Fenômeno IZA fala de racismo e preconceito: ‘Me chamavam de churrasquinho’

Quando apareceu no palco Sunset ao lado de CeeLo Green no Rock in Rio, IZA — assim mesmo superlativa, em capslock — causou um furor. Muitos se perguntaram quem era aquela mulher de curvas sinuosas, voz potente, tranças esvoaçantes. Ao entrar numa escola particular e tradicional de Natal, no Rio Grande do Norte, aos 6 anos, Isabela causou estranhamento.

Por Carol Marques Do Extra

Muitos se questionaram quem era aquela menina espevitada, falante e… negra! “Eu era a única negra da escola e só percebi como isso afetava outras pessoas com o tempo. No Rio, eu já havia sido a única da turma. Era a diferente”, conta a cantora, o novo fenômeno pop do país.

Aos 27 anos, IZA vê em seu ofício mais do que cantar. “Tenho a chance de ser referência para muitas meninas negras como eu, posso oferecer representatividade e dizer a elas que podem ser quem quiserem”, avalia. Não é discurso pronto. Afinal, IZA sentiu na pele, sem fazer trocadilho barato, o peso do racismo. “O apelido que eu mais odiava era o de churrasquinho. Um dia perguntei à minha mãe por que as pessoas me olhavam no mercado. E ela dizia: ‘porque você é linda’”, recorda: “Essa bela autoestima foi primordial. Mas, claro, que tive minhas noias”.

Entre elas a de mudar os cabelos. “Alisei aos 12 anos. Minha mãe se rendeu e deixou. Eu não me achava atraente com o cabelo natural. Só fui beijar na boca com 17 anos”, justifica. Livre e empoderada, é essa IZA que hoje ganha cada vez mais seguidores (630 mil no Instagram), faz dez shows por mês entre outras apresentações, posa para editoriais e tem agenda cheia até abril de 2018.

Até três anos atrás, ela dava expediente numa agência de publicidade. Como muitos jovens de sua geração estava infeliz vendo a vida passar na urgência do futuro. Aprendeu a cantar em casa com a mãe, Isabel, professora de História da Arte e Música. Dali, migrou para os corais das igrejas católicas. Mas palco a travava. “Sempre fui extrovertida, a primeira a fazer tudo, representante de classe, mas subir num palco não era comigo”, confessa.

Cantava nas reuniões de amigos e eles não entendiam como ela ainda não vivia disso. Chutou o balde, avisou em casa e foi para o Youtube abrir seu canal mostrando covers. “Meus pais empre ma apoiaram, não precisava pagar as contas de casa, então, encarei”, recorda.

Na época, a ex-publicitária, filha única, morava com os pais em Olaria, onde nasceu e foi criada entre uma tempoarada e outra em estados diferentes por conta da profissão do pai, militar da Marinha. Uma semana após pedir demissão, veio a separação dos pais. “Foi uma época em que minha mãe teve que segurar muito a onda para eu seguir meu sonho”, diz.

As coisas foram acontecendo, a Isa virou IZA, ganhou empresário, um contrato com gravadora e estourou. Hoje, ela se vê como uma empresa, é inquieta e sabe que fama é passageira. “Detesto que puxem meu saco, que me tratem como diva”, avisa: “Sei de onde vim e prezo meus valores”.

Alguns prazeres do anonimato foram deixados para trás. “Amo ir ao Saara, me enfiar nas lojas, comprar caixinhas. Não dá mais para ir“, revela: “Sou muito pé no chão. Me blindo do deslumbramento, procuro ouvir o que realmente interessa. No mais, me protejo com a fé. Para onde vou levo meu terço e ando com a Bíblia na mala”.

+ sobre o tema

para lembrar

“Na sociedade brasileira há uma masculinidade bastante tóxica”

Amara Moira, 32, chega para a entrevista com um...

Casamentos de menores desafiam autoridades alemãs

Matrimônios precoces são fim abrupto da infância e violação...

O spray forense que está ajudando a combater violência contra a mulher

Um homem foi condenado e preso por violência doméstica...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=