Google faz acordo para se livrar de acusação de racismo no Reino Unido

A Google aceitou os termos de um acordo judicial frente a uma acusação de tratamento racista feita por um contratado terceirizado da empresa no Reino Unido. Segundo o jornal The Guardian, “Ahmed Rashid” (pseudônimo), um cidadão britânico de ascendência marroquina, tinha a função de conduzir pesquisas de coleta de dados das conexões Wi-Fi de shoppings e centros comerciais no país. O funcionário processou a Google após ela retirar da mesa uma oferta de renovação de contrato depois de ele reclamar da falta de segurança de seu trabalho e do assédio e “estereotipagem” racial.

Por Rafael Arbulu, no Canaltech

Foto: Tolga Akmen/AFP/Getty Images

 

A Google aceitou os termos de um acordo judicial frente a uma acusação de tratamento racista feita por um contratado terceirizado da empresa no Reino Unido. Segundo o jornal The Guardian, “Ahmed Rashid” (pseudônimo), um cidadão britânico de ascendência marroquina, tinha a função de conduzir pesquisas de coleta de dados das conexões Wi-Fi de shoppings e centros comerciais no país. O funcionário processou a Google após ela retirar da mesa uma oferta de renovação de contrato depois de ele reclamar da falta de segurança de seu trabalho e do assédio e “estereotipagem” racial.

Você pode pensar em “O que a Google tem a ver com isso?”, haja vista que o assédio sofrido vinha das equipes dos shoppings pesquisados por Ahmed. Porém, o trabalho conduzido por ele, a pedido da empresa, era secreto, o que o impedia de, caso questionado, mostrar qualquer identificação que comprovasse seu laço trabalhista com a Google. A acusação de Ahmed era a de que a gigante da internet mostrava pouco caso e não dava a devida importância à segurança dele, que era comumente chamado de “terrorista” pelos cidadãos locais. A promotoria britânica acatou a acusação.

“Houve uma completa dispensa da segurança e interesses dos contratados”, disse Ahmed ao Guardian. “Essa pesquisa foi conduzida em segredo, sacrificando a segurança dos terceirizados da Google que acabam caindo no estereótipo do perfil árabe/muçulmano”.

A Google negou que tivesse qualquer culpa, mas aceitou pagar £ 4.000 a Ahmed sob condição de que ele não mais discutisse o caso. No entanto, ele decidiu levar tudo a público após ficar sabendo da caminhada de protestos executada pelos funcionários da empresa em sua sede nos EUA, onde diversos funcionários da Google deixaram seus postos de trabalho e saíram do local.

O projeto em questão tem o codinome “Expedite” e visa auxiliar usuários a localizarem a si próprios e lojas de centros comerciais por meio dos dados de Wi-Fi do local ao invés do GPS — ele não é preciso em sua localização dentro de ambientes cobertos. Rashid conta que ele, junto de sua equipe, deveria coletar, de forma sorrateira, dados de abrangência e potência dos sinais Wi-Fi dentro de lojas predeterminadas pela Google. Para tanto, eles deveriam caminhar pelas proximidades por intervalos de cinco a 12 minutos, o que invariavelmente levantava suspeitas.

“Eu era o único na equipe com traços visivelmente árabes, e eu era parado e questionado pela segurança e administração dos shoppings. Eu não tinha permissão para dizer a eles que trabalhava para a Google”, contou Ahmed. “Eu ficava preocupado pois tinha medo de ser preso. Eu estava vivendo disso por 10 meses, era um trabalho muito solitário e isolado. Eu cheguei a sentir emoções suicidas. Os olhares que eu recebia faziam com que eu me sentisse como um pária”. Ahmed conta que relatou casos de assédio diversas vezes para a Google e pediu um crachá de identificação, porém foi ignorado. Em setembro, um contrato renovado lhe havia sido
prometido, mas a oferta foi retirada depois das reclamações do funcionário, deixando-o sem emprego e renda.

Um colega de trabalho de Ahmed — branco, sem traços árabes — também assinou um acordo de não divulgação do caso, mas disse ao Guardian que a Google deveria ter feito mais para proteger o amigo: “Ajudaria bastante que todos nós tivéssemos crachás de identificação pois, ainda que todos nós tenhamos sido parados, muitos não enfrentavam problemas por serem brancos. A Google poderia ter feito mais para ajudá-lo”.

Alguns shoppings também foram questionados pelo jornal e se limitaram a dizer que não possuem controle sobre as conexões Wi-Fi de seus lojistas locatários.

Fonte: The Guardian

+ sobre o tema

Como atitudes das torcidas de Boca e River escancaram racismo na sociedade argentina

Em duas semanas, três casos explícitos de racismo na...

Coletivos convocam atos de apoio à advogada Valéria Santos neste domingo em SP

No próximo domingo, 23/9, os coletivos As Pretas e...

Médico é vítima de racismo de paciente que não queria ser ‘atendido por crioulo’

No plantão da semana passada na Unidade de Pronto-Atendimento...

Bank of America vai indenizar 200 mil negros e hispânicos por racismo

O acordo obedece às acusações de que a Countrywide,...

para lembrar

spot_imgspot_img

Ronilso Pacheco: Ninguém está seguro no Rio de Janeiro se é negro

A fala do governador Cláudio Castro (PL) em defesa de policiais que apontaram uma arma para três jovens filhos de diplomatas em Ipanema, região...

Justiça absolve policiais pela morte do adolescente João Pedro

A juíza Juliana Bessa Ferraz Krykhtine absolveu sumariamente os 3 policiais da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) pela morte do adolescente João Pedro, há 4 anos, em São Gonçalo....

Três meninos no portão

Em 2022, o Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (CESeC) refez a pesquisa “Elemento suspeito”, feita pela primeira vez em 2003, com dados...
-+=