Giz para todas as cores de pele

Pintar pessoas durante a infância não é fácil. Faltam cores de pele na caixa de lápis de cor, e se identificar com o desenho fica mais difícil.

Por Juliana Contaifer Do Correio Braziliense

A UniAfro, um curso de aperfeiçoamento para a política de promoção da igualdade racial na escola, criou uma ação com a marca de giz de cera Koralle que deu o que falar. Os alunos de um curso sobre história e cultura africana receberam uma caixa de giz com doze cores de pele, que vão das mais claras até a pele negra. A ação foi um sucesso tão grande que agora, a Koralle colocou a caixa de giz de cera à venda em sua loja virtual.

+ sobre o tema

Uma análise sobre Corra! e o racismo velado

Sobre Corra!/Get Out (com spoilers) A sinopse do longa Corra!,...

Direita xenófoba sueca envolve-se em polémica por vincular Islão com violações

A formação ultranacionalista Democratas da Suécia (SD), com...

Educação básica é etapa crucial para instituir uma política de equidade

Desde 2020, nutrimos a expectativa de que o país...

para lembrar

Universitários devem protocolar ação em defesa das cotas raciais

  Fonte: Jornal da Mídia Brasília -...

Manifesto de Repúdio ao Racismo na PUC Campinas – por Maria Rita

O racismo é uma violência que mata, adoece, incapacita....

Novo Código da Fifa permite que árbitros terminem o jogo em caso de racismo

Juízes poderão até mesmo atribuir a derrota ao time...

Precisamos falar sobre violência

Lá venho eu de novo escrever sobre violência, acho...
spot_imgspot_img

‘A escola precisa naturalizar a cultura negra’, diz autor de ‘O Avesso da Pele’ que estará no Festival LED

Autor de “O Avesso da pele” e um dos convidados do Festival LED, nos dias 21 e 22 deste mês, Jeferson Tenório lembra com...

Educação escolar de negros com deficiência é marcada por capacitismo e racismo

Apesar da acessibilidade ser um direito garantido por lei para as pessoas com deficiência, a falta de ambientes acessíveis foi um dos principais problemas...

Em ‘Sitiado em Lagos’, Abdias Nascimento faz a defesa do quilombismo

Acabo de ler "Sitiado em Lagos", obra do ativista negro brasileiro Abdias Nascimento, morto em 2011, no Rio de Janeiro. A obra, publicada agora pela...
-+=