Funk, Racismo e Periferia: Fica ligado que contagiante não é só a batida, mas também o instrumento de luta

Vez ou outra vemos ressurgir, sobretudo nos espaços de militância, a eterna discussão classista e elitista: “Mas, o Funk é cultura?” e ficamos sempre atordoado com a quantidade de indagações que são criadas como alternativas de resposta para a deslegitmação de algo que vai bem além do “tchugudchugudá” e dos “ding dins”.

no Coletivo Enegrecer

Então, “cola” aqui que vamos fazer uma viagem no tempo e trocar uma ideia da importância do Funk pra negritude e o quanto é um instrumento imprescindível na luta contra o racismo.

A partir dos anos 70, os tradicionais bailes blacks chegaram ao Brasil, em especial no Rio de Janeiro, como uma das culturas mais difundidas pelos artistas norte-americanos, embalados pela “soul music” e influenciados pelas experiências de organização de espaços, em que negros e negras se reuniam, colocavam em dia seus assuntos, vivências e perspectivas de vida. Passamos a enxergar então que tais bailes se reproduziram ao longo do país, mas no caso do Rio de Janeiro com uma roupagem diferente: o ambiente geográfico.

Com a abolição da escravatura e, posteriormente, a derrubada dos cortiços no centro da cidade, o Rio de Janeiro sofreu grandes transformações urbanas ao longo das últimas décadas, que culminaram nos processos de remoção, periferização e favelização da população negra. A falha na prestação dos serviços que deveriam garantir condições mínimas de qualidade de vida e preservar a dignidade da pessoa humana, por parte do Estado, deixaram um vácuo o que deu ao Funk espaço para se consolidar não apenas como uma música, mas como instrumento de expressão e uma “válvula de escape” do cotidiano dos morros cariocas.

“Mas o Funk promove opressões também” – Sim, promove sim. Promove porque as pessoas que cantam o Funk, também, compõem uma sociedade capitalista que em sua estrutura é fincada no patriarcado como referência inicial e matriz da construção das relações.

No entanto, reduzir o Funk apenas a um estilo musical machista e opressor é desconsiderar todas as possibilidades de ascensão social, criações coletivas, construção de uma identidade, amor pelas comunidades que  vivem, demonstrações de afeto pela “rainha do baile”, pela morte do amigo ou pela denúncia das mazelas sociais, a roteirização de um espaço esquecido, abandonado e fadado a autodestruição.

Assim como, reduzir o protagonismo tão importante das cantoras e Mc’s como: Tati Quebra-Barraco, Deyse da Injeção, Mc Marcelly, Sabrina e Valesca Popozuda que por meio do Funk conseguem dialogar com grande parte das mulheres negras que vivem em periferia, fazendo dessas mulheres protagonistas de suas histórias e mostrando a forma como lidam com a dor de ser mulher em uma sociedade machista e patriarcal.

“Mas o Funk enaltece a figura do traficante e as organizações criminosas” – Já se perguntou porque a estrutura da facção criminosa é mais deslumbrada que os cargos de primeiro escalão de um governo? Sim, ao fazer parte do narcotráfico esses indivíduos passam a ter voz, poder, chance de intervenção direta na construção de algo em que acreditam. Isso é bom? Não! Definitivamente, não! Mas, será que estamos problematizando e reinvertendo bem  a lógica da pirâmide?

E é claro que a figura do traficante será enaltecida nas periferias, é ele quem castiga sendo ele, também, quem distribui o remédio da vizinha que não foi fornecido pelo Estado e com o qual ela não tinha condições de arcar. É o herói e o anti-herói que caminham lado a lado, faces da mesma moeda. Isso só acontece pela ausência do Estado, durante todo processo de estrutução das relações sociais dentro de cada comunidade, favela. A ausência do Estado legítimo para a sociedade em geral, possibilitou o surgimento de um Poder Paralelo que se organiza sobre as relações de poder ditadas pelo dia a dia e realidade daqueles que vivem nesses espaços.

Compreendendo isso, nós militantes que nos colocamos na esquerda, acreditamos que para a construção de um novo mundo é necessário o combate as opressões como o machismo e homofobia, porém tal objetivo não deve seguir silenciando a voz de um grupo, tradicionalmente, oprimido pelas estrutura do capital.

Quando pensamos em resignificar o Funk, dizendo àqueles e aquelas que produzem essa expressão cultural em suas várias frentes, MCs, DJs, dançarinxs, como forma de resistência e “válvula de escape” para suas mazelas cotidianas, não servem para a construção dessa nova sociedade, para o asfalto. Resignificar o Funk para utilizá-lo  como instrumento de luta de outro grupo oprimido, é apropriar-se desta cultura fazendo silenciar toda a sua história, mantendo-o a margem da sociedade.

Não há dúvidas de que o debate a cerca das opressões deve ser ampliado, tal qual a naturalização em diversos espaços de nossa sociedade, porém temos que compreender e dialogar com as mais diversas formas de organização da juventude, seja entre os movimentos tradicionais e seus espaços de disputa convencionais, mas principalmente se abrir e dialogar com os movimentos culturais como o Funk, os quais se organizam de forma não tradicional, e estão disputando os rumos da sociedade em outros espaços.

O Funk não reproduzirá a opressão, a partir do momento em que tivermos uma hegemonia social que estabeleça novas relações entre os individuos que compõem nossa sociedade. O Funk é uma expressão cultural de protagonismo da juventude negra e da representação do seu cotidiano.

O Funk dá voz à periferia, a qual sempre é deixada à margem do espaços de debate e construção da sociedade, mas faz questão de mostrar sua força, seja “Na Praça da Play-Boy ou em Niterói, Na Fazenda Chumbada ou No Coez, Quitungo, Guaporé, nos locais do Jacaré, Taquara, Furna e Faz-quem-que. Barata, Cidade de Deus, Borel e a Gambá, Marechal, Urucânia, Irajá, Cosmorana, Guadalupe, Sangue-areia e Pombal, Vigário Geral, Rocinha e Vidigal. Coronel, Mutuapira, Itaguai e Sacy. Andaraí, Iriri, Salgueiro, Cariri, Engenho Novo Gramacho, Méier, Inhaúna, Arará, Vila Aliança, Mineira, Magueira e a Vintém. Na Posse e Madureira, Nilópolis, Xerém Ou em qualquer lugar…” e de cantar nosso sonho de viver em uma sociedade livre de opressões.

+ sobre o tema

Coalizão de entidades lança campanha por mais negros nos parlamentos

A Coalizão Negra por Direitos, que reúne mais de...

Kenarik Boujikian é nomeada para a Secretaria Nacional de Diálogos Sociais da Presidência

A desembargadora aposentada do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) Kenarik...

Precarização do trabalho rural impacta mais pessoas negras e mulheres

Um relatório da Oxfam Brasil indica que mulheres e pessoas negras...

Em Ceilândia, Anielle Franco anuncia R$ 1,6 milhão para organizações

A ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, anunciou, nesta...

para lembrar

Ressurreição da esquerda na ditadura. A vida ensina. A gente aprende?

Ao longo dos últimos 30 anos, refluiu o ativismo...

A ocupação da Seppir por Luíza Bairros significa um novo tempo?

Por: Fátima Oliveira   Leio a indicação da socióloga Luíza Bairros...

Veja o que abre e o que fecha em SP no feriado do Dia do Servidor Público

Bancos e parques municipais ficam abertos nos horários habituais...

OABRJ levará absolvição dos policiais no caso João Pedro ao STF

A Ordem dos Advogados do Brasil do Rio de Janeiro (OABRJ) levará o caso da absolvição dos policiais na morte do jovem João Pedro...

O grande bazar de direitos

Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, declarou nesta semana estar "muito entusiasmado com a iniciativa do STF  de, ao invés de simplesmente decidir pela inconstitucionalidade daquilo que...

Mães de vítimas da violência policial em SP, RJ e BA vão à Comissão Interamericana de Direitos Humanos denunciar o Estado brasileiro

Representantes de movimentos de mães de vítimas da violência do Estado e organizações de direitos humanos como Anistia Internacional, Conectas Direitos Humanos, Instituto Vladimir...
-+=