Facebook e Afrohub lançam plataforma gratuita para capacitar empreendedores negros

Enviado por / FonteInfoMoney, por Pablo Santana

Com o objetivo de fomentar negócios criados por empreendedores negros, o Facebook e organizações do ecossistema de afroempreendedorismo do país como Pretahub, Feira Preta, Diaspora.Black e Afrobusiness lançaram a terceira edição do Afrohub.

Criado em 2018, o Afrohub é um programa de aceleração com conteúdos voltados para digitalização e desenvolvimentos de negócios que já capacitou mais de 4 mil afroempreendedores em todo o país.

Nesta edição, as capacitações ocorrem de forma digital, através de uma plataforma educacional criada especialmente para a iniciativa, que distribuirá o conteúdo em diferentes formatos e nas redes sociais.

O programa abordará temas como gestão, finanças, vendas e comunicação ao longo de oito meses de formação. A expectativa dos idealizadores é de capacitar 100 mil empreendedores nesta nova etapa do Afrohub.

“Nesse terceiro ano, vamos posicionar a iniciativa Afrohub no processo de transformação digital. O contexto da pandemia mostrou que os nanos e microempreendedores, principalmente os negros, precisam estar dentro do ambiente online.  A plataforma vai trazer conteúdos para acelerar esse processo e trabalharemos também para apoiar o processo de transformação de cultura e democratização da população negra em relação à esse contexto digital”, explica Adriana Barbosa, presidente do Instituto Feira Preta.

A plataforma foi criada pautando-se nas principais dúvidas e necessidades dos empreendedores que passaram nas edições passadas do projeto. Com o foco na digitalização, o conteúdo abordará as melhores formas de se utilizar as ferramentas de marketing no ambiente online e como aprimorar o relacionamento com os consumidores nesses espaços.

Além de vídeos tutoriais e aulas no formato masterclass, o conteúdo também será compartilhado no Instagram e Facebook do programa para ampliar o alcance e dialogar com diferentes perfis de empreendedores.

“Nos tutoriais, será possível acompanhar dicas sobre processos e práticas importantes para a organização dos empreendimentos dentro desses temas. A plataforma contará ainda com a participação de especialistas convidados e uma seção focada na rotina diária do empreendedor, destacando a atuação de afroempreendedores da rede Afrohub, que compartilharão histórias de aprendizados durante a evolução de seus negócios”, destaca Antonio Pita, sócio-fundador do Diaspora.Black.

A plataforma também contará com um espaço para notícias e podcasts sobre o afroempreendedorismo e o mundo dos negócios, que servirão de formação complementar para os participantes.

Outra vertente do projeto focará na produção de dados sobre a transformação digital da população negra. Em parceria com o Fórum Raça e Mercado, realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Afrohub terá um espaço com banco de artigos, teses, pesquisas acadêmicas sobre a economia e o mercado de consumo da população negra no Brasil.

“O futuro é que o Afrohub seja conhecido no mercado como uma plataforma que está fazendo o processo de transformação digital do empreendedorismo negro no Brasil”, afirmou Adriana Barbosa.

Empreendedores de todo o país poderão ter acesso aos conteúdos do Afrohub, de forma gratuita, neste site e nas redes sociais sociais do programa.

Perfil

Apesar da grande existência de empreendedores por necessidade, quando a crise do mercado de trabalho faz com que as pessoas busquem abrir negócios para fugir do desemprego, Adriana Barbosa reforça que as organizações têm mapeado em suas redes o crescimento de outros tipos de empreendedores.

Entre eles, um público mais jovem que busca oportunidades dentro do mercado para empreender em qualquer área. De acordo com Adriana, esse perfil de empreendedor por vocação surge como uma alternativa do desejo da nova geração de trilhar uma carreira profissional fora das grandes empresas e com mais autonomia.

Segundo a executiva, o último perfil de empreendedor é o que mais se aproxima das organizações que promovem o Afrohub – os empreendedores por engajamento. Composto, na sua grande maioria, por mulheres e jovens, esse perfil empreende criando soluções para atender às especificidades de consumo da população negra.

+ sobre o tema

Contra a vontade de Boninho, mundo real insiste em bater à porta do “BBB”

    Vencido por Marcelo Dourado, o "BBB10",...

SP: Justiça proíbe prefeitura de perguntar se aprovado em concurso tem HIV

O Tribunal de Justiça de São Paulo alegou discriminação...

Condenado por atear fogo em índio Galdino passa em concurso e vira servidor

Depois de quitar dívida com a Justiça, um dos...

para lembrar

Educação para as Mídias e Relações Raciais

Curso de Educação a Distância (Nível Extensão) As...

Índios acusam PF de tortura durante confronto na Bahia

Fonte: Terra - Foto: Arquivo JBO/MaurícioMaron   O Ministério Público Federal...

STF estabelece marcos de resistência civilizatória

Hoje o obscurantismo violento mostra sua cara e seus...

C&A é condenada por manter trabalho análogo à escravidão

A C&A Modas foi condenada a pagar R$ 100 mil...
spot_imgspot_img

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...

Impacto do clima nas religiões de matriz africana é tema de evento de Geledés em Bonn  

Um importante debate foi instaurado no evento “Comunidades afrodescendentes: caminhos possíveis para enfrentar a crise climática”, promovido por Geledés -Instituto da Mulher Negra em...

Comissão da Saúde aprova PL de garantia de direitos à pacientes falciformes

A Comissão de Saúde da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (5), o Projeto de Lei nº 1.301/2023, que reconhece a doença falciforme como...
-+=