Gigante imobiliária, PDG mira Norte e Nordeste

Por: CAMILA FUSCO

 

 

Líder em vendas no país prevê R$ 2 bi em lançamentos nas regiões neste ano

Incorporação da Agre, feita em maio, permitirá à PDG diversificar os negócios, até agora focados no centro-sul

Dona de um faturamento de R$ 4,2 bilhões, a PDG Realty encontrou na Agre, companhia incorporada em maio, o principal apoio para crescer nas regiões Norte e Nordeste.

Segundo a Folha apurou, os lançamentos imobiliários da PDG nas duas regiões devem beirar R$ 2 bilhões neste ano. O volume é considerado expressivo por especialistas e dá novo fôlego de crescimento à PDG, que até agora concentrava mais da metade dos negócios no centro-sul.

Procurada, a PDG não se pronunciou, afirmando estar em período de silêncio.

“A Agre é o carro-chefe de diversificação geográfica da PDG nessas regiões”, diz Armando Halfeld, analista da Ativa Corretora.

Imobiliária líder em vendas no país no ano passado, num momento de expansão histórica do setor, a PDG teve um crescimento meteórico nesta década.

Criada em 2003 a partir de investimentos do Pactual Capital Partners (PCP), divisão do Banco Pactual, a companhia passou de empresa virtualmente desconhecida para a condição de gigante do setor.

Neste ano, a previsão é atingir a faixa entre R$ 6,5 bilhões e R$ 7,5 bilhões em lançamentos imobiliários.

A estratégia para o crescimento foi a de aquisições do controle e de participações em oito empresas nos últimos quatro anos.

Fruto da união entre Abyara, Klabin Segall e Agra, a Agre prevê que 56% de seus lançamentos no ano, avaliados em R$ 2,5 bilhões, aconteçam no Norte/Nordeste. É a primeira vez que os lançamentos nas duas regiões superam Sul e Sudeste.

SALVADOR
Salvador é a principal área de interesse. Neste ano, foram lançados três empreendimentos na cidade, que até dezembro deve receber outros dois, num total de R$ 900 milhões.

“A demanda está concentrada principalmente no segmento residencial, mas miramos também oportunidades comerciais”, diz Beto Horst, presidente da Agre.

Natal e Recife são outras capitais-alvo de crescimento da PDG com a Agre. Em Fortaleza, a companhia também receberá o reforço dos empreendimentos da Goldfarb, braço dedicado ao segmento econômico e controlado pela PDG desde 2006.

“No Norte, os alvos são Manaus e Belém, onde a Agre atua com parceiros locais de incorporação”, diz Horst.

No Amazonas, a parceria da Agre é com a construtora Amazonas, e, no Pará, com a Leal Moreira.

 

 

Fonte: Folha de S.Paulo

+ sobre o tema

Documentário sobre bairro ‘japonês’ de São Paulo resgata memória negra

Com lançamento previsto para breve, na cidade de São...

Conheça os nomes que deverão causar na cena musical em 2018

Entre IZA e Karol Conka, veja cinco artistas que...

Rihanna é vista com novo affair pela primeira vez

Rihanna foi vista pela primeira vez acompanhada de seu...

para lembrar

Cultura: CARTA DE REPÚDIO AO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

  São Paulo, fevereiro de 2010   Nós, delegados democraticamente eleitos como...

Entrevista com Fábio Konder Comparato

Írohín- Jornal Online - O Professor Fábio Konder...

Dossiê Afrofuturismo: saiba mais sobre o movimento cultural

Imagine uma viagem ao futuro, com elementos hi-tech, mas...

Quilombola é humilhado e sofre racismo por PM depois de ir ao banco abrir conta na Bahia

Nota da Associação Comunitária Agropastoril e Quilombola do Povoado...
spot_imgspot_img

Aos 105, Ogã mais velho do Brasil, que ajudou a fundar 50 terreiros só no Rio, ganha filme e exposição sobre sua vida

Luiz Angelo da Silva é vascaíno e salgueirense. No mês passado, ele esteve pela primeira vez no estádio de São Januário, em São Cristóvão,...

Mostra sobre Lélia Gonzalez vê negros e indígenas como centro da cultura nacional

As escolas de samba do Rio, os blocos afro da Bahia, as congadas de Minas Gerais, as comemorações da Semana Santa e do Natal. O que todas essas celebrações têm...
-+=