Grande público debate o ano internacional do afrodescendente na sede da OAB/RS

 

Debate, que foi realizado pela Comissão de Direitos Humanos, na noite desta quarta-feira (23), faz parte da programação da Semana da Consciência Negra.

A Ordem gaúcha, por meio da Comissão de Direitos Humanos (CDH), realizou, na noite desta quarta-feira (23), o painel “Ano Internacional do Afrodescendente? Por quê?”. O evento, que contou com grande público, aconteceu no Auditório Guilherme Schultz Filho, no 2º andar da sede da entidade.

Participaram da mesa de abertura o coordenador-geral da CDH, conselheiro seccional Ricardo Breier; o presidente da Rede Afro de Profissionais da Advocacia, procurador do Estado Jorge Terra; o desembargador do TJRS, Umberto Sudbrack; o coordenador da Frente Parlamentar por Reparações, Direitos Humanos e Cidadania Quilombola da ALRS, deputado Raul Carrion; e o membro da CDH, Rodrigo Puggina.

Em sua fala, Breier destacou que o debate faz parte da programação da Semana da Consciência Negra. “A Ordem cumpre seu papel de fomentar a discussão sobre as diversas temáticas relacionadas, principalmente buscando disseminar a idéia da igualdade constitucional entre sexos, credos e raças. Realizamos diversas audiências públicas, na sede da OAB/RS, sobre a questão do racismo institucional e formas de combater o preconceito. É importante que o movimento negro e a sociedade civil discuta meios de inserção desta parcela da população no atual cenário de crescimento econômico do Brasil, visando à melhoria da qualidade de vida em condições de igualdade racial”, disse.

Em seguida, Terra coordenou a mesa dos trabalhos, com os palestrantes Saulo Macalós, da Superintendência Regional do Ministério do Trabalho e Emprego; Paulo Sérgio da Silva, do Programa de educação anti-racista no cotidiano escolar e acadêmico da UFRGS; e Elói Ferreira de Araújo; presidente da Fundação Palmares.

Macalós, que também é membro da Comissão de Diversidade Sexual da OAB/RS, falou sobre o afrodescendente e o mercado de trabalho.

O respeito à Lei de Diretrizes e Bases da Educacao Nacional como meio para a construção de uma sociedade igualitária foi o tema abordado por Paulo Sérgio.

Já Araújo, que é ex-ministro da Igualdade Racial, explanou apresentou um panorama das possibilidades da cultura afrobrasileira no Brasil.

 

 

 

Fonte: OAB

+ sobre o tema

Coletivo Luiza Bairros: conheça grupo que atua no combate ao racismo institucional na UFBA

A principal estratégia utilizada é na exigência do cumprimento...

Após reivindicação do movimento negro, sítio arqueológico no centro do Rio será preservado

Diferente das ossadas humanas descobertas durante escavações próximas à...

Agenda única de eventos em novembro celebra a consciência negra na UFMG

Iniciativa, que une comunidade e gestão, integra formação, informação...

para lembrar

spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Com discurso de Lula e da ministra Anielle Franco no Fórum de Afrodescendentes na ONU, Geledés aponta que o Brasil está no caminho certo...

“Para Geledés, o Fórum Permanente de Afrodescendentes é extremamente importante, porque pode construir, no sentido mais amplo, compromissos de enfrentamento ao racismo global. Sobre...

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...
-+=