“Feminismo é uma outra palavra para igualdade”, diz Malala Yousafzai à atriz Emma Watson

Em Londres, a atriz entrevistou a militante de direitos humanos, vencedora do Nobel da Paz de 2014, sobre o peso da palavra “feminismo” e ambas destacaram a importância do apoio de homens à luta por igualdade de direitos

no Revista Fórum

A atriz inglesa Emma Watson entrevistou a ativista paquistanesa Malala Yousafza após o lançamento do documentário “He Named Me Malala” (“Malala”, em português), no Into Film Festival, em Londres. Emma fez perguntas sobre a luta da paquistanesa contra o machismo. A ativista disse esperar que o documentário ajude a espalhar sua mensagem: “Este não é só um filme, é um movimento”.

Malala, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz 2014, ficou famosa por lutar para que as meninas pudessem frequentar a escola. Aos 15 anos, em 2012, ela levou um tiro na cabeça – um atentado por ter se colocado contra a forma de educação feminina do Talibã – mas conseguiu se recuperar e desde então não parou de lutar pela igualdade de direitos.

“Eu achava que ‘feminista’ era uma palavra traiçoeira. Eu me perguntava: será que sou feminista ou não?”, disse a ativista para Emma. E completou: “Mas depois depois de ouvir o seu discurso, eu decidi que não tem nada de errado em se considerar feminista”. O discurso a que Malala se refere foi feito no lançamento da campanha “He For She” (Ele Por Ela), criada por Emma Watson, que é embaixadora da boa vontade da agência ONU Mulheres desde julho de 2014. A campanha encoraja os homens a lutarem junto com as mulheres pela igualdade de direitos.

Na entrevista, Emma Watson também mencionou o grande papel do pai de Malala, Ziauddin, na vida da garota, e perguntou como ela se sente em relação a homens apoiando o feminismo. “Se nós queremos direitos iguais, os homens precisam se colocar na luta. Eles precisam dar apoio. Não adianta pensar que as coisas vão mudar de repente; nós todos temos que caminhar juntos, e essa é a estrada que meu pai percorre. Ele acredita na igualdade de direitos”, respondeu a ativista.

No Facebook, Emma Watson postou a conversa completa em um vídeo que já alcançou 35 mil compartilhamentos na rede. Na postagem, a atriz escreveu: “O momento mais emocionante de hoje foi ouvir Malala falando sobre feminismo (…). Talvez essa não seja a palavra mais fácil de usar, mas ela o fez mesmo assim”. Sobre a questão do apoio masculino ao feminismo, que tem sido bastante debatida nas redes sociais, Emma Watson considerou no post: “Tenho aprendido sobre as diferentes vertentes do movimento, mas todos temos os mesmos objetivos. Não vamos fazer do feminismo uma palavra assustadora. Quero fazê-lo um movimento acolhedor. Vamos dar as mãos para promover uma verdadeira mudança. Malala e eu estamos falando sério, precisamos de vocês”. Na entrevista, Malala concordou: “Eu sou uma feminista, e todos deveríamos ser feministas, porque feminismo é uma outra palavra para igualdade”.

+ sobre o tema

‘Confio totalmente na urna eletrônica’, diz primeira negra indicada ao TSE

A advogada baiana Vera Lúcia Santana de Araújo tornou-se...

Raquel Dodge quer ter acesso às investigações do caso Marielle

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, quer ter acesso...

para lembrar

Ancestralidade em Movimento

Quando nascemos, possuímos em nossos corpos a possibilidade de...

Geledés participa do Fórum do Feminismo Negro

O Fórum Global de Feminismos Negros 2024 está ocorrendo...

Maratona online promove edição de verbetes sobre artistas e feministas negras na Wikipédia

Com eventos bimestrais, a maratona Edit -a - thon Artes...
spot_imgspot_img

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...

Mais de 11 milhões de mulheres deixam o mercado de trabalho no Brasil

Pesquisa inédita do Centro de Pesquisa em Macroeconomia das Desigualdades (Made), da USP, sobre o custo da maternidade no Brasil mostra que 6,8 milhões...

Bebê nasce com o DNA dos dois pais no dia do combate à homofobia

Antonella nasceu em uma data simbólica e de resistência, 17 de maio, quando é celebrado o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia....
-+=