Goleiro Aranha comenta atuação da mídia em caso de racismo na Arena Grêmio

Goleiro, que foi vítima de agressões pela torcida do Grêmio, comenta atuação da TV no caso. O tema será debatido no programa Ver TV, na sexta-feira (21)

Aranha, goleiro do Santos Futebol Clube, foi vítima de agressões racistas praticadas pela torcida do Grêmio, em Porto Alegre. O arqueiro, que teve uma grande atuação em seu time foi insultado no final de uma partida por torcedores na Arena, em Porto Alegre. Câmeras do canal ESPN Brasil flagraram uma torcedora claramente chamando Aranha de “macaco” e o resto do grupo fazendo sons que lembravam o animal. O jogador relata o que achou da cobertura da televisão.
Ele acredita que mesmo existindo jornalistas que abordaram o caso de maneira responsável, alguns se utilizaram do sensacionalismo para conquistar as manchetes. “Alguns jornalistas abordaram de maneira séria e profissional e outros levaram para o sensacionalismo”, aponta.
Ainda assim, o goleiro defende que a cobertura da mídia foi essencial para o caso. Além da imprensa providenciar imagens que serviram como prova dos comentários ofensivos que foram feitos contra ele, o goleiro diz que a mídia ajudou a colocar o tema em destaque.
“A televisão tem que ser um veículo de informação e entretenimento também, mas quando é uma informação sobre um tema sério tem que tomar muito cuidado para não ser banalizado”, completa.
Para o jogador, sem as imagens que filmaram as ofensas que recebeu no estádio, seria difícil provar os atos e identificar os culpados.
“O papel da televisão foi importante pra divulgar uma situação que já existia mas que não era combatida com clareza”, diz.
O goleiro ainda acrescenta que o envolvimento da mídia ajudou a conscientizar as pessoas sobre o seus diretos e expor o racismo como um crime que pode ser punido.
Para Aranha, as produções televisivas tem representado cada vez mais a população negra, talvez não na quantidade ou na forma esperada.
Aranha, goleiro do Santos Futebol Clube, conversou com o Ver TV sobre o papel que a televisão teve no episódio de racismo que sofreu durante uma partida em Porto Alegre (RS).

Fonte: Tribuna do Sertão

+ sobre o tema

Política, imaginário e representação: uma nova agenda para o século XXI?

“O fato é que, enquanto mulher negra, sentimos a...

Inquérito da ONU por Floyd denuncia racismo sistêmico na polícia no Brasil

O Brasil é arrastado para o centro do debate...

O uso da palavra ‘genocídio’ no combate ao racismo estrutural

Este texto foi escrito a quatro mãos. Duas negras,...

Pais são presos após espancar filha por ter namorado negro

Eles disseram que a jovem estava envergonhando a família...

para lembrar

O que o colorismo diz sobre as relações raciais brasileiras?

Herança direta do modo de agir/pensar racista e escravocrata,...

‘A vida de uma galinha de macumba vale mais do que a de jovens negros’

O advogado Hédio Silva Jr. aponta racismo na tentativa...

Por qué un negro no puede interpretar a alguien de su misma raza en el cine peruano?

Negados, olvidados o injustamente postergados, usted escoja. El asunto...

ONU contesta Mourão e pede debate urgente sobre o racismo brasileiro

Em nota publicada nesta sexta-feira, 20, a Organização das...
spot_imgspot_img

Mobilizações apontam caminho para enfrentar extremismo

As grandes mobilizações que tomaram as ruas das principais capitais do país e obrigaram ao recuo dos parlamentares que pretendiam permitir a condenação de...

Uma pessoa negra foi morta a cada 12 minutos ao longo de 11 anos no Brasil

Uma pessoa negra foi vítima de homicídio a cada 12 minutos no Brasil, do início de janeiro de 2012 até o fim de 2022....

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...
-+=