Gordinhas e o sexo

Antes, eu tinha lido esse texto da Polly no Lugar de Mulher: “Como é ser gorda”. Um par de horas depois, estava num chat online com uma amiga quando começamos a falar das revistas femininas clássicas e de suas influências nefastas em nossas vidas. E, juntando as duas coisas, acabei me lembrando de um artigo que li num exemplar da revista Nova de minha mãe, há uns 30 anos.

Texto de Vanessa Rodrigues para o Blogueiras Feministas 

Era alguma coisa sobre: “Gordinhas podem fazer sexo?” ou “Como gordinhas podem fazer sexo?”. Para ilustrar, havia a foto de uma modelo de rosto redondo, com uma expressão insegura, sem olhar direito para câmera. O texto recomendava transas à meia luz (ou com luz apagada), posições nas quais nossas dobrinhas ou gordurinhas não ficassem tão evidentes, jeitos de se desvencilhar da mão do bofe caso ele quisesse acariciar nosso abdômen, entre outras dicas.

Ou seja, o artigo era o próprio manifesto gordofóbico, cheio de condescendência e mau gosto. Reparem que o li criança e nunca me esqueci. Até porque, o grand finale era realmente uma pérola: uma espécie de receita de como transformar o lençol num “charmoso e sexy” sarongue, caso desse vontade de ir ao banheiro fazer xixi! Porque, obviamente, ao acender a luz para ir ao banheiro, era preciso esconder o corpo.

Li aquilo e, do alto dos meus 9, 10 anos de idade, eu só pensava que jamais iria trepar na vida, já que desajeitada como sou nunca que eu ia conseguir fazer de um lençol um sarongue! Quando muito, uma toga. E togas não são sexy. Na verdade, eu não conseguia nem visualizar a operação. Como não consigo até hoje.

Para a revista, uma mulher gorda precisava ser não apenas uma ginasta na cama, com aquelas posições mirabolantes que passam longe do kama sutra, mas também uma estilista-malabarista-meio-origamer. Tipo aquelas pessoas que fazem bichinhos de balões nas festinhas de aniversário. E, ainda precisa prender o xixi e ficar sem respirar (que é pro boy não acordar antes de finalizar a manobra), porque, né? Por mais ágil que uma pessoa seja, leva um tempo até o sarongue ficar pronto! Até lá, haja autocontrole na bexiga.

Quanta neura opressiva essas revistas nos incutiam, não é mesmo? Aliás, ainda incutem, com suas capas em busca da barriga negativa e da última novidade milagrosa emagrecedora. O mais triste é pensar que, talvez, o estilo até tenha mudado, mas a gordofobia continua igual. Não me surpreenderia nada em esbarrar com um artigo desse quilate numa revista qualquer hoje em dia. Mesmo com o termo “plus size” virando moda e, como toda moda, excluindo alguns e ditando como os corpos devem ser.

Quanto a mim, vieram os anos e, embora eu não tenha passado incólume pelas manifestações gordófobicas e pressões que sofri (e ainda sofro) ao longo da vida, aprendi que a delícia do sexo é desfrutar e ser desfrutada (e isso requer bem menos complicação e muito mais prazer do que possamos imaginar). E que na transa a única coisa que me apetece fazer com um lençol é brincar de cabaninha.

Autora

Vanessa Rodrigues é jornalista, co-fundadora da Casa de Lua e gostosa. Atualmente escreve no Brasil Post e pode ser encontrada também no Facebook e Twitter.

 

Leia Também:

Gordinhas dizem não!

Coisas Que Ninguém Diz Para Meninas Gordas

+ sobre o tema

O meu cabelo crespo fazendo revolução dentro de uma organização militar

Por: Juliana Satrapi Sou branca com cabelo crespo. Quando era criança...

As máquinas de vender intolerância e preconceito

Para compreender onda de fundamentalismo e crimes de ódio,...

Preconceito não é falta de amor próprio

Em toda banca de revista, livrarias e afins tem...

para lembrar

Mude o mundo, não seu corpo

Quando eu era considerada gorda para a sociedade, a...

A maravilhosa resposta dessa mulher às piadas sobre seu corpo no álbum de noivado

Até quando as mulheres vão aceitar ter seus corpos julgados por...

Após vencer racismo e gordofobia com arte, ela transformou poemas em disco

Então o poema começa, meus amigos e amigas. Sim,...

10 Dicas práticas para tornar o mundo menos gordofóbico

Você não precisa ser uma blogueira Plus Size ou...
spot_imgspot_img

Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e...

Racismo, gordofobia, transfobia. Já se sentiu discriminado ao fazer compras?

Em uma loja de grife vazia, em Goiânia, a única pessoa a perceber a presença da estudante de Medicina Lara Borges, de 20 anos,...

‘Absolutamente fora do padrão’: representante do setor funerário condena caixão com lixo de jovem morto sem atendimento em SP

O presidente da Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário (ABREDIF), Lourival Panhozzi, afirmou ao g1 que os protocolos adotados pela funerária responsável pelo...
-+=