Mulheres marcham contra o machismo em Paris

Aproximadamente 100 mulheres participaram neste sábado (1º), em Paris, de uma “Marcha das Vadias” para protestar contra o machismo e o ato de culpar as vítimas de agressões sexuais.

Vestidas com saias curtas, shorts e, em alguns casos, com seus sutiãs a mostra, as manifestantes levaram balões vermelhos em forma de coração em um desfile desde Montparnasse até a Place du Pantheon. Elas carregavam uma faixa escrita “um estupro jamais é consentido, nem provocado, e nunca a culpa é da vítima”.

“Estou aqui porque estou farta de escutar frases desagradáveis no telhado quando me visto bem, ou que apertem minha bunda nas festas. Somos mulheres, temos seios e bunda e não existe motivo para esconder”, explicou Flora Birster, uma estudante de 20 anos, com um vestido decotado.

“Nenhuma forma de violência ou violação é aceita, desculpável ou tolerável. Ninguém pode nos dizer como nos vestir”, afirmou Marie Surgeres, 33 anos, que disse ter sido vítima de estupro.

“O caso Strauss-Kahn revelou o machismo de nossa sociedade. Mas a ‘slutwalk’ [marcha das vadias] nasceu fora deste caso”, disse Gaelle Hym, líder nacional da organização Slutwalk na França.

A “Slutwalk” é um conceito que nasceu em Toronto no mês de abril em resposta “às declarações machistas de um policial” que investigava uma série se estupros em uma universidade, segundo uma partidária da Slutwalk francesa.

– Durante uma reunião de prevenção, este policial aconselhou as mulheres de não se vestirem como ‘sluts’ [vadias] se não quisessem ser estupradas.

A organização afirma que na França 137 mulheres são estupradas diariamente, e a cada dois dias e meio uma mulher morre vítima de violência doméstica.

Fonte: R7

+ sobre o tema

Mulher com a Palavra promoverá segunda edição com a filósofa e escritora Marcia Tiburi

A Secretaria Estadual de Políticas para as Mulheres da...

Precisamos falar sobre como você silencia as mulheres ao seu redor

Quando começamos a falar de cultura do estupro, uma...

Dez romancistas feministas importantes na história da Literatura

Pouca gente sabe, mas a escritora inglesa Virginia Woolf,...

Bloquear os retrocessos no Brasil

A AWID falou com Ana Cernov, coordenadora de programas...

para lembrar

Do medo

"Não fica com medo não que o bicho sente!",...

Conselho Nacional da Mulher diz ser contra Estatuto do Nascituro

O Conselho Nacional dos Direitos da Mulher manifestou a...

Mulher dá à luz na recepção de maternidade e bebê cai

  Mãe esperava por atendimento na maternidade Nascer Cidadão, na...

SPM prorroga, até 30/8, inscrições para o Pró-Equidade de Gênero e Raça

Empresas e instituições privadas e públicas que promovem...
spot_imgspot_img

Machismo e patriarcado afetam não só as mulheres, mas também os homens e a crianças

O Projeto de Lei (PL) nº 1974/2021, de autoria da Deputada Sâmia Bomfim (PSOL/SP) e do Deputado Glauber Braga (PSOL/RJ), cuja tramitação pode ser...

Artigo: Não é estatística; são 25 mulheres assassinadas

Eu li a história de Andreia Crispim, 50 anos, vítima de um assassino, que transformou sua vida em um martírio. Não causa apenas tristeza,...

Mais de 12 mil crianças nascidas no último ano foram registradas sem o nome do pai na Bahia

A Bahia tem 12.282 mil recém-nascidos que foram registrados sem o nome do pai entre agosto de 2022 e julho de 2023, de acordo...
-+=