Google: apenas 30% dos funcionários são mulheres; 2% negros

Nós somos os primeiros a admitir, o Google está a milhas de onde queremos estar, disse Lazlo Bock

Um  relatório demográfico do Google apresentado na última quarta-feira mostra que apenas 30% dos seus funcionários são “mulheres”. Os dados ainda mostram as minorias com índice menor que o sexo feminino, como os “asiáticos” em 30 %, 3% de origem “hispânica”, 2% “negros” e 4% de “duas ou mais raças”.

A disparidade de homens (70%) e brancos (61%) aumenta quando os dados são separados por áreas da empresa. Em “tecnologia”, 80% são homens e apenas 21% das mulheres ocupam cargos de “liderança” na empresa.

Entre os trabalhos “não tecnológicos”, o índice entre homens e mulheres e quase igual, com 52% para homens e 48% para mulheres. Contudo, a diferença entre as etnias ainda é alta com 65% dos funcionários brancos, seguidos por asiáticos (23%), dois ou mais raças (5%), hispânico (4%) e negro (3%).

Esta é a primeira vez que a empresa de Larry Page e Sergey Brin divulga informações sobre diversidade na companhia. Em um post no blog da empresa, o vice-presidente sênior de operações pessoais, Laszlo Bock afirma que existem diversas razões para o Google e outras empresas de tecnologia encontrarem problemas para “recrutar e manter” mulheres e minorias raciais em seus quadros.

“Por exemplo, as mulheres ganham cerca de 18% de todos os diplomas de ciência da computação nos Estados Unidos”, afirma Bock. “Negros e hispânicos compõem menos de 10% dos graduados universitários americanos e recolhem menos do que 5% dos diplomas em ciência da computação, respectivamente”.

Mudança de cenário
Lazlo Bock ainda afirma que o Google tem investido muito “tempo e energia” na educação para mudar este cenário, como ao doar US$ 40 milhões para ONGs levarem computadores à mulheres e meninas e ao trabalhar para melhorar a qualidade de universidades e faculdades de origem histórica racial nos EUA, como a Howard University.

Ainda assim, o executivo admite que o problema da disparidade racial está longe de ser resolvida. “Nós somos os primeiros a admitir, o Google está a milhas de onde queremos estar – e estar totalmente ciente da extensão do problema é realmente importante para parte da solução”, disse Bock.

Fonte: Terra

+ sobre o tema

Anistia Internacional quer comissão independente para caso Marielle

No dia em que faz oito meses dos assassinatos...

Reservas sim, mas com reserva

por Felipe Patury e Igor Paulin   O governo mudará...

Facebook fecha parceria com Brasil para ampliar conexão gratuita no país

O Facebook e o governo do Brasil anunciaram uma...

Anistia Internacional faz ato contra remoções forçadas no Rio

Integrantes da Anistia Internacional realizam, desde a manhã desta...

para lembrar

Confira os principais concursos que lançam editais nesta 2ª; destaque para CMJP e TJPB

Pelo menos 221 órgãos abrem inscrições na segunda-feira (19)...

Indígenas dos cinco continentes participam de Jogos inéditos

Até o dia 31 de outubro, Palmas, a capital...

Google abre programa de estágio

O Google anuncia a abertura das inscrições para a 2ª edição...

Defensoria Pública do Paraná abre concurso para 129 vagas

Período de inscrição começa na segunda-feira (2), e a...
spot_imgspot_img

NOTA PÚBLICA | Em repúdio ao PL 1904/24, ao equiparar aborto a homicídio

A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns vem a público manifestar a sua profunda indignação com a...

Nota pública do CONANDA contrária ao Projeto de Lei 1904/2024

O Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA, instância máxima de formulação, deliberação e controle das polícas públicas para a...

Marcelo Paixão, economista e painelista de Geledés, é entrevistado pelo Valor

Nesta segunda-feira, 10, o jornal Valor Econômico, em seu caderno especial G-20, publicou entrevista com Marcelo Paixão, economista e professor doutor da Universidade do...
-+=