Filme francês que debocha de clichês racistas bate recorde de bilheteria

Cíntia Cardoso

O roteiro é simples. Um casal francês conservador e algo preconceituoso tem quatro filhas. E, na hora do casamento, todas se casam com homens de origem estrangeira. O filme, que poderia ser apenas mais uma comédia engraçadinha, porém, seduziu o público francês e bate recordes de bilheteria no país.

Após três semanas em cartaz, a comédia « Qu’est-ce qu’on a fait au Bon Dieu? » (que mal fizemos a Deus, em uma tradução livre) já levou quase 5 milhões de pessoas aos cinemas na França. No final de semana passado, o filme ficou em 8° lugar na lista do Rentrak, um ranking mundial que classifica as maiores receitas de vendas de ingresso. No total, as bilheterias francesas no último sábado e domingo arrecadaram US$ 11 milhões, o que coloca a comédia do diretor Philippe de Chauveron atrás apenas das grandes produções de Hollywood como “Divergent”.

Com o número cada vez maior de espectadores, o filme já é comparável ao “Fabuloso Destino de Amélie Poulain” e “Intocáveis” que também ganharam destaque no exterior.

 

Críticas

Para os críticos de cinema, o sucesso dessa comédia se deve, principalmente, pela propaganda ‘boca a boca’ e pelo lançamento oportuno que coincidiu com as férias de Páscoa do calendário francês.

Mas, se o público se mostra entusiasmado com a história da família Verneuil e suas quatro filhas que escolheram um judeu, um árabe, um africano e um chinês para se casarem, a crítica se mostra menos receptiva.

Para o jornal Le Monde, « Por trás da mensagem de tolerância que o filme pretende passar (…), existe alguma coisa mais ambígua, algo que é engraçado, mas que, de alguma maneira, banaliza talvez não o racismo, mas as piadas de cunho racista”, escreve Franck Nouchi. Para a revista Télérama, que é especializada em cinema e televisão, o filme “explora os clichês que queria denunciar”.

Retorno de Christian Clavier

Já a seção de cinema da revista Nouvel Observateur elogia a produção. A publicação diz que o roteiro é “bem amarrado” e com uma “grande riqueza de personagens” e de “variações rítmicas”. A atuação do ator Christian Clavier é considerada “impagável” na representação da “velha França mesquinha e amarga”.

A comédia marca, aliás, um retorno triunfal de Clavier, 62. Extremamente popular na França, o ator amargou uma série de fracassos nas telas nos últimos anos. Muitos atribuem essa má fase do ator à sua amizade com o ex-presidente Nicolas Sarkozy.

Críticas à parte, o sucesso também pode refletir um fenômeno de certa identificação do público francês com as peripécias familiares encenadas na comédia. No país, segundo estatísticas oficiais, cerca de 11% dos casamentos têm um dos cônjuges de origem estrangeira.

 

 

 

Fonte: RFI

+ sobre o tema

Com iniciativa Global Gateway, UE apoia o Brasil no combate às desigualdades no mundo

A presidência brasileira do G20 fez do combate à fome, à...

Kamala Harris diz que está ‘honrada’ com apoio de Biden e que pretende ‘merecer e ganhar’ candidatura democrata

A vice-presidente Kamala Harris disse em uma declaração neste domingo que...

Biden desiste de reeleição após pressão e anuncia apoio a Kamala Harris

Após pressão de democratas, o presidente dos Estados Unidos, Joe...

para lembrar

Barroso restabelece mandato de Renato Freitas e anula ato que decretou cassação

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal...

Temer e Terceirização: Empresários batem palmas, trabalhadores pagam o pato

Esta notícia é para você, caro amigo trabalhador, cara...

Os uberizados brasileiros voltam à luta

Vítimas de uma onda de assaltos e assassinatos, eles...

04/Julho – Ed Motta na Praça Dom José Gaspar

Fonte: Viva o Centro - No próximo sábado (4/6),...

Para cumprir os ODS, o Estado brasileiro precisa parar de matar pessoas negras

Em um período de dez anos (2012-2022), o Brasil registrou o assassinato de 445.442 pessoas negras. De acordo com o Atlas da Violência de...

Coalizão de entidades lança campanha por mais negros nos parlamentos

A Coalizão Negra por Direitos, que reúne mais de 200 entidades, dará início à campanha “Quilombo nos Parlamentos Eleições 2024”. O lançamento acontece na...

Kenarik Boujikian é nomeada para a Secretaria Nacional de Diálogos Sociais da Presidência

A desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) Kenarik Boujikian foi nomeada nesta sexta-feira (21) para o comando da Secretaria Nacional de Diálogos Sociais e...
-+=