Geledés Instituto da Mulher Negra lança último episódio de ‘Racismo e Bullying: Como proteger jovens negras?’

Artigo produzido por Redação de Geledés

Chegamos ao nosso último episódio de ‘Racismo e Bullying: Como proteger jovens negras?’

De acordo com Ministério da Saúde, a cada 10 adolescentes que tiram a própria vida, seis são negros. Falar sobre a saúde mental de jovens negras é fundamental e precisa ser pautado cada vez mais nos espaços escolares e virtuais.

Para falar sobre o tema, nossa personagem Guta conversou com a educadora Clélia Rosa e com Juliana Cunha, representante da SaferNet Brasil.

A série foi concebida por Geledés, com apoio da SaferNet e do Instagram (@instagram).

 

 

Sobre o projeto

Geledés – Instituto da Mulher Negra, anuncia, com apoio da SaferNet, ONG referência na defesa e na promoção dos direitos humanos na internet, e do Instagram, o lançamento de ‘Racismo e Bullying: Como proteger jovens negras?’,  uma nova série de animação sobre as formas de discriminação que jovens negras sofrem e o impacto em suas vidas. A série está disponível no canal do IGTV do @portalgeledes .

Com o objetivo de educar e fomentar a discussão sobre o tema, a série, ilustrada por Bruna Bandeira, dirigida por Day Rodrigues e produzida pela agência Mutato, será protagonizada por Guta, uma menina negra de 13 anos que sonha em ser cineasta e guiará conversas com diferentes especialistas sobre como combater bullying e racismo, além de oferecer dicas de como meninas negras podem se proteger no Instagram e ter uma experiência mais segura e positiva na rede.

Sabemos que as agressões se estendem para a vida escolar e em suas trajetórias de vida, evidenciando a estrutura racista presente na vida de pessoas negras desde muito cedo. Por isso, tomamos iniciativas educativas, como esta série, para abordar o tema e informar jovens e meninas negras das opções que existem para que elas se protejam no ambiente online”, comenta Natália Carneiro, Analista de Comunicação do Geledés.

De acordo com o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br), o principal motivo discriminação sofrida ou testemunhada por adolescentes na internet é relacionado à cor ou raça. No levantamento TIC Kids Online Brasil em 2019 com crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos, 33% das meninas entrevistadas se referiram à cor ou raça como motivo de sofrer ou testemunhar discriminação e 26% apontaram a aparência física. Na mesma questão, as proporções entre os meninos foram de 20% e 15%, respectivamente, indicando que meninas negras despontam como alvo preferencial da discriminação na internet.

“É muito importante para nós que o Instagram seja um lugar seguro e inclusivo onde as jovens e os jovens possam se expressar, encontrar apoio e ter uma experiência positiva. Não há espaço para bullying e racismo no Instagram, por isso desenvolvemos ferramentas abrangentes e lançamos mão da melhor tecnologia disponível para manter as pessoas seguras. O trabalho constante com especialistas, como o Geledés e a SaferNet no Brasil, nos ajuda a desenvolver medidas para o combate à discriminação e a promover um ambiente mais acolhedor no Instagram”, ressalta Natália Paiva, Head de Políticas Públicas do Instagram para a América Latina.

A série contará com três vídeos que serão publicados no canal do IGTV do @portalgeledes. O teaser que mostra um pouco mais sobre o conteúdo e apresenta a personagem Guta já está disponível na conta do @portalgeledes no Instagram.

 

+ sobre o tema

O PLP 2.0 Aplicativo de Combate a Violência contra Mulher é premiado pela OEA

O aplicativo PLP 2.0 foi um dos premiados pela...

Webinário debate papel desempenhado pelo empreendedorismo social na pandemia

A Folha transmite, na próxima segunda-feira (7), o seminário virtual “Boas...

Prêmio Estratégias de Equidade no Enfrentamento à Evasão Escolar

Geledés Instituto da Mulher Negra, em parceria com o...

para lembrar

Guerreiro Ramos, pioneiro nos estudos do racismo no Brasil

Não foram poucas as controvérsias protagonizadas, em vida, pelo...

Na Feira do Livro, Sueli Carneiro escancara racismo que ainda divide o Brasil

"Eu vivo num país racialmente apartado", afirma a filósofa Sueli...

“Mesmo com vice negra, somos oprimidas”, diz escritora colombiana

A escritora e jornalista colombiana Edna Liliana Valencia, de...

Em Moçambique, Anielle Franco assina acordo de combate ao racismo

Com agenda intensa em na África do Sul, a...

Aluno africano denuncia racismo em mensagem com suásticas nazistas na UFRGS; polícia investiga

Um estudante africano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) denunciou um episódio de xenofobia e racismo dentro da Casa do Estudante Universitário (CEU), uma moradia estudantil mantida...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o professor, sociólogo e cartunista carioca Bonifácio Rodrigues de Mattos, mais conhecido como Ykenga Mattos. Vítima...

Frugalidade da crônica para quem?

Xico, velho mestre, nesse périplo semanal como cronista, entre prazos apertados de entrega, temas diversos que dificultam a escolha, e dezenas de outras demandas,...
-+=