Grace Passô, a melhor atriz do Brasil

Apesar de desconhecida pelo grande público, ela é incensada pela crítica teatral, acumula prêmios e faz suas primeiras incursões na TV e no cinema

Por Helena Carnieri, do Gazeta do Povo

Se fosse um jogador de futebol, Grace Passô seria o impossível caso de um artilheiro que todo ano vence o campeonato, é o craque, ganha a Bola de Ouro, mas permanece no anonimato. Pois hoje a mineira de 35 anos é considerada pela crítica especializada a melhor atriz do Brasil – em qualquer área – e mesmo assim segue uma ilustre desconhecida do grande público.

vaga carne_kelly knevels

Grace em “Vaga carne”, em Curitiba, com seu texto e direção.Kelly Knevels

Premiações não faltam em seu currículo. Ela já ganhou o Prêmio Shell de Teatro e o prêmio da APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte) pelo texto de “Por Elise”, em 2006; Sesc- Sated-MG como dramaturga (2005 e 2006); Usiminas como melhor atriz e autora (2006); e a Medalha da Inconfidência (2011), e várias indicações. Além de atriz, ela também escreve peças e, como é possível perceber pelas datas, exerce esse ofício desde jovem — ela entrou no curso de teatro aos 14 anos, em BH.

Por isso quem já teve contato com ela não poupa elogios. “Nas três performances cênicas em que a vi (‘Líquido Tátil’, ‘Krum’ e ‘Grãos da Imagem: Vaga Carne’), tive a sensação de estar à frente de uma força da natureza”, diz o ator Nathan Milleo.

Grace_01

As quatro peças de sua autoria que estão publicadas.Divulgação

“Ela é genial”, concorda a atriz Rosana Stavis, paranaense que também é considerada uma das melhores do país por seus pares. “Seus personagens têm muitas camadas de emoção, o que os torna ao mesmo tempo complexos e apaixonantes”, derrama-se.

Apesar da origem mineira, Grace tem uma grande ligação com a capital paranaense. Passou por Curitiba no último Festival de Teatro com “Vaga Carne”, e foi por aqui, em 2005, que foi “descoberta” pelos críticos, em “Por Elise”.

“A primeira imagem que tenho dela, no Fringe, é de um forte contraponto entre contenção e expressão”, afirma a crítica Beth Néspoli. “Nenhum gesto sobrando, nenhum excesso vocal, e, mesmo assim, muitos sentidos ressoavam no modo como modulava as palavras em sutil ironia.”

Para quem acompanha suas performances, o motivo de tanta força seria o fato de ela nunca entrar em cena sem estar “profundamente empolgada pela existência daquele evento teatral”.

Multitarefa

Grace sempre vinha ao Festival com o grupo Espanca!, do qual se separou em 2014. Depois disso colaborou como atriz com a curitibana Companhia Brasileira, em “Krum”, e tem parceria com Nadja Naira na iluminação de “Vaga Carne”.

“A mesma densidade volta à minha memória na imagem de seu corpo embalando ao colo, sem qualquer aparência de esforço, um ator de estatura muito superior à dela, em ‘Amores Surdos’”, espanta-se Beth Néspoli.

“Ela é hipnotizante. Quando eu vejo ela em cena, com aquela força, não consigo prestar atenção ao que acontece em volta. Quando ela diz um texto, ele sempre sai afiado e enérgico e, mesmo aquilo te destruindo, você não consegue desviar. Ela te desarma completamente e faz você escutar o que ela tem a dizer até o final. É um trabalho lindo de disciplina e precisão.”

DIMIS JEAN SORES diretor de “Peça Ruim” e “Bifes_1”

Mais uma hipótese para a ascensão da artista é o fato de escrever textos e também dirigir. “Acho bastante característico da contemporaneidade que as funções se complementem, as linhas criativas desapareçam e assumam uma nova potência”, diz o diretor curitibano Diego Fortes, do grupo A Armadilha. “A Grace é uma pessoa de teatro e exerce qualquer uma dessas funções, equilibrando magistralmente técnica e força.”

Grace tem quatro peças de sua autoria publicadas e foi premiada até mais vezes como dramaturga do que como atriz. Tem sido convidada também para outros trabalhos em cinema e televisão: estreou na Globo na série “O Caçador”, ao lado de Cauã Reymond, e está no elenco do longa “O Céu Sobre os Ombros” (2011), de Sérgio Borges.

“Grace Passô se consolida a cada trabalho como uma das atrizes mais importantes do país. Nas três performances cênicas que a vi (‘Líquido Tátil’, ‘Krum’ e ‘Grãos da Imagem: Vaga Carne’), tive a sensação de estar à frente de uma força da natureza, de um turbilhão de sensações.”

NATHAN MILLÉO GUALDA Ator

Ficha técnica

Nome: Grace Passô (Grace Anne Paes de Souza)

Idade: 35 anos (aniversário dia 20 de maio)

Nascimento: Belo Horizonte (MG)

Grupos por que passou: Armatrux, Clara Cia., Espanca! Colaboração com a curitibana Cia. Brasileira de Teatro

Filme: “O céu sobre os ombros” (2011)

Seriado: “O caçador” (2014)

Peças publicadas: “Por Elise”, “Amores Surdos”, “Marcha para Zenturo” e “Congresso Internacional do Medo” (Editora Cobogó).

Prêmios: Shell e APCA pelo texto de “Por Elise” (2006); Sesc- Sated MG como dramaturga (2005 e 2006), Usiminas como melhor atriz e autora (2006); Medalha da Inconfidência (2011) e várias indicações.

+ sobre o tema

Veto Já! Contra o golpe em nossos corpos e direitos

Contra o retrocesso, o racismo, a violência e Pelo...

Quase 50 anos depois, clássico da literatura negra chegará ao Brasil

Clássico da literatura negra chegará ao Brasil: chegará às...

estilista baiana, Mônica Anjos, apresenta sua nova coleção em São Paulo

Bazar VIP será promovido, neste sábado dia 9, para...

Rebeca Andrade fica em 5º lugar no solo com Baile de Favela nas Olimpíadas

Um passo. Foi isso que separou Rebeca Andrade de...

para lembrar

1,5 milhão de mulheres negras são vítimas de violência doméstica no Brasil

Elas representam 60% das 2,4 mi de agredidas. Reportagem...

A primeira juíza mulher da NBA e sua história de resistência

“Eu sabia que todo mundo estava esperando que eu...

É Tempo de Anastácia!

Quantas de nós, mulheres negras, ainda somos silenciadas nos...

Maria Júlia Coutinho será a primeira mulher negra a apresentar o Jornal Nacional

Jornalista entra para o rodízio de apresentadores do noticiários...
spot_imgspot_img

Ela me largou

Dia de feira. Feita a pesquisa simbólica de preços, compraria nas bancas costumeiras. Escolhi as raríssimas que tinham mulheres negras trabalhando, depois as de...

“Dispositivo de Racialidade”: O trabalho imensurável de Sueli Carneiro

Sueli Carneiro é um nome que deveria dispensar apresentações. Filósofa e ativista do movimento negro — tendo cofundado o Geledés – Instituto da Mulher Negra,...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...
-+=