FAVELAS: Manifestações livres sobre qualquer assunto

Por Leno F. Silva

O que os filmes “Elefante branco” e “5 X Pacificação” têm em comum. Ambos retratam a situação dos moradores de favelas de grandes cidades. Enquanto o primeiro é uma obra de ficção argentina, filmada em Buenos Aires, o segundo é um documentário brasileiro que mostra diversos pontos de vista do cotidiano de algumas comunidades do Rio de Janeiro depois da implantação das Unidades de Polícia Pacificadora.

Muda a língua, a atmosfera, a geografia, mas o resto é exatamente igual: concentração de pobreza e miséria, condições precárias de moradia, descaso do poder público, truculência policial, disputa pelo comando do tráfico e jovens viciados no consumo das drogas ilícitas que perdem a vida muito cedo pelo confronto com gangues rivais na defesa dos seus territórios.

Se no documentário carioca o objetivo foi mostrar os prós e os contras das intervenções policiais articuladas pelo
Estado, as quais despertam, ainda, muita controvérsia, o trabalho ficcional dos nossos vizinhos portenhos destaca a forte atuação da igreja na tentativa de apaziguar os distintos tonéis de pólvora existentes em todos os lados e articular a construção de moradias melhores para o povo favelado.

Como produtos de comunicação, ambos merecem ser assistidos e debatidos, até porque os dois retratam um total
descaso das nossas sociedades em resolver esses problemas sociais que existem há décadas. Contudo, sabemos que o público dos cinemas pouco impacta na imagem e na busca de soluções efetivas para a transformação dessas realidades.

Principalmente no Brasil, se comparado, por exemplo, ao alcance da televisão, inexiste vontade política das emissoras majoritárias em criar programas e espaços jornalísticos construtivos imparciais, os quais abordem essa temática de maneira transversal, provocando e ouvindo os inúmeros agentes diretamente envolvidos com os problemas e com a busca de resoluções.

Vale ressaltar que na nossa nação as favelas estão espalhadas pelo país inteiro e são o retrato mais cruel do modelo
desenvolvimento excludente, concentrador de renda e de geração de injustiça social. Sair desse círculo vicioso é um grande de desafio para todos nós e uma responsabilidade do Estado e dos governos, como o vigente que tem o slogan “País rico é país sem miséria”. Por aqui, fico. Até a próxima.

Serviço:

Elefante branco, Espanha/Argentina, dirigido por Pablo Trapero, com Ricardo Darin, Jérémie Renier e Martina Gusman.

5 X Pacificação, Brasil, dirigido por Cadu Barcellos, Luciano Vidigal, Rodrigo Felha, Wagner Novais.

Ambos os filmes nos melhores cinemas.

+ sobre o tema

O avanço dos mandatos coletivos

A cidade com o maior Índice de Desenvolvimento Humano...

Chegou a hora do basta – por Sakamoto

No quarto dia de...

Pós-Obama, negros estão mais otimistas quanto ao futuro

Pesquisa divulgada ontem mostra também que a avaliação do...

para lembrar

Programas assistenciais representam 28% da renda dos mais pobres, diz IBGE

Os programas de transferência de renda, como o Bolsa...

‘Queria saber se meu cabelo é igual ao seu’, disse garoto a Obama

Fotógrafo conta história de foto em que menino toca...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=