Federação Israelita vai pedir que MP investigue casos de racismo e anti-semitismo no RS

Supostos crimes ocorreram durante o conflito na Faixa de Gaza

A Federação Israelita do Rio Grande do Sul vai entregar, na manhã desta terça-feira, ao Ministério Público, representação contendo denúncias de casos de anti-semitismo ocorridos no Estado durante o conflito entre Israel e o governo palestino, que terminou com um acordo de cessar fogo, na semana passada, na Faixa de Gaza. “Repudiamos o racismo e o anti-semitismo”, antecipou a entidade, em nota emitida hoje. Conforme o presidente da Federação, Mario Cardoni, o conflito gerou manifestações racistas e discriminatórias, “como poucas vezes se viu desde a Alemanha nazista”.

A FIRS espera que as denúncias sejam encaminhadas à Promotoria Criminal, para apuração de crime de injúria racial, conforme prevê o Código Penal Brasileiro. A entidade salientou, ainda, que historicamente, mantém a posição de não importar o conflito no Oriente Médio para o território brasileiro e, em especial, o Rio Grande do Sul. “Ao contrário, busca-se a exportação da convivência pacífica e harmoniosa que judeus e palestinos mantêm no território nacional”, finaliza a nota.

+ sobre o tema

Quando a polícia mata negros no Brasil e nos EUA

Duas pessoas negras na cena. Ambas alvejadas pelo racismo...

Partidos excluem negros de suas direções e patinam para mudar racismo estrutural

O debate sobre a importância de ampliar a participação...

Estudantes acusam professor da UFF de machismo e injúria racial

Duas alunas da Universidade Federal Fluminense (UFF) relatam ter...

para lembrar

Tamires Sampaio a primeira diretora negra do Centro Acadêmico do Mackenzie

Tamires Sampaio, que entrou na universidade pelo Prouni, afirma...

ENTREVISTA: Minha família enriqueceu com a escravidão

De uma carreira como intérprete profissional e professora universitária,...

Para entender o nosso racismo

Documentário da professora Ana Luiza Flauzina, uma das lideranças...

Nota de esclarecimento e repúdio quanto à suposta maldição sobre africanos e negros

  A Aliança Evangélica vem a público para repudiar o...
spot_imgspot_img

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...
-+=