Fuvest poderá deixar de ser a única porta de entrada para USP

A USP, principal universidade do país, vai mudar a seleção de novos alunos até 2016. O objetivo é que a prova da Fuvest deixe de ser a única entrada na instituição.

As novas formas de ingresso ainda não estão definidas.

De acordo com a Pró-Reitoria de Graduação da instituição, isso deve ocorrer até março de 2015. A decisão final sobre o processo caberá ao Conselho Universitário.

Entre os caminhos estudados para ampliar o acesso à instituição estão o uso do Enem (exame federal), o sistema de cotas e até a busca de talentos com “olheiros” em escolas e competições científicas, a exemplo das universidades estrangeiras.

“Acredito muito na busca por talentos. Vejo muito aluno bom, preparado, que participa de olimpíadas esportivas ou de física, mas que nem chega a prestar o vestibular. É uma perda”, afirma o pró-reitor de graduação,
Antônio Carlos Hernandez.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o convite ao aluno considerado um talento é feito em forma de bolsa.

Para a presidente do Conselho Estadual de Educação, Guiomar Namo de Mello, se a universidade implantar essa política de seleção, o exame de entrada deverá ser o mesmo para todos.

“Existem vários caminhos, como o vestibular seriado. É preciso que haja um critério”, afirma. De acordo com o Ministério da Educação, pela legislação, as universidades têm autonomia para definir seu processo
seletivo.

Para frei Davi Santos Franciscano, diretor-executivo da Educafro, organização que luta pela inclusão negra, a USP demorou para mudar.

“São 80 anos de colonialismo e de exclusão do pobre, do negro e do indígena.” Para ele, a iniciativa deveria valer já para 2015.

INCLUSÃO

A mudança foi sinalizada nesta quinta-feira (5) pela universidade, que também anunciou mudanças no sistema de bônus para candidatos egressos de escolas públicas, chamado Inclusp (Programa de Inclusão Social).

A meta estipulada pelo governo do Estado é de que, até 2016, a universidade tenha 50% dos seus matriculados vindos do ensino público.

Em 2014, só 32,3% dos matriculados na USP era de escolas públicas. Em medicina, esse índice foi de 41,2% e, no de engenharia, de 22,5%.

Com a nova bonificação que passa a valer já para 2015, todos os candidatos de escola pública que fizerem no mínimo 30% da prova (27 questões corretas) receberão a bonificação completa, que pode variar de 12% até 25%.

A nota de corte será estipulada após a aplicação do bônus. Simulação da Fuvest estima que ela deve subir de um a dois pontos, em média.

“Dessa maneira, você considera aquilo que o conselho acredita ser o fundamental na seleção, que é o mérito do aluno”, diz Hernandez.

Com a adoção do bônus, a universidade espera que em 2015 até 38% dos seus alunos venham do ensino público.

Fonte: Folha de São Paulo

+ sobre o tema

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe...

Por que ser antirracista é tão importante na luta contra a opressão racial?

O Laboratório de Estudos de Gênero e História, da...

Caixa lança edital de concurso com 3,2 mil vagas para técnicos

A Caixa Econômica Federal publicou nesta quinta-feira (22), no...

Depois de um carnaval quente, é hora de pensar em adaptação climática

Escrevo esta coluna, atrasada, em uma terça-feira de carnaval. A...

para lembrar

Economista francês, Thomas Piketty vive dia de celebridade na USP

Palestra com acadêmico que dá aula no MIT lota...

USP é a 38ª melhor universidade do mundo, segundo ranking Webometrics

A USP (Universidade de São Paulo) é a 38ª...

Diretor da Medicina da USP pede investigação sobre racismo em competição

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de...

USP abre vagas em especialização gratuita com aulas a distância

Podem se inscrever as pessoas com graduação em Oceanografia,...
spot_imgspot_img

Não entraria em avião pilotado por cotista?

"Responda com sinceridade, leitor. Você entraria confortavelmente num avião conduzido por alguém que, pelo fato de pertencer à minoria desfavorecida, recebeu um empurrãozinho na...

Avaliação de mérito acadêmico, ações afirmativas e os 90 anos da USP

Alguns consideram que a fonte para a implementação de ações afirmativas nas universidades estadunidenses tenha sido a teoria da justiça de John Rawls. Eu...

USP oferece mais de 4 mil vagas em cursos gratuitos para público 60+

O programa USP 60+ completa 30 anos de sua criação e está com as inscrições abertas para o primeiro semestre de 2024. A abertura de vagas se...
-+=