Festival Salvador Capital Afro abre inscrições para projetos audiovisuais e musicais

Artistas, produtores, diretores e roteiristas negros que produzem conteúdos para os segmentos do audiovisual e música já podem se inscrever, a partir desta quinta-feira, 27, para participar das Rodadas de Negócios do Festival Salvador Capital Afro – iniciativa de fortalecimento e projeção do afroturismo, empreendedorismo, artes e cultura negra na cidade. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do link https://salvadordabahia.com/capitalafro/, até o dia 03 de novembro.

Sob o argumento ‘Conectar para potencializar’, serão selecionados 50 afroempreendedores moradores de Salvador de cada segmento. Eles terão oportunidade de apresentar seus projetos a empresas nacionais e internacionais, como produtoras, canais de TV e streaming, no caso de audiovisual, e curadores, produtores e realizadores de festivais, no caso da música.

Com o propósito de fortalecer o elo com o mercado criativo soteropolitano, o segmento audiovisual, que terá como articuladores o produtor, cofundador da Portátil e da Diáspora Conecta, Emerson Dindo e Gabriel Pires, produtor executivo e coordenador geral do NordesteLAB, se propõe a criar conexões que estimulem o desenvolvimento e a comercialização de conteúdos audiovisuais produzidos em Salvador. 

Já a categoria musical tem como eixo de atuação a promoção de ações, artistas e fazedores locais e, além de Rodada de Negócios, ainda contará com 15 showcases, em que artistas poderão apresentar seus trabalhos para o público e para players do mercado musical. Integram o grupo curatorial cinco agentes da diversidade musical espelhada na cidade: a jornalista Camila França, o DJ Branco, a produtora Edmilia Barros, o músico e pesquisador Fabrício Mota e o músico e produtor Vince Athayde. 

Sobre o Festival 

Considerado um grande marco do Salvador Capital Afro –  Movimento que busca projetar a cidade como destino em referência nacional e internacional no turismo afro -, o festival será totalmente gratuito e está previsto para acontecer de 30 de novembro a 4 de dezembro, no Centro Histórico. O evento reunirá diversas atividades voltadas para valorização e fomento da economia criativa preta da cidade, assim como para estímulo ao desenvolvimento de políticas públicas necessárias para o posicionamento de Salvador como uma cidade antirracista. 

Apontado como um ecossistema capaz de reunir uma diversidade de público e interesses, por meio de quatro pilares – político, econômico, educacional e cultural – o evento também é visto como uma base de transformação social, cujo foco é capacitar pessoas, mobilizar negócios e envolver, de forma atrativa, toda a cadeia de afroempreendedores, gerando lucro e renda para esse público, bem como a sociedade de modo geral. 

A iniciativa é da Prefeitura Municipal de Salvador, através da Secretaria de Cultura e Turismo, no âmbito do PRODETUR Salvador, em parceria com a Secretaria da Reparação. O projeto tem financiamento do BID – Banco Interamericano de Desenvolvimento e é mais uma ação implementada do Plano de Desenvolvimento do Turismo Afro em Salvador.

+ sobre o tema

Médicos preferem que Mandela permaneça internado

  Os médicos do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela não têm...

Escravos na Justiça

Entre as várias preciosidades do Arquivo Nacional do Rio...

Racismo y Exclusión en RCN Televisión

Fonte: Mujeres Afro -     El Movimiento...

para lembrar

Apresentadora Oprah Winfrey fecha rede de caridade nos Estados Unidos

A organização de caridade de Oprah Winfrey, Angel Network,...

Para não esquecer

A polêmica sobre a intenção de se criar um...
spot_imgspot_img

Spcine marca presença no Festival de Cinema de Cannes 2024 com ações especiais

A Spcine participa Marché du Film, evento de mercado do Festival de Cinema de Cannes  2024 e um dos mais renomados e influentes da...

Brasileiro dirige único teatro negro da Alemanha

"Ainda tenho um milhão de coisas para fazer", diz Wagner Carvalho, diretor artístico do teatro Ballhaus Naunynstrasse em Berlim, poucas horas antes da estreia da noite. Wagner não...

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...
-+=