eco para suas vozes. As exposições a seguir são alguns desses projetos.

Expo Consciência Negra

A Prefeitura de São Paulo lançou em 30 de agosto o projeto ‘São Paulo Farol de Combate ao Racismo Estrutural’ e, com ele, a Expo da Consciência Negra, com participação de artistas nacionais e internacionais. Segundo a secretária Marta Suplicy, a Expo será tecnológica e disruptiva. “É a visibilidade que se pretende dar à pauta antirracista desenvolvida na cidade”, explicou.

O evento vai promover um resgate da história brasileira, e, para isso, ressalta o protagonismo da população negra, destaca as diversas lutas por emancipação, equidade, e busca sensibilizar a população para os impactos e permanências da herança escravocrata em nossa sociedade. Tudo isso, a partir das linguagens e dos elementos do carnaval brasileiro. Terá também conferências com nomes de referência nacional e internacional e dará a oportunidade de fazer uma imersão cultural e experiências sensoriais.

A mostra será formada por 5 alamedas temáticas: educação, que vai recuperar a biblioteca de Timbuktu, criada no Mali em 800 A.C; saúde, com medicinas ancestrais e as contribuições das populações negras ao desenvolvimento da ciência moderna; cultura, com aspectos da cultura negra ao redor do mundo – ritmos, sabores, atores e atrizes que fizeram história; empreendedorismo e tecnologia, com as primeiras mulheres negras empreendedoras; e a alameda das Mulheres Negras onde haverá uma intersecção entre duas dimensões centrais: raça e gênero, destacando a presença delas em todos os espaços e campos de atuação.

Expo da Consciência Negra
19/11 para autoridades e convidados
20 e 21/11 para o público
Pavilhão 10 do Anhembi – Av. Olavo Fontoura, 1.209, Santana

Ocupação Sueli Carneiro

Sueli Carneiro (Foto: André Seiti / acervo Itaú Cultural)

Filósofa, escritora e ativista antirracismo, Sueli Carneiro é considerada uma das principais autoras e vozes do feminismo negro no Brasil. A mostra vai mostrar toda a sua trajetória pessoal até hoje, aos 71 anos, e como se tornou ativista e uma das intelectuais mais atuantes e referenciais em atividade, além de ser uma das fundadoras do Geledés – Instituto da Mulher Negra, sempre pautada por quem a antecedeu e pautando gerações depois dela. Para sustentar toda essa história, a exposição volta à origem de Sueli, seu encontro com o Candomblé e sua simbologia, o desenvolvimento de seu pensamento intelectual, suas influências e pessoas influenciadas, além de memórias e afetos da infância, juventude e vida adulta, como a paixão pelo futebol.

Exposição Sueli Carneiro (Foto: Divulgação)

São mais de 140 peças, entre fotografias da mídia e de seu arquivo, textos de sua autoria, artigos, livros, matérias, objetos pessoais e religiosos. Tem também cinco audiovisuais com depoimento de intelectuais e membros do movimento negro.

Ocupação Sueli Carneiro
Até 31 de outubro
Avenida Paulista, 149 – próximo à estação de metrô Brigadeiro Piso Paulista

Enciclopédia negra

A exposição torna pública 103 obras realizadas por artistas contemporâneos para um livro homônimo de autoria dos pesquisadores Flávio Gomes e Lilia M. Schwarcz e do artista Jaime Lauriano, publicado em março de 2021 pela Companhia das Letras. A mostra é um desdobramento da publicação e se conecta com a nova apresentação da coleção do museu, que se apoia em questionamentos contemporâneos e reverbera narrativas mais inclusivas e diversas.

No livro, estão reunidas as biografias de mais de 550 personalidades negras, em 416 verbetes individuais e coletivos. Muitos desses personagens tiveram suas imagens e histórias de vida apagadas ou nunca registradas. Para interromper essa invisibilidade, 36 artistas contemporâneos foram convidados a produzir retratos dos biografados. As obras, especialmente produzidas para o projeto, foram doadas ao museu pelos artistas e integrarão a coleção da Pinacoteca de São Paulo.

A mostra está dividida em 6 temáticas Rebeldes; Personagens atlânticos; Protagonistas negras; Artes e ofícios; Projetos de liberdade; e Religiosidades e ancestralidades. Esses núcleos misturam biografias de tempos históricos diversos, nas quais ressaltam aspectos em comum. Há registros de quem liderou movimentos de resistência; negociou condições de emprego e de vida; das mulheres que tiveram de ser separadas de seus filhos; das que, com seu trabalho, conseguiram comprar as alforrias; dos mestres curandeiros, dos professores, advogados, artistas, entre outros.

Exposição Enciclopédia negra
Pinacoteca de São Paulo – Até 8 de novembro
De quarta a segunda-feira, das 11h às 19h
Ingressos com horário marcado e vendas apenas pelo site https://www.pinacoteca.org.br
Praça da Luz 2, São Paulo
Livro: Enciclopédia negra, de Flávio Gomes, Jaime Lauriano e Lilia M. Schwarcz
R$ 89,90

Museu Afro Brasil – mostras permanentes e temporárias

Inaugurado em 2004, o Museu Afro Brasil construiu, ao longo de sua existência, uma trajetória de contribuições para a valorização do universo cultural brasileiro, destacando a perspectiva afro-brasileira na formação do patrimônio, identidade, memória, história e arte brasileira. Localizado no Pavilhão Padre Manoel da Nóbrega, dentro do Parque Ibirapuera, o museu conserva um rico acervo com mais de 7 mil obras de autores brasileiros e estrangeiros, produzidos entre o século XVIII e os dias de hoje.

Imagem Lateral Museu Afro (Foto de Nelson Kon)

Exposições permanentes. Com a missão de promover o reconhecimento, valorização e preservação do patrimônio cultural brasileiro, africano e afro-brasileiro, e sua presença na cultura nacional, o museu mantém uma exposição de longa duração dividida entre 6 temas: África: Diversidade e Permanência; Trabalho e Escravidão; Festas: O Sagrado e o Profano; As Religiões Afro-Brasileiras; História e Memória; e Artes: a Mão Afro-Brasileira. Realizou também, ao longo de sua existência, dezenas de xxposições temporárias, publicações, ações de pesquisa e incentivo à produção artística e cultural.

Exposição Frida Orupabo (Foto: Divulgação)

Exposições Temporárias. Até 5 de dezembro está em cartaz a expo individual de Frida Orupabo, artista e socióloga radicada em Oslo, na Noruega. O evento é correalizado com a Fundação Bienal de São Paulo e é parte da 34ª Bienal de São Paulo Faz escuro mas eu canto. Artista essencialmente digital, no sentido de que a sua prática se alimenta de imagens disponíveis na internet, Orupabo as assimila, elabora e transforma por meio de descontextualizações e colagens feitas a partir de imagens, textos e vídeos, originais e apropriados, que registram e expõem o legado duradouro do colonialismo em cenas e imagens que vão do racismo e do sexismo mais explícitos a exemplos de violência familiar e questões envolvendo gênero e identidade. “Os meus trabalhos não são silenciosos” – diz ela –, “eles falam para quem olhar para eles”.

Av. Pedro Alvares Cabral, s/n; Parque Ibirapuera – próximo ao Portão 10.
Terça a domingo, das 10h às 17h.
R$ 15,00 / R$ 7,50. Grátis às quartas-feiras.

Galeria HOA TOUR

HOA TOUR é uma galeria de arte e uma organização artística liderada por artistas negros em São Paulo. Fundada em 2020 por Igi Lola Ayedun, artista multimídia autodidata, que trabalha com pintura, vídeo, escultura digital 3D, fotografia e som, o espaço é dedicado à arte contemporânea latino-americana e combina muitas narrativas de artistas emergentes através da comunicação, exposição, educação, práticas de estúdio e até experiências de vendas.

Em cartaz está a mostra Imenso é o mundo que ainda guardo em mim, da própria Igi, expo que reúne diversas formas de expressão de suas percepções sobre suas vivências, dores, sonhos lúcidos que integram o exercício da busca pela memória e a mutação dos sentidos por meio do gesto.

Rua Amaral Gurgel, 344, 5º andar, Vila Buarque
Quarta à domingo, das 11h às 18h

+ sobre o tema

Edson Cardoso, o Jacaré do É o Tchan, se firma como ator dramático

O baiano, que integra o programa 'Aventuras do Didi',...

Rapper angolano Malef ganha prémio em Festival Internacional de Hip Hop

O rapper Malef ganhou o prémio de melhor artista...

Olímpiadas 2012: Serena Williams na final após vitória arrasadora

A norte-americana Serena Williams está classificada para a final...

Mostra divulga produções artísticas da periferia de São Paulo

Por: Camila Maciel São Paulo – Cantar, recitar,...

para lembrar

Dre Sueli Carneiro : “Le racisme produit une fausse conscience de supériorité “

La société brésilienne doit abandonner l'hypocrisie, assumer qu'elle est exrêmement...

Colorindo Egos, por Sueli Carneiro

Nesta semana ocorreu em São Paulo o I Congresso...

Falta o Congresso

Registramos em nosso último artigo nessa coluna que embora...

Raça, classe e eleições, por Sueli Carneiro

Análises das pesquisas de intenção de votos nos candidatos...
spot_imgspot_img

O precário e o próspero nas políticas sociais que alcançam a população negra

Começo a escrever enquanto espero o início do quarto e último painel da terceira sessão do Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes, nesta semana na...

Fórum da ONU em Genebra discute desenvolvimento econômico dos negros

No terceiro dia do 3º Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes, promovido pela ONU, em Genebra, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, destacou a importância...

Instituto Geledés promove evento sobre empoderamento econômico para população negra

O Geledés – Instituto da Mulher Negra realizou nesta quarta-feira (17) evento paralelo ao Fórum Permanente de Pessoas Afrodescendentes que acontece na sede das Nações...
-+=