Gás lacrimogêneo usado pela PM pode ter contribuído para morte de manifestante no Rio

Fernandão, que já tinha problemas respiratórios, sofreu uma crise após participar de um protesto contra Sérgio Cabral; manifestação foi reprimida com uso excessivos de bombas

por José Francisco Neto,

O ator e cantor Fernando Silva (Fernandão), um dos fundadores do Cinema de Guerrilha da Baixada, faleceu na quarta-feira (31) após passar mais de um mês internado no Hospital Albert Sabin, no Rio de Janeiro, devido à problemas respiratórios. Fernandão foi internado quatro dias depois de participar do ato contra o governador do Rio, Sérgio Cabral, no dia 20 de junho. Nesse dia, a polícia militar utilizou forte aparato contra os manifestantes, com bombas de gás lacrimogêneo. Algumas cápsulas, encontradas no local, estavam com data de validade vencida.

Dezenas de manifestantes ficaram feridos e tiveram que ser socorridos devido ao excesso de gás que foi lançado pela polícia. Fernandão também passou mal. Chegou a ser retirado por amigos que estavam junto com ele no local, por causa de uma forte nuvem de gás que impregnou o ambiente.

Desde então, Fernandão teve dores fortes no peito e tosse crônica, motivos que o levaram para a internação. “Eu também peguei uma pneumonia depois disso. Muita coincidência ele ter sido internado logo depois de ter acontecido tudo isso. Ele já tinha problemas respiratórios, mas não tinha crises há muito tempo”, revela Vitor Gracciano, um dos fundadores do Cinema de Guerrilha da Baixada que também participou do ato do dia 20 de junho.

Em vídeo divulgado na internet, Fernandão, ainda internado, afirma que a polícia agiu de forma excessiva. “Eu fui lá protestar, aí aquele Cabral lá, com a polícia, esculachou a gente. Fui fazer um protesto pacífico, eles atacaram bomba, pimenta, aí eu passei muito mal e tive que ser internado.”

Brasil de Fato tentou entrar em contato com o Hospital Albert Sabin para questionar as causas que levaram Fernandão a ter problemas respiratórios, mas não obteve retorno até o fechamento dessa matéria.

Fernandão foi um dos fundadores do Cinema de Guerrilha da Baixada, que une cineastas de São João de Meriti para dar oficinas a jovens da periferia e produzir filmes com poucos recursos.

Fonte: Brasil de Fato

+ sobre o tema

Marine Le Pen foi a comício anti-racismo

  Foi a uma manifestação contra o racismo, mas fez...

Racismo e misoginia teriam motivado autores de massacres nos EUA

Um deles foi motivado pelo ódio aos imigrantes e...

Preto no Branco *

Esse pequeno texto aborda algumas questões, perguntas e...

Pastores pentenconstal tocam fogo em templos indigena no Brasil

Pastores pentenconstal tocam fogo em templos indigena no Brasil....

para lembrar

TJ-SP confirma condenação de réus por atos racistas contra Maju Coutinho

Por vislumbrar a prática de discriminação, a 13ª Câmara de Direito...

Como foi estar na aula de Angela Davis sobre humanidade?

O plano inicial era redigir este texto em formato...

O lugar dos sujeitos brancos na luta antirracista

Este artigo propõe a necessidade de maior engajamento de...

Ataques racistas voltam a acontecer na UFABC

É a segunda pichação em duas semanas; alunos afirmam que universidade...
spot_imgspot_img

Caça aos livros

Está aberta a temporada de caça aos livros no Brasil! Mas atenção. A perseguição restringe-se à indicação pedagógica de certas obras capazes de promover o debate e a...

Debate racial ficou sensível, mas menos sofisticado, diz autor de ‘Ficção Americana’

De repente, pessoas brancas começam a ser degoladas brutalmente com arame farpado. O principal suspeito é um homem negro que sempre está na cena...

Universidade, excelência e compromisso social

Em artigo publicado pelo jornal O Estado de S. Paulo, no dia 15 de junho, o professor de literatura geral e comparada da Unicamp, Marcos...
-+=