Falta de informação, racismo e desigualdade: o que está por trás dos altos índices de feminicídio negro

Vitória Marques nasceu aos pés do Morro da Polícia – como é conhecido o Morro da Glória, na zona leste de Porto Alegre. Os bisavós dela estiveram entre os primeiros moradores do local. Aos, 26 anos, Vitória, cabeleireira, resolveu mudar o endereço e subir o morro também. Ali encontrou uma vocação, começou a trabalhar com mulheres, se tornou promotora legal pública (PLP), promotora de saúde e presidente da Associação de Mulheres Unidas pela Esperança (AMUE).

por Fernanda Canofre no Sul21

Hoje, Vitória é uma testemunha do que a violência doméstica e de Estado pode fazer na vida das mulheres. Principalmente das mulheres negras, maioria no Morro. A mesma demografia de mulheres que, segundo o último Mapa da Violência, seriam os maiores alvos de feminicídio no Brasil. Enquanto o número de assassinatos de mulheres brancas caiu 10% nos últimos anos, o de mulheres negras deu um salto gigante com 54% de aumento.

Da vida que conhece, Vitória afirma que uma das razões principais para esse aumento seria a falta de informação. “[A informação] não chega até aqui, não tem advogado, não tem assistência social, só usam as mulheres. Eles vem aqui, usam nossas ideias, fazem trabalho de teoria e não retornam para cá”, diz ela.
mulheres.

mulheres-feminicidio2Marcha das Mulheres Negras de 2015 | Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Sem acolhimento ou presença do poder público que “não sobe o morro”, segundo ela, Vitória acolhe na própria casa mulheres vítimas de violência doméstica. Uma dessas mulheres, para ela, é a prova de que a informação chegando até elas poderia empoderá-las e mudar os números do feminicídio em geral.

As duas já eram velhas conhecidas do Morro, quando a mulher buscou Vitória para pedir ajuda. Dona-de-casa, dependente do dinheiro do marido alcoolista, ela suportava há anos agressões até que não aguentou mais. Vitória conta que entregou à vizinha uma cartilha explicando a Lei Maria da Penha, o acolhimento ao qual ela teria direito, as razões pelas quais não ficaria desamparada. Na outra semana, quando o marido ergueu a mão, a mulher reagiu. “Ela se defendeu e disse: hoje tu vai me respeitar, porque eu não sou tua escrava”, conta Vitória.

Os números causam preocupação. Tanto que para entender essas histórias invisíveis e como as mulheres negras viraram alvo principal dos crimes contra as mulheres no Brasil, a Defensoria Pública do Rio Grande do Sul está promovendo desde a última semana minicursos para debater o feminicídio negro e as causas do crescimento disparado.

“Em Porto Alegre e Região Metropolitana, as mulheres negras são as maiores vítimas de violência doméstica. No Brasil, se imagina que as notificações cheguem a 10%. Por exemplo, no ano passado foram notificados 50 mil estupros e se imagina que tenham ocorrido 500 mil casos”, explica a defensora pública e dirigente do núcleo de defesa da mulher, Luciana Artus Schneider.

30/11/2016 - PORTO ALEGRE, RS - 1º Colóquio sobre aborto legal no RS, no Hospital Presidente Vargas. Foto: Guilherme Santos/Sul21
30/11/2016 – PORTO ALEGRE, RS – 1º Colóquio sobre aborto legal no RS, no Hospital Presidente Vargas. Foto: Guilherme Santos/Sul21

Simone Cruz, ouvidora da Defensoria Pública Estadual | Foto: Guilherme Santos/Sul21

Racismo e desigualdade social também são causas de violência

A ouvidora da Defensoria Pública, Simone Cruz conhece muitas das “pequenas” violências enfrentadas pelas mulheres negras – como ela – todos os dias. Simone foi a primeira palestrante a falar nos minicursos. Para ela, não há como dissociar a violência que atinge a população negra da questão racial e social do Brasil.

“A maioria das mulheres pobres têm cor. Existem diferenças entre questão racial e social, mas existe uma relação muito direta entre essas duas variáveis. Apesar da violência doméstica e outras contra a mulher não terem determinante, não atinge especificamente as mulheres pobres, mas acaba atingindo ainda mais pela vulnerabilidade social”, afirma Simone.

Assim como Vitória, Simone também aponta a falta de acesso à informação como um dos agravantes. “A Lei Maria da Penha, apesar de ser para todas, não garante acesso igual. Muitas não a acessam por nível de escolaridade, condição socioeconômica, políticas públicas de emprego e renda”, diz a ouvidora.
Apesar de também reconhecer a Lei Maria da Penha como avanço, a colega dela, Luciana Schneider, aponta problemas na estrutura para receber as mulheres depois da legislação fazer sua parte. “O grande problema é o pequeno número de Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher, mesmo nelas e nas delegacias comuns, não tem profissionais especializados e treinados para atender mulheres vítimas de violência. Quase todas as mulheres que atendemos [na Defensoria] reclamam do atendimento”, explica.

feminicidio-mulheres3
Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Sistema falha com vítimas

O atendimento falha com as mulheres em várias fases, o que leva muitas a desistirem das denúncias. Também moradora do Morro da Polícia e vice-presidente da Associação de Mulheres Unidas pela Esperança (AMUE), Vera Lúcia Machado de Oliveira, diz que muitas mulheres que buscam ajuda com a associação não têm assistência.

“Uma das coisas que nos preocupa muito e preocupa elas é a questão da criança, nossas crianças não são assistidas”, conta Vera. Ela lembra da história de uma moradora local, mãe de 6 filhos, que perdeu a guarda das crianças depois que se separou do marido alcoolista e violento. Como ela tinha de trabalhar para sustentar sozinha a casa, as crianças muitas vezes ficavam sozinhas.

“É uma coisa quase invisível, como se estivesse tudo maravilhoso com os negros. Mas se não é a ONG, o único caminho são as drogas. O poder público não sobe aqui”.

+ sobre o tema

Esmalte que detecta Boa noite Cinderela vira polêmica

A criação de um novo tipo de esmalte que muda de...

Promotores alertam para aumento de casos de exploração sexual infantil

Em moção de repúdio divulgada ontem (3), promotores de Justiça...

Eunápolis: Uneb demite professor acusado de assediar alunas e docentes

Eunápolis: Uneb demite professor acusado de assediar alunas e...

Como Beyoncé permeou gêneros e revolucionou o mercado musical

Com 12 álbuns, entre estúdio, apresentações ao vivo e...

para lembrar

No abandonen a Brasil

La crisis política, económica e institucional está actuando como...

O livro “Quarto de Despejo” e suas questões jurídicas

Em uma conjuntura tão conturbada em nosso país, em...

Mulheres contra o golpe e em apoio a Dilma

Depois de receber o apoio de sindicalistas, movimentos sociais,...

Lei prevê que casais homoafetivos sejam incluídos em projetos sociais

Casais poderão alegar união estável em cadastros sociais e...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=