Gomes Sambo lamenta mortes maternas em África durante parto

Luanda – O director regional da OMS (Organização Mundial da Saúde), Luís Gomes Sambo, lamentou hoje, quinta-feira, que apesar dos progressos significativos realizados pelos países na redução das mortes maternas, algumas mulheres em África ainda perdem as suas vidas durante o parto, por causas e infecções bem conhecidas e que podem ser evitadas ou tratadas.

A informação consta de uma mensagem do director da OMS por ocasião do Dia da Saúde da Mulher na Região Africana que hoje se assinala (4 de Setembro), sob o tema: ‘Acabar com as mortes maternas evitáveis em África’.

Segundo Luís Sambo, o  acesso limitado aos cuidados de saúde, unidades de saúde degradadas e recursos insuficientes são alguns dos maiores desafios que dificultam os progressos na luta para pôr fim às mortes maternas e infantis evitáveis.

“Esta situação é agravada por factores como a pobreza, os conflitos armados, a elevada taxa de gravidez precoce, bem como a pandemia do Vih/Sida”, considerou.

Além disso, referiu que as causas das mortes maternas estão profundamente enraizadas na fraca capacitação das mulheres na região.

De acordo com o responsável, colocar a saúde das mulheres e das crianças em primeiro lugar é uma das seis áreas prioritárias da OMS, e por isso ao longo dos anos, a organização e os seus parceiros vêm prestando apoio aos países na implementação de várias intervenções para tentar solucionar estes problemas.

Garantiu que a organização também continua envolvida em campanhas regulares de advocacia para acabar com as mortes maternas evitáveis em África.

Assim, os ministros africanos da saúde, que se reuniram na Primeira Reunião Ministerial Conjunta da Comissão da União Africana e da OMS, realizada em Luanda, em Abril deste ano, comprometeram-se a reduzir as mortes maternas para menos de 70 mortes maternas por cada 100 mil nados-vivos até 2035.

Entre outras acções, fez saber que os ministros também decidiram assegurar que todas as mulheres e crianças são abrangidas por intervenções comprovadas e com grande impacto, sobretudo as famílias mais pobres e que são mais difíceis de alcançar.

Comprometeram-se igualmente a aumentar o investimento nos profissionais de saúde e contribuir para enfrentar os determinantes sociais, comportamentais, económicos e ambientais da saúde.

“Ao comemorarmos o Dia da Saúde da Mulher, gostaria de sublinhar o papel crucial das parcerias com outros sectores, uma vez que muitos dos determinantes da saúde da mulher estão  enraizados noutros factores, como a educação e o ambiente”, salientou.

 

Fonte: Angola Press

+ sobre o tema

Ação contra desigualdade salarial leva meninas a entrevistas

Para receber o mesmo que os homens, as mulheres...

Tenho que compartilhar o que aprendi, diz Rachel Maia

À frente da Pandora, ela falou no Fórum CLAUDIA...

Novo Código Penal moçambicano legaliza o aborto

Moçambique torna-se o quarto país africano a aplicar a despenalização...

Mulheres na Arábia Saudita vão poder votar nas eleições municipais em dezembro

As mulheres na Arábia Saudita começaram, nesta semana, o...

para lembrar

Convite: Secretaria de Políticas para as Mulheres

Secretaria de Políticas para Mulheres convida você para participar...

Mulheres dão um basta no machismo velado

Elas são interrompidas quando falam e têm suas ideias...

Mulher negra sempre será subjugada, diz advogada Valéria dos Santos

Alvo de um episódio que causou revolta pelo racismo...

Filmes celebram centenário da escritora Carolina Maria de Jesus

Em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Negra, Latinoamericana...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=