Fundação Ford nomeia Atila Roque como representante de seu escritório no Brasil

A Fundação Ford anunciou hoje a nomeação de Atila Roque como diretor de seu escritório no Brasil, baseado no Rio de Janeiro. Roque, líder proeminente da sociedade civil, será o sucessor de Nilcéa Freire, que deixou a Fundação em maio de 2016.

no Ford Foundation

Atualmente, Roque é diretor executivo da Anistia Internacional Brasil. À frente da organização, liderou a implantação de uma estratégia de direitos humanos de abrangência nacional em um período em que toda a organização passava por um importante processo de reestruturação e de fortalecimento de sua presença no mundo, especialmente em países em desenvolvimento. Roque é uma das principais referências da sociedade civil no Brasil no debate sobre direitos humanos, desigualdades e desenvolvimento social.

Anteriormente, Roque foi diretor do Instituto de Estudos Socioeconômicos (INESC), que realiza análises e acompanha políticas públicas à luz do orçamento, além de pesquisas sobre desigualdades, discriminação de gênero e justiça racial. Ele foi diretor executivo da ActionAid International USA em Washington D.C. e, ao longo de 17 anos, ocupou diferentes cargos no IBASE, uma das mais importantes ONGs do Brasil. Roque também foi diretor da Associação Brasileira de ONGs e coordenador no Brasil do Social Watch.

Por três anos, Roque foi pesquisador visitante no Pacific-Asia Research Center, em Tóquio, no Japão, onde estudou o impacto socioambiental dos investimentos japoneses no Brasil. Ele também foi professor convidado no Instituto Rio Branco do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, onde deu aulas de política externa e sociedade civil.

“Atila é uma voz forte e um defensor da justiça e da igualdade. Temos muita sorte de tê-lo à frente da Fundação no Brasil,” diz Darren Walker, presidente da Fundação Ford. “Ele tem uma imensa experiência na construção de relações fortes com vários parceiros, com o intuito de impactar e melhorar vidas, e trará uma força especial aos nossos esforços em prol da justiça racial no país.”

O trabalho da Fundação no Brasil tem o objetivo de enfrentar a desigualdade em todas as suas formas, incluindo a econômica, a política e a social. Com décadas de experiência na sociedade civil, tanto no Brasil quanto no exterior, Roque tem legitimidade e autoridade para liderar a Fundação Ford no Brasil.

“É uma honra ocupar este cargo que me foi confiado em um momento tão crucial para o Brasil”, diz Roque. “Acredito que a Fundação Ford desempenha um papel importante na luta pela justiça social e pela igualdade. Assumo aqui o compromisso de trabalhar em cooperação com os outros, buscando explorar estratégias de doações inovadoras e sustentáveis que reforcem a cultura de direitos em toda a nossa sociedade.”

Roque é bacharel em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e mestre em Ciências Políticas pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ). Ele é membro dos conselhos diretores da International Budget Partnership, da Just Associates e do Greenpeace Brasil. Ele também é diretor do Fundo Brasil de Direitos Humanos.

Roque, que foi escolhido em meio a uma ampla concorrência internacional, assumirá o cargo em 9 de janeiro de 2017.

+ sobre o tema

Preto e dinheiro são palavras rivais???

Por Bruno Rico Do Afro21 Precisamos aprender a reconhecer algo histórico,...

“Para branco sempre tem espaço”, diz Vovô do Ilê sobre dívida do bloco afro

Bloco passa por momento complicado, com dívidas que chegam...

para lembrar

spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=