Gaultier e modelo com saia de bananas: Outro debate sobre racismo

Virou polêmica nas redes sociais o registro do estilista Jean Paul Gaultier, que foi homenageado, nesse domingo (16/10), com uma festa em Santa Teresa, ao lado da modelo e atriz Maíra, que interpretou, numa dança, vestida com uma saia de bananas e com os seios nus, Josephine Baker.

Por Marcia Bahia Do Lu Lacerda

gautier2

cobrimos o seios da modelo porque alguns usuários se sentiram incomodados com a nudez e não com as bananas

Não foram poucos os que viram racismo na imagem, o que deixou a produtora da noite, Malu Barreto, perplexa. “Minha intenção foi fazer uma conexão com a identidade do perfume e, a pedido de Gaultier, com a cidade do Rio. Busquei associar a festa ao filme “Querelle” e ao cais do porto carioca, e então, surgiu a ideia de homenagear Josephine Baker, que veio de transatlântico para a cidade em 1929 e, por aqui, fez uma de suas primeiras performances.

Preconceituoso é quem vê problema num branco do lado de uma negra, o Jean Paul Gaultier é um amor de pessoa, a menina é uma graça. Sugiro que essas pessoas perguntem à modelo o que ela acha. Ela estava muito feliz, adorou ter dançado”.

venus-negra

Para o jornalista e pesquisador Vagner Fernandes, “Josephine Baker lançou mão dessa indumentária em meados da década de 1920 em um espetáculo para tratar de questões relacionadas a gênero e etnia. Ela foi protagonista dessa produção. Há uma grande diferença em se posicionar com um figurino de forma consciente, para gritar contra o racismo e a erotização feminina, e servir de figurante em uma festa de lançamento de perfume de um fashion designer francês. Beyoncé também usou uma saia de bananas. É uma celebridade, que usou a imagem também para promover um debate em torno da grave questão de conflito étnico que assola os Estados Unidos”.

A postagem de Vagner, aliás, foi bloqueada minutos depois pelo Facebook, mas a imagem de Gaultier e Maíra continua em outras páginas. “Veja bem que situação nos encontramos: há intolerância e racismo até quando se questiona publicamente em uma rede social o registro de uma cena questionável e perturbadora aos negros”.

leia também

A Vênus Negra, a “mulata exportação” e o corpo da mulher negra na sociedade do espetáculo 

A bananização do racismo – por Ana Maria Gonçalves 

A beleza de Lupita Nyong’o e as bananas do Neymar: deslizamentos ou deslocamentos discursivos em torno do racismo?

Entregadores receberam bananas pelo Dia da Consciência Negra 

+ sobre o tema

Racismo americano x racismo brasileiro

Na mais recente lista de celebridades mais bem vestidas...

Conar pede retirada de campanha de lingerie em favela pacificada

Conselho decidiu pela suspensão após reclamações de consumidores.Campanha foi...

Anúncio com Ashton Kutcher acusado de racismo

O novo anúncio com Ashton Kutcher para a empresa...

para lembrar

Nem seu cabelo, nem seu turbante vão te livrar do racismo

Eu sou uma entusiasta do empoderamento estético há anos....

Assassinatos de jovens equivalem a 3,5 chacinas da Candelária por dia

O Brasil registrou 10.136 assassinatos de jovens entre 11...

La Eurocámara pide una estratégia global contra el racismo y la xenofobia

La Eurocámara pidió hoy a la Comisión Europea...

Nike britânica é acusada de racismo e apologia à violência

Campanha da marca em Londres sofreu críticas por trazer...
spot_imgspot_img

Nem a tragédia está imune ao racismo

Uma das marcas do Brasil já foi cantada de diferentes formas, mas ficou muito conhecida pelo verso de Jorge Ben: "um país tropical, abençoado...

Futuro está em construção no Rio Grande do Sul

Não é demais repetir nem insistir. A tragédia socioclimática que colapsou o Rio Grande do Sul é inédita em intensidade, tamanho, duração. Nunca, de...

Kelly Rowland abre motivo de discussão com segurança em Cannes: ‘Tenho limites’

Kelly Rowland falou à imprensa sobre a discussão que teve com uma segurança no tapete vermelho do Festival de Cannes durante essa semana. A cantora compartilhou seu...
-+=