Guest Post »

Fernando Holiday é chamado de ‘macaco de auditório’ por vereador na Câmara de SP

Vereador diz que acionará Ministério Público; Camilo Cristófaro (PSB) diz que não quis fazer ofensa racial

Por Guilherme Seto, da Folha de São Paulo

O vereador Fernando Holiday (DEM-SP), coordenador do MBL. (Foto: Bruno Santos/Folhapress)

O vereador Fernando Holiday (DEM), membro do Movimento Brasil Livre (MBL), foi chamado de “macaco de auditório” no plenário da Câmara Municipal nesta quinta-feira (5). O ataque partiu do vereador Camilo Cristófaro, do PSB.

“Gostaria de falar que lamentavelmente o senhor Fernando Holiday usa das redes sociais, que ele é o grande macaco de auditório das redes sociais, que ele usa dando risada dessa Casa, explodindo as redes sociais, porque a população adora ver sangue, maldade, mentira, fake, onde ele acusa os seus colegas de vagabundos”, disse Cristófaro.

Holiday disse que recorrerá à Corregedoria da Câmara e ao Ministério Público de São Paulo por entender que foi alvo de ofensa racista.

“O vereador tem a mania de fazer xingamentos pessoais e de baixo calão. Geralmente ele faz fora do microfone. Desta vez foi racista e ao microfone”, diz Holiday à Folha. Ele afirma que Cristófaro também teria dito que ele precisava “comer banana”.

A irritação de Cristófaro com Holiday começou na sexta-feira passada (30), quando o vereador do DEM disse que os membros do Legislativo não trabalham durante entrevista para o apresentador Danilo Gentili, do SBT. Nesta terça (4), ele repetiu a afirmação no plenário.

“Ele [Gentili] me perguntou: ‘Os vereadores na Câmara Municipal trabalham?’ Eu disse: ‘Não’. É uma triste realidade, mas a maioria dos vereadores não trabalham”, disse.

Os parlamentares presentes na sessão se revoltaram, e Holiday se exaltou. “Eu não estou voltando atrás na minha fala. Se vossas excelências querem que eu repita, eu repito: a maioria dos vereadores desta Casa não trabalham.”

À reportagem, Cristófaro afirma que não teve objetivo de fazer ofensa racial.

“Não vem me chamar de vagabundo. Para mim ele é macaca de auditório do Chacrinha, que só quer aparecer. Racista? Ele diz isso para aparecer. Tenho branco, preto, índio e japonês no meu gabinete. Isso é conversa para boi dormir”, diz Cristófaro, que desde terça tem declarado que vai pedir a cassação de Holiday. Segundo ele, o membro do MBL teria quebrado o decoro parlamentar ao dizer que os demais vereadores não trabalham.

Holiday diz acreditar que Cristófaro pode ter tido intenção também homofóbica ao se referir a ele como “macaca” à reportagem. O vereador do DEM é homossexual.

“Pode ter sido uma mistura de ofensas por eu ser gay e negro. No plenário ele me chamou de ‘macaco’, uma ofensa racista, que é grave por si só”, afirma.

Em sua passagem pela Câmara, Cristófaro tem acumulado polêmicas.

Em março de 2017, a então vereadora suplente Isa Penna (PSOL), eleita deputada estadual recentemente, relatou ter sido empurrada e xingada por Cristófaro.

Segundo Isa, ele a xingou de “vagabunda”, “terrorista”, “cocô de galinha” e insinuou ameaças dizendo que ela não deveria ficar surpresa se “tomar uns tapas na rua”.

Em seguida, já fora do elevador, Cristófaro se aproximou da colega de plenário e lhe deu “um empurrão de leve”, de acordo com ela.

Em novembro de 2017, Camilo entregou R$ 3.000 a um assessor político da secretaria municipal de Transportes da gestão João Doria (PSDB), que foi afastado do cargo e motivou a abertura de uma investigação pela Controladoria Geral do Município.

O dinheiro foi levado pelo até então assessor político Elizeu Lopes ao gabinete do então titular da pasta, Sérgio Avelleda, que, “ao tomar contato com a embalagem, acionou imediatamente a polícia” e determinou ainda que ninguém deixasse a sala.

Cristófaro mantém-se no cargo devido a uma decisão liminar da Presidência do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Ele teve o mandato cassado em junho de 2018 por fraude eleitoral na captação de recursos de campanha.

Investigação feita pela Justiça eleitoral constatou que R$ 6 mil foram repassados para sua campanha por uma idosa de mais de 80 anos, moradora de Jundiaí, que não teria recursos para fazer tal doação.

Político de direita, ligado ao MBL, Holiday costuma ser antagônico a posições consolidadas do movimento negro. Ele é contra cotas raciais e o dia da Consciência Negra, por exemplo.

Em 2018, foi chamado de “capitãozinho do mato” por Ciro Gomes (PDT), que em fevereiro foi condenado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo a pagar a ele R$ 38 mil de indenização por danos morais.

Related posts