Gisele, eu tenho um cérebro!

Algum tempo atrás eu escrevi um artigo intitulado “E o machismo continua…” já alertava para as práticas, digamos, antigas do pessoal da publicidade.

Então o assunto era o tal #lingerieday {{se você não sabe o que é, leia o post acima destacado}}. Já havia por lá propaganda com a Gisele Bündchen fazendo papel de Amélia.

Pois eis que a nossa dileta representante das modelos que pensam, politicamente corretas {{e no caso dela, até militante do parto natural}} resolveu mais uma vez que dinheiro pode ocupar o lugar do cérebro. E fez a seguinte propaganda:

As mulheres que me desculpem, mas vou ter de explicar, pode haver homens lendo isso.

A propaganda coloca a mulher como objeto do marido. Não há argumentação, mas apenas besteiras feitas pela mulher que podem ser corrigidas diante do marido, macho alfa provedor, usando pura e simplesmente uma lingerie.

É como dizer que a mulher da foto do começo do post {{tudo bem, pode olhar, eu espero}} está fazendo do jeito certo. Ainda que seja um manequim e não uma mulher.

Mas isso não é o mais perturbador. Não é o mais assustador. Não é, porque, sabemos todos, há mulheres inteligentes o suficiente para usarem o cérebro e se indignarem contra esse tipo de propaganda. É o caso do belíssimo texto de Hildegard Angel, intitulado Mulheres Feias {{não acredite em mim – leia isso!}} ou ainda de Clara Roman, intitulado Gisele Amélia Bündchen {{não acredite em mim}}.

boneca inflavel 2O que me deixa indignado é saber que a propaganda tem razão quando mostra que os homens são todos burros. Eu mesmo já havia dito isso {{não acredite em mim}} e fui até alvo de reclamações masculinas.

É de indignar qualquer homem com ativo uso da massa encefálica intra-cranial {{célebro, como diria minha irmã mais nova}} que seja dito em uma campanha publicitária que o charme das mulheres brasileiras é conquistar homens completamente imbecis.

Muito obrigado, Gisele, mas eu faço uso do meu cérebro. Não gostaria de ser retratado feito um completo imbecil incapaz de qualquer uso do raciocínio lógico simplesmente porque vi uma mulher semi-nua. Ou nua.

O que o comercial faz não é apenas fazer da mulher um objeto. O comercial faz do meu sexo sinônimo de incapacidade mental {{como aliás, é praxe do machismo. Perdem-se os cérebros, homens e mulheres. Talvez por isso gere tanta agressão, homem quando não pensa faz o que sabe, bate}}.

E os homens confirmam a tese. Confirmam ao não abrirem a boca para reclamar da coisificação da mulher, ou dê o nome que quiser. E confirmam ao aceitarem passivamente o fardo de que pensamos com a cabeça de baixo.

Eu não, Gisele, eu gosto de mulher.

Fonte: Imprenca

+ sobre o tema

Mulheres usam arte em prol da visibilidade lésbica nas periferias baianas

Música, poesia, arte visual e uma mensagem: “existe amor...

Monica Benicio: “Mulher negra resiste”

A ABL, composta por 40 membros efetivos e perpétuos...

Lesbofobia: Lésbicas são agredidas dentro de um trem em São Paulo

Na sexta-feira (15), no horário entre as 06:25h às...

Teoria que não se diz teoria

A separação entre teoria e prática é um histórico...

para lembrar

Um legislativo pela vida das mulheres no Brasil

A reivindicação pela saúde das mulheres não se restringe...

“Funk: entre o santo e o profano, prefiro o empoderamento da mulher”

Marielle Franco, coordenadora da Comissão de Defesa dos Direitos...

Organização de Mulheres: Pela imediata responsabilização da TV Globo no caso BBB

Dois fatos muito graves ocorreram esta semana envolvendo o...

Centenas de mulheres protestam no Equador contra os feminicídios

Centenas de mulheres protestaram neste sábado (1º) contra a violência...
spot_imgspot_img

Brasil registra um crime de estupro a cada seis minutos em 2023

O Brasil registrou um crime de estupro a cada seis minutos em 2023. Com um total de 83.988 casos de estupros e estupros de...

Mortalidade materna de mulheres pretas é o dobro de brancas e pardas, diz estudo

Mulheres pretas têm quase duas vezes mais risco de morrer durante o parto ou no puerpério que mulheres pardas e brancas, segundo um estudo da Unicamp (Universidade Estadual...

Plataforma Mães Negras debate impactos do peso na vida profissional

A Plataforma Mães Negras do Brasil, startup (empresa emergente) de impacto social, cujo objetivo é a promoção do desenvolvimento socioeconômico de mães negras, promove nesta quarta-feira...
-+=